entrar  Esqueceu a senha?   ou 
Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso ao conteúdo
 
destaque
Lilian de Oliveira
Colaborador

Arquiteta e urbanista autônoma, graduada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (São Paulo), em 2007. A partir do trabalho final de graduação, sobre a necessidade de espaços públicos para grandes massas, somado a projeto para um estádio em Itaquera, emprenhou-se na produção de materiais sobre arquitetura esportiva devido à ausência de uma variedade de estudos e análises de caso.

Responsável pelos blogs Gol da Arquitetura e Arquibancada, auxilia universitários com projetos em desenvolvimento sobre estádios, arenas e temas relacionados à Copa do Mundo, Jogos Olímpicos e eventos esportivos em geral.

Desde 2008, presta serviços de consultoria a interessados em se preparar para os eventos no Brasil.

Tem como bagagem a experiência em voluntariado durante os Jogos Panamericanos de 2007, no Rio de Janeiro e na Copa do Mundo Fifa 2010, na África do Sul.

Coluna
Cidade-sede: Salvador
Projeto baiano é muito coerente. Mas arquitetura não é marcada com simbologia das cores da história da cidade
03/05/2012

Adicionar aos favoritos
Adicionar aos favoritos

A cidade baiana é a que tem um projeto que, de fora, é o mais coerente de todos. Respeita-se a leveza da fachada em um entorno importante e tombado: o Dique de Tororó. Inicialmente, foi muito contestado por não valorizar este entorno e o previsto inicialmente, mas, agora, segue o plano e inicia a colocação da arquitetura em uma proposta não espetacular, mas bastante interessante.


Respeitando a forma em “U” do estádio, com cena marcada pela tristeza do acidente onde a arquibancada do estádio ruiu, em 2007, matando quatro torcedores, a nova Fonte Nova se modela livrando-se da antiga imagem precária lembrando um pouco o estádio Moses Mabhida (abaixo), de Durban, sede da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. Essa forma da arquitetura pode privilegiar muito uma visibilidade marcante de um acesso principal ao estádio, como acontece com o palco sul-africano.


Por este motivo, a cobertura do estádio poderia ser mais marcante, mais trabalhada. No entanto, desde que construída com materiais de qualidade que não depreciem muito com o tempo ou que exijam grande manutenção, a cobertura não apresenta grandes problemas. A maioria dos projetos não apresenta muitos detalhes, mais uma satisfação para a sociedade, geralmente querendo conquistar olhares sem fornecer o necessário para a compreensão.


Ainda sobre a cobertura, nada é mostrado em relação ao trabalho de transparência para que não haja obstrução da incidência de luz solar no campo, mantendo a saúde do gramado e garantindo sua durabilidade – ainda mais com o intenso uso para shows que a cidade pretende realizar, já estando fechado um show de grande porte, festa de réveillon 2013 e a comemoração da lavagem de Bonfim.


Com estrutura leve, baseada em um anel central que “trava” a estrutura, ela é facilmente resolvida e bastante utilizada em estádios fora do Brasil. A visibilidade parece ser considerada boa, embora não haja locais muito próximos ao campo como alguns estádios tentam fazer – isso diminui a chance da visibilidade ser obstruída por placas de publicidade ao longo do campo, perdendo, assim, a venda das fileiras mais próximas.

Salvador não pensa como o Corinthians e quer, sim, realizar estes eventos e shows de grande porte em seu estádio. Ao mesmo tempo em que isto interfere na qualidade e cuidados com o gramado, é uma forma de enxergar a sustentabilidade financeira do equipamento, o que, para o Corinthians, deve ter cuidado redobrado.


Com estacionamentos subterrâneos, o estádio diminui seus usos, por isso talvez pense em utilizar tanto o gramado, mas nos poupa de imensos estacionamentos ao redor da praça esportiva, localizada em uma região de proteção histórica e já bem consolidada. É por este motivo que o transporte urbano deve ser muito bem resolvido, englobando diferentes modalidades de transporte, seja trem, ônibus, metrô, bicicleta, pedestre e, por último, automóveis.

Embora a Fifa exija um número grande para estacionamento, é de benefício para a capital que o transporte funcione, tanto para o evento, quanto para evitar transtornos viários a cada evento futebolístico na cidade.

A diferença dos níveis externos do estádio, como vemos no corte acima, pode facilitar muito a acessibilidade diretamente ao anel marcado no ingresso, distribuindo bem o público; além disso, seria interessante que o acesso principal fosse pela parte aberta ao Dique, como acontece no exemplo da África do Sul que mencionei.

Sempre saliento a importância em se marcar arquitetura deste porte com simbologia, e, sendo um estádio que representará a Bahia, Estado cheio de história, tradições e cultura, não vejo muito disso. Ao menos não no que nos é fornecido.

Ainda há tempo de fazer algo neste sentido, nem que seja nas arquibancadas. Falta cor para uma cidade na qual uma das religiões mais tradicionais é fortemente relacionada às cores. E falta corresponder à personalidade colorida da cidade do carnaval, do Olodum e de tanta alegria e tradição.
 

*Imagens do Portal 2014 - www.portal2014.org.br.


Para interagir com o autor: lilian@universidadedofutebol.com.br


Leia mais:
Cidade-sede: Cuiabá
 

Tags: copa do mundo , brasil 2014 , negócios , arquitetura , Urbanismo , planejamento estratégico , bahia , arenas , estádios , investimento

UNIVERSIDADE NO FACEBOOK

©2013 Universidade do Futebol