Universidade do Futebol

Artigos

26/07/2007

Teoria do filamento deslizante

A teoria do filamento deslizante explica como as fibras musculares se encurtam. No momento em que as pontes cruzadas da miosina são ativadas, eles se ligam com muita força à actina, alterando a conformação da ponte cruzada, a qual faz com que a cabeça da miosina incline em direção ao braço da ponte cruzada e tracione os filamentos de actina e de miosina em direções opostas. Essa inclinação da cabeça e denominada ligação forte.

A tração do filamento de actina sobre o de miosina resulta no encurtamento e na geração de força. Quando as fibras não estão se contraindo, a cabeça da miosina permanece em contato com o sítio de ligação de miosina, mas a ligação molecular no local é enfraquecida ou bloqueada pela tropomiosina (Wilmore & Costill, 2001).

Em seguida à ocorrência da inclinação da cabeça da miosina, acontece a sua separação do sítio ativo e o retorno à sua posição de origem, ficando fixa a um novo sítio ativo mais distante ao longo do filamento de actina.

As fixações repetidas e ligações fortes fazem com que os filamentos deslizem entre si, dando origem ao termo “filamento deslizante”. Esse processo continua até as extremidades dos filamentos atingirem as linhas Z.

Durante esse deslizamento (contração), os filamentos de actina são trazidos mais próximos uns dos outros e formam uma protrusão na zona H, onde, finalmente, eles se sobrepõem. Quando isso ocorre, a zona H deixa de ser visível.

Bibliografia

Jack H. Wilmore & David L. Costill. Fisiologia do Esporte e do Exercício . Ed. Manole, 2001.

Comentários

Deixe uma resposta