Universidade do Futebol

Artigos

01/08/2019

Relatório: educação e as categorias de base

Em parceria com a Indústria de Base, apresentamos a seguir números do primeiro levantamento intitulado O FUTEBOL MASCULINO BRASILEIRO E A ESCOLARIZAÇÃO NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE JOGADORES.

O estudo traz dados referentes ao número total de jogadores no futebol de base do Brasil, quantos deles atuam em clubes sem o certificado de clube formador, e ainda quantos jovens deixam suas cidades anualmente para participar processos seletivos.

***

O FUTEBOL MASCULINO BRASILEIRO E A ESCOLARIZAÇÃO NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE JOGADORES

Este documento foi redigido com o objetivo de compreender a magnitude do futebol de base masculino no Brasil, evidenciando a grande concorrência por postos de trabalho de qualidade no futebol profissional e destacando os conflitos existentes entre o processo de formação esportiva e a escolarização dos jovens jogadores.

***

“De acordo com a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol, o País possui hoje 18 mil atletas profissionais. Os índices de desemprego variam ao longo do ano por causa da mudança no número de competições. Os clubes menores simplesmente fecham as portas no segundo semestre. “No mês de abril, temos 30% dos atletas trabalhando. No fim do ano, esse número cai para 6%”, disse o presidente Felipe Augusto Leite” (Istoé, outubro, 2017).

***

4 — Garantir frequência escolar dos jovens jogadores

406 clubes atuando nas categorias de base sem CCF, é dizer que não é possível garantir que mais de 35 mil jovens tiveram acesso à escola.

***

35 mil em clubes sem CCF

10 mil alojados

13 mil perambulantes

Apesar da tentativa de buscar clubes dos diferentes níveis esportivos e administrativos, os dados levantados para esta primeira versão do relatório são, ainda, muito superficiais. A necessidade de um levantamento mais abrangente e preciso sobre os aspectos destacados ao longo do documento é urgente. Os números apresentados servem para que se possa ter uma ideia inicial da magnitude, e consequente relevância social, do futebol de base masculino no país.

Comentários

  1. Marcos Vinícius Russo dos Santos disse:

    Ótimo material!! Parabéns ao Arthur e à Universidade do Futebol pelo trabalho!!

Deixe uma resposta