Universidade do Futebol

Colunas

16/10/2019

Sobre os lugares do drible e outras ideias

Alguns sintomas dos excessos e da carência do drible no Brasil
Talles Magno: lembrança de um jogo que se perde aos poucos. (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

 

O drible maravilhoso do garoto Talles Magno, do Vasco, aplicado no último domingo em São Januário, pelo Campeonato Brasileiro, rodou páginas e mais páginas mundo afora. Um leve gingado, sem encostar na bola, seguido de uma lambreta (ou carretilha, ou qualquer outro nome) objetiva, em direção à área, interrompida pela falta que resultou na expulsão do atleta adversário. Certamente um dos pontos altos da rodada.

Ao mesmo tempo em que causou admiração, este lance também gerou um certo debate, tanto do ponto de vista ético quanto do ponto de vista mais técnico, digamos assim. Neste segundo caso, vem à tona o que se chama de um certo perfil do futebol brasileiro, um certo jeito brasileiro de se jogar futebol, uma certa carência do drible no egresso da base brasileira e etc.

É mais ou menos neste sentido que gostaria de escrever hoje.

***

Vamos começar com uma pergunta daquelas: o que é um drible? Como alguém que não gosta de definir coisas, eu diria de cara que não faço a mínima ideia. Mas como alguém que gosta de pensar em hipóteses, vamos pensar em hipóteses. Por exemplo: o drible é uma forma maravilhosa de afirmação individual. Quando digo isso, repare bem, não falo de afirmação do jogador, mas falo de afirmação da pessoa. O sujeito disposto ao drible é um sujeito disposto ao confronto, aos riscos do confronto e, portanto, às consequências do confronto. Mas para quem quer se afirmar, para quem quer superar a si mesmo, nada disso importa. Porque quem tem medo não dribla. Os dribles em geral (e os dribles bons, em particular) têm pelo menos duas características incorrigíveis: a primeira delas é a coragem. O bom driblador é corajoso.

A segunda característica, a meu ver, é a criatividade. Só que aqui nós começarmos a pisar em um terreno metodológico. Ou seja, será que a minha metodologia de treinamento estimula ou restringe a criatividade dos meus atletas para determinadas situações-problema? Porque se você concorda comigo que a coragem é um requisito importante para o drible, mas no nosso treinamento colocarmos nossas crianças para driblarem cones, temos pelo menos dois problemas: I) não é preciso coragem para driblar cones e II) não é preciso criatividade para driblar cones. Talvez então seja preciso criar situações (situações de jogo!) que façam com que as nossas crianças na iniciação esportiva, ou os nossos jovens da especialização, possam desenvolver-se como dribladores contra adversários reais, desafiadores, em um ambiente de jogo que permita a aprendizagem. Basta buscar o número de horas de futebol de rua jogados por todos esses exímios dribladores que temos e tivemos ao longo da história para perceber o que um ambiente de jogo pode fazer. Daí, aliás, a importância fundamental da Pedagogia da Rua.

Mas ao mesmo tempo em que é uma forma de afirmação, corajosa e criativa, o drible também é uma certa forma de subversão. O jogador obediente demais não dribla tanto assim. Quem dribla é o desobediente. Ou seja, o jogador que desobedece o tempo (porque usa um tempo diferente dos outros), que desobedece o espaço (porque usa espaços que fogem à regra), que desobedece, vez por outra, as convenções que estão postas (confiando nas suas próprias), que desobedece as ideias do adversário e, muitas vezes, que desobedece até a si mesmo (se pensarmos no caminho intuitivo de que falamos semana passada). Mas, veja bem, mesmo a maior desobediência é obediente ao jogo, e nem toda desobediência é contrária ao modelo. Nada está fora do jogo, nada está fora das regras (senão não seria jogo), tudo está posto, mas de um jeito próprio, surpreendente, fantasioso e, exatamente por isso chamativo. Quem se afirma chama as atenções para si.

Ou seja, talvez o drible seja uma expressão afirmativa corajosa, criativa… e desobediente.

***

Fiz questão de citar a importância metodológica ali em cima, porque de fato esta é uma discussão importante. Há colegas que realmente acham que não temos carência de dribladores no futebol brasileiro. E usam como argumento os jogadores A, B ou C, geralmente atletas de nível internacional e/ou Seleção Brasileira, que seriam as provas de que os dribladores não estão em falta e etc etc.

Mas vejo pelo menos dois problemas aqui: I) existe uma diferença entre Seleção Brasileira e futebol brasileiro. Uma coisa não é sinônimo da outra. O fato de haver dribladores no mais alto é minimamente esperado, uma vez que o futebol brasileiro, ao longo da sua história, construiu-se muito a partir do drible, do inesperado, desta bela dança com a bola nos pés. Daí a dizer que isso representa todo o futebol que se joga no país me parece um equívoco. Os estímulos que nossos garotos recebem são muito diferentes de um passado recente e são diferentes de região para região. O resultadismo alojado no profissional já se diluiu para a base, os terrenos em que nossas crianças jogam hoje são muito diferentes, bolas e chuteiras são muito diferentes de uma época em que as bolas podiam ser pedrinhas e as chuteiras eram um privilégio. Alguns ideais pseudossistêmicos apostam que a força do coletivo está no silencioso assassinato da individualidade, e por aí vai. E talvez o drible tenha deixado de ser uma fantasia para virar um acessório, muito abaixo do passe, muito abaixo do espaço, em zonas específicas, que não pode ter tanta coragem, não pode ter tanta criatividade, não pode ser desobediente e, portanto, talvez não possa ser drible. Será que não criamos cópias incompletas daquilo que era tão nosso?

Daí, chegamos ao problema II) Não sei vocês, mas tenho a impressão de que o drible está profundamente associado ao prazer de se jogar futebol. É possível dar um passe e não sentir nada, é possível dar um chute e não sentir nada, mas não é possível completar um drible e sair indiferente. E de tanto driblarmos em campo (talvez pelos problemas que já tínhamos como pátria) causamos um espanto tamanho, que diversos outros países tiveram que inventar alternativas e mais alternativas para tirar nosso espaço, cortar nosso tempo, matar nosso drible. Só que quem faz isso não faz por prazer, faz por obrigação. Daí que seja assustador que, vez por outra, nós aceitemos tão passivamente uma ou outra ideia externa, que olha de cima para baixo as nossas culturas, as nossas identidades, o nosso povo, os nossos corpos. Será que não compramos como solução exatamente alguns dos antídotos que foram criados para nos frear? Não seria isso um dos mais claros exemplos de suicídio futebolístico? Se sim, talvez a questão não seja como adaptar o futebol brasileiro ao que se chama (muitas vezes, sem critério algum) de modernidade, mas sim como isso que se chama de modernidade, ainda que não se saiba ao certo o que se chama de modernidade, se adapte (e não anule) às raízes culturalmente construídas pelo futebol brasileiro.

***

Daí que a surpresa e as reações causada pelo drible de Talles Magno sejam tão sintomáticas, de um futebol às vezes tão comportado, tão asséptico, tão apático, tão respeitoso (no sentido metafórico), que um breve traço de picardia, de coragem, de criatividade e de desobediência seja tão estranho, tão raro, seja uma lembrança tão distante de nós mesmos.

A saber se aquele futebol mata a fome de um povo.

 

Comentários

  1. Romário Cardoso Costa disse:

    Prezado Hudson. Trabalho com criança a mais de 20 anos e posso dizer com toda certeza que na iniciação a criança precisa inicialmente ter liberdade para driblar e para isso a pressão da marcação tem que estar ausente, por isso o cone faz, nesse momento, um papel importante até que o iniciante entenda quais os dribles, e como, ele pode aplicar naquele marcador que lhe dá liberdade, o cone. Metodologicamente vamos evoluindo a medida que o iniciante também evolui. Passamos do “marcador imóvel”, o cone, para o marcador que faz de conta que marca, dando liberdade para o driblador, até evoluirmos para o 1×1 de verdade. É certo que nem todos os iniciantes conseguem ter o mesmo sucesso, mas a prática vai a cada dia propiciando um terreno fértil para o drible. Iniciar a aprendizagem do drible já aplicando o confronto direto do 1×1 não é uma opção metodológica adequada para iniciantes! O iniciante e o jogador experiente precisa saber que o drible tem seu momento e lugar certo para ser realizado! Um drible realizado numa situação em que não há outra alternativa senão o enfrentamento do adversário é um drible necessário e bem aplicado a situação, mas quando temos opção do auxílio, da ajuda, do colega para superar o adversário, é preciso entender que nesse momento ele não é a melhor solução para a situação-problema. Sou defensor do drible responsável, ou seja, aquele aplicado na situação necessária e correta e não o driblar por driblar.

Deixe uma resposta