Universidade do Futebol

Artigos

12/08/2015

Pensar antes de agir!

O que é Planejamento? Em uma explicação simples, é a capacidade que temos de pensar antes agir! Fazemos isso repetidamente em nosso cotidiano, sem nos dar conta às vezes, exatamente por se tornar uma rotina; mas fazemos, para tirar férias, ao acordar pela manhã, para preparar festas, até para ir ao jogo.

Alguém duvida que precisamos planejar na situação que estamos vivendo nos clubes e pouco fazemos isso nos últimos tempos? Algumas vezes não avaliamos corretamente todas as possibilidades, alguns pontos chave, as ameaças ou os riscos que explanaremos oportunamente em outra matéria.

E quanto a Estratégia? Trata-se da forma de pensar ou repensar no futuro, integrada no processo decisório, o como fazer. Logo, o Planejamento Estratégico (veja em detalhes o diagrama) genericamente, consiste em saber o que deve e de que maneira ser executado, antecipadamente.

Baseado nesta rápida introdução, é importante começar a descrever um pouco mais sobre Planejamento, e em uma análise preliminar e bem intuitiva, como utilizar uma ferramenta chamada Matriz SWOT que é bem difundida em processos de planejamento estratégico; é um sistema simples para identificar elementos chave para a gestão da “empresa”, o que implica estabelecer prioridades de atuação e identificar como a “empresa” está no ambiente em questão (Cenários). No caso Clubes de Futebol, Clubes Sociais, etc.

A análise SWOT ( SWOT é uma sigla oriunda do idioma inglês, é um acrónimo de Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats)), e as separa em quatro quadrantes para a partir daí priorizarmos os objetivos como mostrado na figura abaixo.

O ambiente interno pode ser controlado por nós mesmos, porque o definimos, já o ambiente externo, apesar de não podermos controlá-lo, devemos conhecê-lo e monitorá-lo com frequência para aproveitar as oportunidades e evitar as ameaças, quanto mais competitivo, instável e complexo o ambiente externo, maior a necessidade de analisá-lo.

Evitar ameaças nem sempre é possível, no entanto pode-se fazer um planejamento para enfrentá-las, minimizando seus efeitos, como exemplos, o assédio aos ídolos ou jogadores da base.

Para efeito de entendimento vamos relacionar 10 exemplos de cada um destes quadrantes

FRAQUEZAS – Fortalecer as Desvantagens internas em relação aos concorrentes

1-Terceirização descontrolada e práticas mistificadoras;

2-Ausência de um padrão de formação de atletas e condução de carreira;

3-Pouco ou nenhum método de gestão corporativa, politicas, processos e informatização;

4-Instalações de sedes inadequadas ou mal administradas;

5-Pouco número de sócios contribuintes e com alta inadimplência destes;

6-Composição de equipe com Jogadores fatiados de empresários;

7-Total desentendimento entre os poderes constituídos;

8-Falta de representatividade nas áreas externas;

9-Ausência de propostas e programas;

10-Valorização dos projetos pessoais e políticos em detrimento do clube;

FORÇAS – Capitalizar as Vantagens internas em relação aos concorrentes.

1-Torcida apaixonada e espalhada por todo o país ou fortemente regional

2-Pioneirismo, conquistas, tradição e formação de ídolos;

3-Grande patrimônio, próprio para prática de esportes olímpicos;

4-Torcedores famosos;

5-Torcedores influentes financeiramente,

6-Laços, proximidade ou alinhamento com determinada faixa-etária;

7-Bom relacionamento com autoridades politicas no estado;

8-Boa visibilidade e geração de receita garantida;

9-Franquia já estabelecida;

10-Estabilidade financeira
OPORTUNIDADES – Investir nos Aspectos positivos para aumentar a vantagem competitiva.

1-Utilização/locação do patrimônio por terceiros e sócios;

2-Utilização de parcerias estratégicas comerciais, técnicas, esportivas e sociais e de voluntários;

3-Utilização de força política;

4-Aproveitamento da proximidade de eventos no Rio de janeiro;

5-Adequação do plano de sócios e aumento do número de sócios;

6-Atingir os sócios em outros estados, aumento de receita em face dos torcedores e sócios;

7-Captação de incentivos fiscais para formação e esportes olímpicos;

8-Utilização de marcos e ídolos históricos para gerar receitas;

9-Possibilidade do parcelamento das dívidas cíveis;

10-Revitalização do entorno do estádio e modernização do bairro.
AMEAÇAS – Prevenir Aspectos negativos com potencial de comprometer a vantagem competitiva.

1-Receitas bloqueadas por ações judiciais e o não cumprimento de acordos;

2-Perda de novos talentos por causa da legislação (Lei Pelé);

3-Profissionalização dos adversários;

4-Imagem dos administradores comprometida por causa de atitudes;

5-Acirramento do estrangulamento financeiro;

6-Cerco de órgãos reguladores;

7-Atuação de empresários de jogadores desde a base (barriga de aluguel);

8-Dependência de empréstimos de conselheiros e Fundos.

9-Aumento da inadimplência;

10-Estagnação e redução do número de novos torcedores.

Podemos então chegar a algumas conclusões práticas? Creio que sim, e a partir daí criarmos as metas e objetivos.

Forças e Oportunidades – A dica é aproveitar o máximo dos pontos fortes e também o máximo as oportunidades detectadas, por exemplo, aproveitar a Força 1-Torcida apaixonada e espalhada por todo o pais com a Oportunidade 5-Adequação do plano de sócios e aumento do número de sócios-torcedores;

Forças e Ameaças – Tirar o máximo partido dos pontos fortes para minimizar os efeitos das ameaças detectadas. Percebam que um dos tópicos relacionados como Força, tópico 3 , bem trabalhado com os tópicos 4, 9 e 10 de Ameaças pode trazer bons resultados

Fraquezas e Oportunidades – Criar estratégias que minimizem os efeitos negativos dos pontos fracos e que ao mesmo tempo aproveitem as oportunidades identificadas. Neste caso seria adequado usarmos o tópico 5 de Fraquezas com os tópicos 2, 5 e 6 de Oportunidades, por exemplo, o projeto sócio torcedor.

Fraquezas e Ameaças – As estratégias a serem implementadas devem minimizar ou ultrapassar os pontos fracos e, tanto quanto possível, fazer face às ameaças, como por exemplo, em face da Fraqueza. 2-Ausência de um padrão de formação de atletas e condução de carreira e da Ameaça. 7-Atuação de empresários de jogadores desde a base (barriga de aluguel).

Sem-Título-2

O mercado dos clubes de futebol está cada vez mais acirrado, especialistas dizem que não teremos mais do que cinco ou seis clubes grandes, não existe mais os “PAItrocinadores”, logo, é mandatório empregarmos todos os recursos em busca de novas receitas, melhores resultados, não só com profissionais, mas em pesquisa, desenvolvimento e tecnologia. Quem sabe a criação de uma área de Planejamento, Orçamento e Gestão seja necessária?

Pensou em mais algum ponto a respeito? Quais pontos você priorizaria para o seu clube?

Quando bem feita, a análise SWOT será a fonte essencial do desenvolvimento de cenários e das estratégias para o seu clube, mas de nada adianta só constar no documento de planejamento.

* Wagner de Andrade Pedro Administrador de Empresas, Pós-Graduado em Análise de Sistemas e Didática de Ensino Superior pela UNESA com MBA em Marketing pela COPPEAD-UFRJ, certificado pela FGV/FIFA/CIES em Gestão, Marketing e Direito no Esporte e executivo da área de Tecnologia da Informação, foi membro do Conselho Deliberativo (2011-2014) do Vasco da Gama.

Comentários

Deixe uma resposta