Universidade do Futebol

Eduardo Barros

22/06/2013

Uma pausa nas questões táticas

Assuntos táticos não faltam para serem discutidos, especialmente neste período de Copa das Confederações. Porém, ter um espaço semanal para publicações num portal que tem um olhar transdisciplinar para o futebol e fechar os olhos para as manifestações da população brasileira que ocorreram nos últimos dias não me pareceu coerente.

É difícil falar de seleção brasileira, Neymar, Paulinho, Posse de Bola, Espanha, Momentos do Jogo, Itália, Modelo de Jogo, Periodização ou quaisquer outros temas num momento em que o povo vai à rua e expressa (nem sempre da melhor forma) tamanha indignação.

Como escrever sobre estes atos não compreendem a minha especialidade profissional, procurei em diversos posts, vídeos e reportagens uma visão que representasse parte da minha opinião.

E foi de um e-mail encaminhado pela minha esposa e escrito pela psicóloga Patrícia Gebrim que encontrei alguns parágrafos de imenso significado.

A Avenida Paulista virou um espelho

“Tenho acompanhado, com o coração apertado, as manifestações que vem acontecendo no Brasil. Moradora de São Paulo, não há como não sentir esse nó na garganta ao ver as imagens da Avenida Paulista tomada por fumaça e toda aquela agressividade. Ao mesmo tempo, a sensação incômoda de me sentir manipulada por informações desencontradas, e como muitos brasileiros, de achar muito difícil saber no que acreditar.

Assim, registro internamente tudo o que li, vi e ouvi na última semana, fecho os olhos e busco informações dentro de mim. Penso que é lá, dentro de nós, que encontraremos sempre a opinião mais sábia e sensata, e peço ajuda para ser capaz de escrever algo que faça algum sentido, algo que possa, de alguma maneira, aliviar essa sensação de impotência que anda tão presente em meu íntimo e servir de alguma ajuda neste momento.

Tenho vivido em um país onde os abusos tornaram-se o "pão nosso de cada dia". Corrupção, péssima educação para nossas crianças, sistema de saúde ineficaz. Respeito e ética tornaram-se palavras que devem morar em algum museu. Os tais vinte centavos são um símbolo. Não estamos aguentando mais. Algo precisa mudar. E após tanto tempo calado, impulsionado por uma energia que vem se espalhando por todo o planeta, amparado pela comunicação facilitada pelas redes sociais, o povo resolveu falar, recuperar sua voz. Nada mais legítimo.

No entanto, quando ocorre um fenômeno de massa como o que está acontecendo, é muito fácil perdermos, na coletividade, aquela fagulha divina que validava o movimento dentro de cada um de nós. Corremos o risco de ter a alma engolida pelo animal que mora em nós, e quando isso acontece, a legitimidade de nossos atos desaparece.

Se, enquanto humanidade, já tivéssemos atingido um nível superior de consciência, os manifestantes iriam pacificamente às ruas, os policiais cuidariam para que a manifestação ocorresse de forma protegida e todos sairiam ganhando. No entanto, enquanto seres humanos, "não importa de que lado estejamos", somos ainda muito falhos. Levamos ainda, em nosso íntimo, uma imensa sombra. Carregamos medos, raiva, ressentimentos, inveja, ódio. E de repente, no meio da multidão, nossa luz se esvai e essa parte mais densa se sobressai. Talvez isso não aconteça com todos, mas basta uma pequena fagulha para que um fogo se faça. Aqui e ali, de um lado ou de outro, nos tornamos animais, os animais que somos também. O animal que ainda não curamos.

Se existem atos de destrutividade por um lado, e resposta truculenta por outro _ e estou certa de que ambos existem _ isso está refletindo o conflito e a agressividade que ainda existe dentro de cada um de nós.

Deixo as considerações políticas aos políticos. As considerações sociais aos sociólogos. Cabe a mim, como ser humano, dizer que precisamos nos tornar maiores do que o animal que mora em nós.

Seja você um estudante cheio de paixão que caminha pelas ruas clamando por mais justiça social, seja você um policial que deixa um filho dormindo no berço para ir às ruas fazer o seu trabalho, vestindo sua farda com a intenção de preservar a ordem; não perca a sua essência, não perca a sua luz, não se perca na histeria das massas, não seja engolido por essa onda rubra que ensombrece nossa alma e amortece nossos corações.

Todos podemos perder nossa essência, e quando nos perdemos do que de belo existe em nós, todos perdem, e as cenas tristes dos últimos dias se repetem.

Assim, não estou aqui para julgar ninguém. Não estou aqui para dizer quem está certo ou errado, para nomear vítimas ou carrascos. Minha intenção é lembrar a todos do perigo intrínseco às generalizações.

Não se trata de “vândalos” versus “policiais truculentos”.

São pessoas. Seres humanos. De ambos os lados, muitas delas bem intencionadas. E muitas delas também tomadas por um lado animalesco, cheio de inconsciência e separatividade, que simplesmente destrói. E se existe algo que possa ser chamado de mal, esse mal estará incentivando a agressividade desmedida, o ódio generalizado por quem quer que more do outro lado da linha que traçamos.

Tudo é uma ilusão. Não há linhas. Somos todos irmãos.

Apenas peço, do fundo da minha alma, seja você quem for, que busque em si mesmo aquele lugar de sabedoria que lhe dirá que a pessoa que está lá, do outro lado, não é o inimigo.

O inimigo real só pode ser vencido dentro de cada um de nós.

Só teremos paz quando, cada um de nós, criarmos paz em nosso íntimo. Enquanto isso não acontecer, continuaremos a ver na tela da televisão o triste retrato de nossa própria distorção.

A Avenida Paulista é um espelho do que acontece dentro de cada um de nós.”

Agradeço a sua compreensão, leitor, por dedicar alguns minutos do seu dia para uma reflexão que não é (será?) relativa ao futebol. Na próxima semana retorno com publicação sobre a Copa das Confederações.
 

Para interagir com o autor: eduardo@universidadedofutebol.com.br

 

Comentários

Deixe uma resposta