Universidade do Futebol

Gepeef

29/02/2008

Responsabilidade social: o esporte na educação dos jovens

Quando colocamos em pauta o assunto responsabilidade social, imediatamente reconhecemos algumas vertentes de atuação das empresas: funcionários trabalhando como voluntários ou aplicação de recursos financeiros em projetos sociais, programas de qualidade de vida para colaboradores, sustentabilidade de comunidades localizadas em regiões próximas a empresa, etc.

Segundo Ashley (2002, p. 6), o conceito de responsabilidade social é assim definido:

“Responsabilidade social pode ser definida como o compromisso que uma organização deve ter para com a sociedade, expresso por meio de atos e atitudes que a afetem positivamente, de modo amplo, ou a alguma comunidade, de modo especifico, agindo proativamente e coerentemente no que tange a seu papel especifico na sociedade e a sua prestação de contas para com ela.[…] Assim, numa visão expandida, responsabilidade social é toda e qualquer ação que possa contribuir para a melhoria da qualidade de vida da sociedade”.

Nesse sentido, um exemplo que alia futebol e educação é o projeto “Bola pra frente, educação pra gente”, da empresa Alunorte, controlada pela Vale do Rio Doce, com participação da companhia Norueguesa Norsk Hydro, criado em 2001, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação. Este projeto acontece no município de Barbacena e Belém, envolvendo mais de 600 alunos de escolas públicas da cidade.

Para integrar a equipe Alunorte Rain Forest (ARF), que todo ano participa da Copa Noruega, os adolescentes disputam um campeonato chamado Copa Alunorte, em que os 18 melhores jogadores são escolhidos para irem a Noruega. Mas, para isso, esses jovens devem ter boas notas na escola e fazer parte das ações Prêmio Educacional, no qual são realizadas palestras por exemplo, sobre violência doméstica contra a criança e o adolescente e sexualidade na adolescência, tendo como proposta a realização de trabalhos como redação, cartazes e avaliações periódicas. Segundo a Secretaria de Educação, o interesse pela escola aumentou em 19% em função do projeto.

Atitudes socialmente responsáveis como o projeto “Bola pra Frente, Educação pra gente”; o Programa Educação pelo Esporte, criado em 1995 pelo Instituto Ayrton Senna, desenvolvido com a Audi AG, da Alemanha e o Centro Rexona de Excelência de Voleibol, auxiliam na formação de jovens muitas vezes excluídos na sociedade e sem perspectiva de futuro, com um chamariz já praticado nas ruas, nas escolas, em parques: o esporte.

Sabemos que o esporte possui esta característica aglutinadora, sendo responsável direto pela integração de crianças e jovens em algumas ações sócio-educativas, beneficiando assim, não só a formação de um indivíduo socialmente ativo, com a oportunidade de modificar um cenário que lhe parecia nebuloso, mas também como na construção de uma sociedade com um pouco mais de igualdade, dignidade e respeito. Portanto, se existem ferramentas como o esporte, que levam os nossos jovens a voltarem à escola, isto deve ser incentivado por todos: Estado, iniciativa privada e sociedade civil.

Bibliografia

ASHLEY, PATRÍCIA ALMEIDA. (Coord.). Ética e responsabilidade social nos negócios. São Paulo: Saraiva, 2002.
CASTRO, EDSON. Soma de futebol com esforço no estudo leva 18 jovens ao Norway Cup. Unisol, Universidade Solidária, 27 de agosto 2007. Disponível em: http://www.universidadesolidaria.org.br/site/pagina.php?idclipping=7863&idmenu=45. Acesso em: 08 de fevereiro 2008.
PASCHOAL, ENGEL. Responsabilidade Social e Ética: Esporte Social Clube. Colégio Módulo, 12 de maio 2003. http://www.colegiomodulo.com.br/Default.asp?Codigo=266&Secao=&SubSecao=. Acesso em: 08 de fevereiro 2008.

Comentários

Deixe uma resposta