Universidade do Futebol

Artigos

23/07/2009

Relação das lesões com o treinamento no esporte

No esporte, utilizam-se várias terminações para verificar o tipo de lesão. Estas, pouco concordantes, como ruptura, estiramento, contratura, distensão.
 
Classificação das lesões:
 
          Lacerações musculares;
          Câimbras;
          Dor muscular de início tardio(DMIT);
          Contusões musculares;
          Síndromes compartimentais;
          Lesões por estiramento muscular.
 
Em torno de 50% das lesões esportivas são por estiramento muscular. Alguns estudos apontam como principal causa desse tipo de lesão o:
 
          Alongamento exagerado da fibra muscular;
          Combinação de contração muscular e alongamento.
 
Assim, o músculo está mais susceptível a lesões em contrações excêntricas. A inclusão de força e de flexibilidade em um programa é fundamental, principalmente nessas condições, colocando a atividade física como condicionante e preventiva. Porém, essas capacidades devem ser bem periodizadas para que uma não atrapalhe a outra em seu desenvolvimento dentro do planejamento.
 
Músculos mais fáceis de se lesionar(biarticulares):
 
  1. Bíceps femoral
  2. Gastrocnêmio
  3. Reto femoral
  4. Bíceps braquial
 
Na atividade física, os músculos são solicitados de forma excêntrica e atuam como estabilizadores do movimento e absorvendo impacto. O local em que mais ocorre lesão por estiramento é na junção músculo tendão. Este tipo de lesão, em sua grande parte, acontece em esportes de alta velocidade e podem ser parciais ou completas, dependendo se houve ou não ruptura grosseira na unidade músculo-tendão. 
 
LESÃO POR ESTIRAMENTO: A dor é imediata.
 
DMIT (Dor muscular de início tardio):12 a 48 horas após o exercício.
 
Esse é o grande segredo e a maior dificuldade do treinamento de força. Progredir conjugando estímulo x recuperação x novo estímulo respeitando as limitações da dor. Encontrar a carga certa para cada momento sem deixar agudizar as dores, trazendo como consequência a lesão. Ao descansar demais, pode-se não evoluir ou perder o ponto certo da supercompensação para melhor aproveitamento do objetivo proposto. Treinar sempre com a mesma carga, mesmos métodos, e mesmo tempo de recuperação pode ocorrer um efeito conhecido por destreinamento, onde o nível de força permaneça inalterado mais o volume muscular diminui (Zatsiorsky, 1999). 
 
Ambos ocorrem em atividades que exigem contrações excêntricas.
 
Prevenção das lesões:
 
Nós como preparadores físicos devemos evitar os fatores de risco para obtenção de lesões em nossos atletas/alunos conhecendo e sabendo o que fazer com os fatores abaixo, todos esses redutores da capacidade de obtenção de energia do músculo:
 
 
Fadiga muscular
Trabalhar na dose certa de acordo com o grupo e/ou indivíduo, respeitando suas limitações e se-
guindo os períodos corretos na periodização.
 
Lesão incompleta prévia
com tratamento inadequado
Não deixar com que o atleta/aluno reinicie seus treinamentos antes da liberação do departamento médico. A avaliação e o tratamento médico são imprenscidíveis 
 
Encurtamento muscular
Trabalho de flexibilidade periodizado.
 
Fraqueza muscular
Trabalho de força periodizado.
 
 
Importância do aquecimento:
 
O aquecimento é uma preparação para atividade física que visa obtenção do estado físico, psíquico e prevenção de lesões. Ele pode e deve ser:
 
          GERAL, com exercícios que trabalhem todo o corpo aumentando o metabolismo, a irrigação tecidual a permeabilidade vascular e a produção de líquido sinovial.

          ESPECÍFICO, com intuito de preparar aos músculos e regiões específicos com exercícios semelhantes da modalidade que se irá realizar.
 
 
Como regra:
 
Só deve ocorrer o retorno ao esporte quando o indivíduo:
 
          Obtiver uma amplitude completa de movimento;
          Força semelhante ao lado não acometido;
          Possibilidade de praticar a atividade sem dores.
 
 
Bibliografia:
 
D’Elia, Caio. Lesões musculares no esporte. Site: www.treinamentofuncional.com.br Acesso em 6/11/2008.
 
Zatsiorski, 1999. Dor muscular tardia. Site: www.copacabanarunners.com.br. Citação. Acesso em 6/11/2008.
 
Weineck, Jurgen. Treinamento Ideal. Manole. 9ª Edição. 1999.
 
 
*Rafael Coota é pós-graduado em Treinamento Desportivo (UGF) e preparador físico do Radium F.C./Mococa-SP

Comentários

  1. ANTONIOFERNANDESOLIVEIRA FERNANDES disse:

    ola grato pelo conteuo sobre lesoes atleticas , e muito bom esta sempre atulizado em toos as questo~oes ligada ao dsporte em geral. voce poderia esta dando um curso de atualização dentro o contesto, de tratamentos especificos, mosculares,
    .

Deixe uma resposta