Universidade do Futebol

Entrevistas

09/05/2014

Serge Van den Ban, treinador de goleiros da base do Ajax

"Os jogadores ganham jogos, mas as equipes ganham campeonatos". A frase, de autoria do treinador Frank de Boer, foi dita depois de ele liderar o Ajax à conquista do quarto título consecutivo na Holanda.

O clube, que já faturou pela 33ª vez na história a Eredivisie, se firmou sob o comando do ex-zagueiro que assumiu o comando da equipe em dezembro de 2010.

Nunca o Ajax tinha conseguido o tetracampeonato e este feito iguala os conseguidos pelo PSV Eindhoven entre 1985/86 e 1988/89 e de 2005 a 2008. Em campo, com a contribuição de um jogador em especial: Kenneth Vermeer.

Aos 27 anos de idade, o goleiro ainda tenta se concretizar na promessa que foi um dia. Revelado pelas categorias de base do Ajax, chegou a ser considerado o "jogador" do futuro pelo clube em 2003 e passou por todas as seleções de base da Holanda.

Agora é titular absoluto da equipe e foi convocado para a seleção principal. Na esteira dele e também selecionado para a disputa do Mundial no Brasil está Jasper Cillessen, também com passagem pelo departamento de formação do Ajax. Todos trabalharam com Serge van den Ban.

Um dos grandes goleiros holandeses de sua geração, Den Ban era o goleiro reserva no Ajax, mas devido a lesões ele nunca “estourou” na equipe principal. Atualmente, ele treina os goleiros sub9 a sub12.

“Você deve fazer os jovens goleiros conscientes de seus papéis e responsabilidades, através do jogar”, diz ele.

Nesta entrevista concedida à Soccer Coaching International, revista parceira da Universidade do Futebol, De Ban relembra os problemas vividos por conta de sua baixa estatura, fala sobre a filosofia de treino do Ajax e entende que o talento para atuar nesta posição é algo inato – mas que, claro, pode ser aperfeiçoado.
 



Universidade do FutebolRelembre sua trajetória como goleiro profissional.

Van der Ban – Eu fazia parte da chamada “geração de ouro” no sub-19 do Ajax. Quando Edwin van der Sar deixou o Ajax para a Juventus, tornei-me a terceira escolha atrás de Fred Grim e Stanley Menzo, que se lesionou.

Tornei-me a segunda escolha para goleiro, mas ainda assim eu tinha que lutar por minha posição, pois o Ajax contratou, em primeiro lugar, Lobont, depois Didulica.

Infelizmente, também passei por problemas médicos e logo me encontrei atrás dos outros na ordem dos goleiros – me tornei o quarto na fila para ser o camisa número um.

Além disso, também sempre fui confrontado sobre a minha altura, e quando Co Adriaanse foi nomeado como treinador principal, ele me disse que por causa da minha altura (1,78m), eu nunca seria capaz de jogar no mais alto nível.

Vários clubes vieram me ver jogar, mas este quesito foi sempre um problema, com a maioria dos treinadores tendo um princípio: os goleiros devem ter pelo menos 1,85m.


Serge van den Ban foi formado na base do Ajax e sofreu por conta da baixa estatura

 

Universidade do Futebol E quais são os critérios que você utiliza agora como treinador de goleiros?

Van der Ban – Um pouco como eu, um dos atuais goleiros do Ajax, Kenneth Vermeer, não é muito alto também, mas ele compensa sua altura com a capacidade de salto incrível e força.

Independentemente disso, ele ainda está sendo julgado por sua altura, ou aparente falta dela. Críticos, incluindo os treinadores, costumam dizer que os goleiros mais baixos não são bons com bolas altas, mas nunca os ouve sobre os goleiros altos sendo piores em bolas baixas.

Treinadores sempre focam nas desvantagens dos goleiros mais baixos, mas nunca nas vantagens. Obviamente, eu não tenho esse preconceito, mas eu concordo que os goleiros mais baixos têm que compensar a sua altura em outras áreas.

Um dos meus pontos fortes como goleiro foi a minha "técnica". Eu raramente soltava uma bola e eu também sou bom para sair jogando.

No Ajax, nós gastamos muito tempo no aspecto futebolístico do goleiro. Nas faixas etárias mais jovens, você não recebe muitas bolas como goleiro, e as bolas que você receber tem que fazer a defesa.

Basta olhar para o Stekelenburg (hoje goleiro do Fullham, da Inglaterra): ele é um goleiro excelente, mas também é capaz de sair jogando, e quando você atua por Ajax, Roma, seleção holandesa ou qualquer outra equipe de alto nível superior, você usa durante todo o tempo de jogo o goleiro.
 

 

Universidade do FutebolVocê teve alguma frustração em sua carreira?

Van der Ban – Eu poderia ter conseguido algo a mais, fazendo uma retrospectiva. Fiz algumas escolhas ruins.

Sempre que eu sabia que um scout ia me ver jogar, eu queria ter certeza de que eu iria jogar, mesmo quando eu estava lesionado, e isto me prejudicou.

Ao fazer a mudança para a Jupiler League (segunda divisão holandesa), quando eu ainda estava atuando e depois para jogar semi-profissional, eu era capaz de conciliar outro emprego. E também isso me deu mais tempo com minha família.


"No Ajax, nós gastamos muito tempo no aspecto futebolístico do goleiro", diz Van den Ban

 

Universidade do FutebolQual é o diferencial da formação do Ajax?

Van der Ban – Eu não acho que é necessário para um goleiro ter começado como um jogador de campo, porque se você é um bom goleiro, mas só começou com a idade de, digamos 15 anos, então, só acho que você poderia ser melhor se tivesse começado com nove anos, por exemplo.

Como um goleiro, você pode aprender como participar no jogo quando você está treinando. Parar uma bola é a parte mais importante de ser um goleiro. Ser capaz de sair jogando é um bônus.

Quando o Ajax jogou contra o Real Madrid em uma temporada recente da Liga dos Campeões da Europa, Stekelenburg passou a maior parte do tempo fazendo defesas e ficamos felizes pelo que ele fez.

A coisa mais importante é impedir o adversário de marcar. Oliver Kahn foi um grande goleiro, mas ele não foi era muito bom para sair jogando, lembremos.

Universidade do FutebolComo foi sua transição para iniciar a carreira de treinador de goleiro?

Van der Ban – Começou muito cedo para mim. Eu era goleiro das categorias de base do Ajax e meu irmão mais novo estava jogando em um time amador.

O goleiro da equipe dele era muito ruim, mal sabia bater tiros de meta, então meu irmão me perguntou se eu poderia ensiná-lo.

Treinei os chutes dele, e depois de quatro ou cinco sessões, ele realmente começou a melhorar, já sendo capaz de chutar a bola por todo o campo até o atacante.

Ele me perguntou se eu poderia ensiná-lo algumas outras coisas também, e eu disse sim.

Alguns dos outros jovens goleiros no clube descobriram o que estávamos fazendo e perguntaram se podiam participar também. Dentro de seis semanas, eu estava treinando quatro goleiros semanalmente. A partir daí, eu sabia que queria treinar goleiros.

Dá muita satisfação quando você vê que está fazendo alguém melhor. Eu, então, treinei uma equipe por três anos e obtive a minha licença de treinador de goleiros.

Quando eu entrei no MVV Andries Jonker, o treinador na época me perguntou se eu queria atuar em uma equipe de jovens. Então, eu fiz um estágio no Ajax, orientado por Jan Splinter. Depois, entrei para KGA Escola de goleiros da área metropolitana de Amsterdã, e comecei a treinar um clube amador.

No início da temporada de 2012, fui abordado pelo Ajax para treinar os goleiros mais jovens da categoria de base. Não pensei duas vezes sobre a oferta e aceitei.


  Van de Ban diz não achar necessário para um goleiro ter começado como um jogador de campo e enaltece os selecionáveis Vermeer e Cillessen

 

Universidade do FutebolQuando um goleiro está “pronto”?

Van der Ban – Goleiros de 16 e 17 anos de idade já devem ter desenvolvido quase todos os requisitos para ser bastante competentes, ou pelo menos tê-los já em estado avançado para o desenvolvimento.

O treinamento para os mais jovens vai focar predominantemente a técnica e o indivíduo; com goleiros um pouco mais velhos, o treinamento já incorpora os jogadores de campo.

Quando eu era goleiro das categorias de base do Ajax, eu realmente fui capaz de desenvolver a minha técnica, pois eu tive a oportunidade de treinar com Frans Hoek por sete ou oito anos. Isso realmente me formou como um goleiro e eu desenvolvi uma técnica excelente.

Frans me ensinou o básico e agora estou fazendo o mesmo com os meus goleiros: como você pega uma bola fora, como você rola uma bola, qual é a postura adequada, como você pode reagir rapidamente, etc.

Os goleiros mais jovens ainda são muito brincalhões e eles gostam de dar o famoso “chutão”. Eu prefiro que eles segurem a bola, para mantermos a posse e o controle.

Você tem níveis diferentes quando se trata de goleiros, e como treinador você tem que analisar quais são os pontos fortes e fracos deles. O objetivo será identificar o que precisa ser introduzido e desenvolvido.

Você vai notar rapidamente se alguém tem um talento natural ou não. Como pegar uma bola, como eles se posicionam na meta e sua agilidade e movimento. Se você escolher os exercícios apropriados, normalmente você pode perceber se eles têm o necessário para ser um grande goleiro em um treino e o nível em que se encontra.

Como treinador você é apenas um guia, e eu só tenho que guiar o goleiro para que seu talento venha à tona.

Eu posso falar tudo que eu quero, ou mostrar-lhes tudo o que eu sei, mas se um goleiro não tem esse talento em potencial ou não está motivado, não posso fazê-lo melhor.


"Como treinador você é apenas um guia, e eu só tenho que guiar o goleiro para que seu talento venha à tona", diz o profissional da base

 

Universidade do FutebolFale um pouco sobre a peculiaridade do trabalho com os goleiros da equipe sub-9.

Van der Ban – Ao treinar um goleiro sub-9, você tem que tomar outras atividades em consideração. Eles também podem ter aulas de ginástica na escola, ou uma classe de judô. Também podem treinar comigo durante meia hora e depois juntar-se aos jogadores de campo pela próxima meia hora.

Nós treinamos com o sub-9 na segunda, quarta e sexta-feira e observamos as outras atividades, e eu trabalho em conjunto com os treinadores de campo quando eles se juntam ao resto da equipe e quando eles treinam comigo.

Às sextas-feiras, a maioria dos treinadores quer que seus goleiros estejam presentes para a última parte das sessões. Então, eu gasto cerca de meia hora a sós com eles e aí eles se juntam à equipe.

No Ajax, trabalhamos com temas e nosso tema atual é passe e chute. Como aquecimento, vou passar a bola para o goleiro, ele vai receber e levá-la para a esquerda ou direita e depois passá-la de volta.

Vou progredir com a adição de duas pequenas metas nos flancos esquerdo e direito. O golzinho da esquerda representa o lateral esquerdo e o golzinho direito representa o lateral direito. O goleiro terá que fazer a escolha para onde passar a bola.

Claro que você pode adicionar alguns atacantes que farão pressão na bola, mas com o grupo etário mais jovem eu não faço isso.

No sub-9, é permitido pegar a bola com a mão depois de um passe para trás. Assim, a pressão não faz sentido nenhum. Outros temas que trabalhamos são 1V1 e cruzamentos. Estes temas são utilizados em todas as categorias da base, mas há detalhes que variam de acordo com a idade e nível.

Um goleiro sub-19 vai treinar com pressão total, enquanto o do sub-9 não terá pressão.

Quando só se tem meia hora, você está limitado nos jogos, mas quando eu tenho mais algum tempo, eu sempre adiciono um jogo no final da sessão.

Um exemplo de um objetivo do jogo ou condição pode ser a de salvar dez bolas.

Os goleiros têm que começar com uma boa postura e executar a defesa perfeitamente ao pegar a bola. Quando fazem isso dez vezes, eles são recompensados. Todos gostam do elemento do jogo e é uma ótima maneira para eu desenvolver a sua técnica básica.

Com goleiros jovens, eu tenho dois princípios fundamentais: eles precisam se divertir e eles precisam dar tudo de si. Se eu perceber que eles não estão se divertindo, ou não estão motivados, vou procurar saber o porquê.

*Tradução: Thales Peterson

Leia mais:
Especial: a importância da formação do treinador de futebol
Especial: a importância da formação do treinador de futebol – parte II
Especial: a importância da formação do treinador de futebol – parte III
Especial: a importância da formação do treinador de futebol – parte IV
Especial: a importância da formação do treinador de futebol – parte final                                         
Marcelo Martins, preparador físico do Bayern de Munique

Francisco Navarro Primo, treinador da base do Valencia 
Pedro Boesel, gestor financeiro
Emily Lima, treinadora da seleção brasileira sub-17
João Burse, técnico do Mogi Mirim sub-20
Mariano Moreno, diretor da escola de técnicos da Espanha
Núcleo de Futebol da Faculdade de Motricidade Humana
Baltemar Brito, ex-auxiliar de José Mourinho
Kemal Alispahic, treinador da seleção do Tadjiquistao
Maurice Steijn, treinador do ADO Den Haag
Hidde Van Boven, treinador do sub-13 do VV De Meern
Wim van Zeist, instrutor técnico do De Graafschap
Reinier Robbemond, treinador da equipe sub-13 do AZ Alkmaar
Jefta Bresser, ex-treinador da academia de jovens do PSV Eindhoven
Ron Jans, treinador do SC Heerenveen
Aleksandar Rogic, assistente técnico da seleção principal de Gana
João Aroso, treinador adjunto da seleção portuguesa de futebol
Roberto Landi, treinador da seleção da Libéria
Gustavo Almeida, técnico do Red Bull sub-15
Cláudio Roberto Silveira, treinador do Sri Lanka
Alfons Groenendijk, treinador do Ajax sub-19

Comentários

Deixe uma resposta