Universidade do Futebol

Artigos

26/07/2007

Visão da cinesiologia

Existem dois conceitos, extremamente importantes na cinesiologia, que são comumente confundidos. O conceito “foco” é empregado quando se fala de tecido do corpo mudado patologicamente, por exemplo, um granuloma num dente. Por outro lado, o conceito “campo de perturbação” é usado quando existe um foco com efeito remoto no corpo, por exemplo, quando o granuloma atua sobre a artrose do joelho.

Pela situação atual do conhecimento cinesiológico, subdividem-se focos e campos de perturbação segundo o modo e a situação das estruturas ou órgãos envolvidos. A maioria dos distúrbios se encontra no âmbito da cabeça. Aqui estão os dentes na posição superior, seguidos pelos seios da face. Porém, outras áreas do corpo, como órgãos da barriga e da bacia, podem ser ativos como foco ou campo de perturbação.

Focos de inflamação crônicos como, por exemplo, afecções do seio maxilar, podem colocar o corpo em uma constante disposição para a inflamação e, com isso, manter ou então fortalecer a suscetibilidade a doenças (disposição para doenças).

Na cabeça, são possíveis os seguintes focos e campos de perturbação: dentes, que podem ter a polpa inflamada, com raiz tratada, restos de raiz na mandíbula após extração de dente, deslocados e cistos na área do maxilar.

Outro foco possível se localiza na articulação temporomandibular, que pode ser em reação inflamatória de sobrecarga, devido a ranger de dentes noturno, por causa de desvios da mordida normal, processos inflamatórios no seio maxilar e fronatl e inflamações crônicas nos ouvidos.

No número preponderante dos casos, os focos ou campos de perturbação na área da cabeça são a causa para um aumento da disposição do corpo para a doença, ou então, o fator desencadeante de uma doença.    

Bibliografia

DOBLER, Günter. Cinesiologia, fundamentos, Prática e Esquemas de Terapia. Editora Manole, 2003.

Comentários

Deixe uma resposta