entrar  Esqueceu a senha?   ou 
Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso ao conteúdo
 
destaque
Lilian de Oliveira
Colaborador

Arquiteta e urbanista autônoma, graduada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (São Paulo), em 2007. A partir do trabalho final de graduação, sobre a necessidade de espaços públicos para grandes massas, somado a projeto para um estádio em Itaquera, emprenhou-se na produção de materiais sobre arquitetura esportiva devido à ausência de uma variedade de estudos e análises de caso.

Responsável pelos blogs Gol da Arquitetura e Arquibancada, auxilia universitários com projetos em desenvolvimento sobre estádios, arenas e temas relacionados à Copa do Mundo, Jogos Olímpicos e eventos esportivos em geral.

Desde 2008, presta serviços de consultoria a interessados em se preparar para os eventos no Brasil.

Tem como bagagem a experiência em voluntariado durante os Jogos Panamericanos de 2007, no Rio de Janeiro e na Copa do Mundo Fifa 2010, na África do Sul.

Coluna
Cidade-sede: Porto Alegre
Cobertura do Beira-Rio é leve, em módulos metálicos e independente da estrutura original das arquibancadas
28/06/2012

Adicionar aos favoritos
Adicionar aos favoritos

Mais complexo que a construção de um estádio e a reforma de um equipamento desses. Na lista para a Copa estão: Mineirão, Maracanã, Mané Garrincha, a Arena da Baixada e o Beira-Rio. O Beira-Rio, embora não seja tão afogado por construções vizinhas como a Arena da Baixada, tem outros fatores limitantes para que tudo seja modificado de acordo com as exigências da Fifa e com tudo que possamos considerar a melhor solução em estádios. Além disso, por ser um estádio privado, há outros fatores limitantes, como o financeiro também.

A principal ideia de reforma do Beira-Rio foi em relação à cobertura e fachada, que deveriam ser criada e modificada, respectivamente, e surgiu bem antes do projeto de Copa em 2014. Passou por vários estudos, evoluiu e agora conta com muitas outras mudanças.



A cobertura é leve, em módulos metálicos, revestida com membrana PTFE, e independente da estrutura original das arquibancadas - fixando-se nelas somente.



A estrutura final da mesma é travada com um anel de manutenção com acesso de funcionários, onde fica fixada a iluminação.



A cobertura tem aberturas no topo do anel superior, o que deve ajudar na ventilação natural e conforto ambiental do equipamento. Anteriormente, havia as cabines de transmissão na cobertura, mas acabaram sendo retiradas por um estudo de ventos – os mesmos faziam com que a sensação dentro delas não fosse das mais agradáveis.



Novamente, por ser privado, por depender da renda e não querer abrir mão dos jogos em nenhum momento, as obras são sempre interrompidas e a instalação da cobertura/fachada (juntas em um único elemento) não devem interferir no andamento do Campeonato Brasileiro.

O estádio do Inter não ficará pronto para a Copa das Confederações em 2013, somente para a Copa do mundo 2014. Por isso, a comparação com outros estádios é ainda mais difícil de ser feita: seus projetos ainda estão um pouco mais crus em relação a alguns assuntos, como a acessibilidade, por exemplo – embora já tenha definições.



O campo, por exemplo, não pode ser rebaixado para maior aproximação do público por conta de problemas com irrigação futura. Isso acontece por estar próximo ao lago Guaíba – ou rio? Sempre existe esta discussão. No entanto, visando a mesma oportunidade de aproximação, as arquibancadas serão trazidas, mudando sua inclinação, e os trechos do escanteio terão um público cadeirante e comum muito satisfeito com a boa proximidade.





Acima, podemos ver a diferença da proximidade da arquibancada anterior e a nova. Abaixo, podemos ver, respectivamente, o protótipo in loco que demonstra a diferença do projeto novo para o anterior e a localização dos cadeirantes.





Quanto aos cadeirantes, neste estádio, como em muitos outros, foi colocado somente um acompanhante por cadeirante, o que é uma reclamação corriqueira. Como o estádio ainda está em fase de definições, esperamos que o clube e a incorporadora consigam perceber a necessidade dessa modificação e cogitar este estudo ainda em tempo.



O estádio contará com um o centro de treinamento do Internacional (localizado ao lado do estádio: veja imagem abaixo), o que deve movimentar a visitação de treinos e do estádio, com visitas guiadas. A direção do clube também pretende ganhar público com lojas especializadas, restaurantes, etc., dentro do estádio, ou seja, com comércio.



Um complexo de hotéis, a marina no Guaíba e o estacionamento dão suporte ao estádio.

Para interagir com o autor: lilian@universidadedofutebol.com.br

Leia mais:
Cidade-sede: Cuiabá
Cidade-sede: Salvador
Cidade-sede: Belo Horizonte
Cidade-sede: Natal 
Cidade-sede: Fortaleza
Cidade-sede: Curitiba
Cidade-sede: Recife
Cidade-sede: Manaus
Cidade-sede: Brasília

Tags: arenas , estádios , gestao de futebol , arquitetura , Urbanismo , negócios , copa do mundo , brasil 2014 , infraestrutura , sociabilizaçao

UNIVERSIDADE NO FACEBOOK

©2013 Universidade do Futebol