Universidade do Futebol

Colunas

04/12/2018

Tempo DE Campeão: Palmeiras

Ainda há muito para melhorar, mas o título do Palmeiras é resultado de trabalho bastante profissional. Sinais de mudança na gestão do esporte no Brasil e, em específico, no fute-bol?

Palmas para a Sociedade Esportiva Palmeiras, 10 vezes campeã brasileira de futebol. Título incontestável. Bom trabalho sendo conduzido dentro e fora de campo. Pelo que se sabe e o que parece, está blindado de polêmicas, especulações e declarações duvidosas, características corriqueiras de outros tempos em que o clube era um vulcão prestes a entrar em erupção. Em outras palavras, há um trabalho bastante entrosado entre atletas, comissão técnica, gestores e demais colaboradores do clube.

Característica fundamental para um bom ambiente de trabalho. Bom ambiente de trabalho naturalmente leva a uma maior produtividade das pessoas. O bom ambiente, somado à produtividade, naturalmente conduzem aos bons resultados. A manutenção deles é grande desafio e depende de fatores que, muitas vezes, não estão no controle.

Pois bem, o clube tornou-se o maior campeão do Brasil e está em paz com a torcida. Há quem diga que o patrocinador é o principal responsável por tudo isso. Ledo engano. O Palmeiras possui uma taxa de ocupação bem alta em seu estádio. Ora, os ingressos para o Allianz Parque estão longe de serem baratos. O palmeirense é, entre os torcedores, um dos que mais consomem produtos oficiais do clube. Há sim uma garantia financeira pelo principal anunciante da camisa, mas ao mesmo tempo um trabalho bastante profissional para garantir rendimentos ainda maiores.

Sociedade Esportiva Palmeiras: decacampeã brasileira. (Foto: Itaperuna Gospel FM)

 

Este panorama nos leva a acreditar em um próspero cenário para a gestão do esporte no Brasil, e, em específico, o futebol. Que bom que esta impressão tem acontecido pelo exemplo. Claro que nem tudo são mil maravilhas. As instituições devem ter dezenas, centenas, inúmeros problemas. Palmeiras, Flamengo, Internacional (para citar apenas alguns, os que terminaram esta temporada no topo da tabela) têm sido referências. Bahia, idem.

Portanto, pouco a pouco percebe-se esta tendência. Muito pouco a pouco, mesmo. Ainda há muito para melhorar. O profissionalismo do trabalho das instituições tem mostrado resultado e tem dado o exemplo. Com uma cultura voltada para o mercado, a fim de satisfazer resultados financeiros e esportivos, a tendência agora é de querer melhorar a cada temporada. Oxalá continuem assim.

 

Comentários

Deixe uma resposta