Treinador europeu x treinador brasileiro: entendendo as diferenças

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Ser treinador de futebol no Brasil e na Europa. Um sonho que, apesar de muito comum entre os profissionais nativos (eu me incluo neste grupo), é muito difícil de se realizar. Mas por que um país que possui tanta facilidade para expandir atletas para o exterior tem tanta dificuldade para fazer o mesmo com seus treinadores para a Europa e recebê-los aqui?

Ao contrário de muitos, não acho que a resposta desta pergunta esteja na falta de qualidade dos brasileiros ou somente na língua. Acredito que a língua pode até ser um fator, mas as grandes dificuldades deste intercâmbio estão na mentalidade e nas formas de trabalho dos dois ambientes.

No Brasil, o treinador é uma figura muito instável dentro do cenário do futebol. Em um esporte ainda “pouco evoluído”(embora esteja melhorando) em questões administrativas, o técnico é contratado “apenas “para cuidar do time e, logo em suas primeiras derrotas, é dispensado, ficando desempregado, o que geralmente cria uma alta pressão por resultados e impede o profissional de deixar um legado ao seu clube.

Em contrapartida, quando ocorre o resultado positivo aqui, o treinador é bem mais valorizado do que no Velho Continente.

Na Europa, nos trabalhos de alto nível, o treinador é encarado como uma figura mais importante e em geral é escolhido de acordo com o projeto do clube, o que gera maior estabilidade para trabalhar, e mais condições para realizar um trabalho e deixar sua marca no clube.

No exterior, existe uma maior preocupação com categorias de base, e na maioria dos casos o treinador do profissional é diferentemente do Brasil: ele é o grande responsável por fazer a integração de atletas com o departamento profissional.

Esta integração ocorre com uma filosofia de trabalho a ser seguida por ambos, que é definida pelo treinador do time principal.

Não estou querendo dizer que é melhor trabalhar em um ou outro, mas apenas mostrar as diferenças entre ambos – o que, para mim, é o que dificulta este intercâmbio.
 

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Carlos Honório dias Júnior
Carlos Honório dias Júnior
2 dias atrás

Estou estudando para mudar isto

Mais conteúdo valioso