entrar  Esqueceu a senha?   ou 
Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso ao conteúdo
 
destaque
Geraldo Campestrini
Colunista

Bacharel em Ciência do Esporte pela Universidade Estadual de Londrina (2004); Especialista em Gestão e Marketing Esportivo pelo Instituto Catarinense de Pós-Graduação (2006); Mestre em Gestão do Desporto pela Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa de Lisboa-Portugal (2009); e Doutorando em Educação Física pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, com estudos voltados sobre o impacto econômico de equipes, arenas e eventos esportivos em suas regiões de abrangência (desde 2013).

Bolsista da "Havelange Scholarship" em 2008 - Bolsa de Estudos oferecida pela FIFA para pesquisas na área do futebol através do International Centre for Sports Studies (CIES). Realizou, naquela ocasião, estudo sobre a prática da Responsabilidade Social na formação de atletas para o futebol em clubes brasileiros, resultando na redação e coautoria da Carta Internacional de Responsabilidade Social na Formação de Atletas para o Futebol - CIRESPFUTE 2009.

Foi Supervisor das Categorias de Base no Joinville Esporte Clube nos anos de 2005 e 2006; técnico de futsal no Sporting Clube de Portugal (2007); Professor do Curso de Educação Física da UNIVILLE (Universidade da Região de Joinville) nas disciplinas de "Planejamento e Administração Esportiva", "Comunicação e Marketing Esportivo"; Sócio-fundador da Associação Brasileira de Gestão do Esporte (ABRAGESP); Consultor na Brunoro Sport and Business para projetos especiais ligados a clubes, entidades de administração, organismos públicos e empresas que investem em esporte.

É Sócio-Diretor da Inspire Sport Business e está cumprindo mandato de Presidente da Associação Brasileira de Gestão do Esporte (2013-2015).

Defensor de novas práticas visando a profissionalização da gestão do esporte em todas as suas vertentes.

Coluna
Violência
Qualquer punição da Conmebol, se for bem aplicada, servirá como medida educativa para que esta e outras torcidas sul-americanas se respeitem mais
27/02/2013

Adicionar aos favoritos
Adicionar aos favoritos

A morte do torcedor boliviano Kevin Espada no jogo entre San José e Corinthians na semana passada repercutiu imensamente nos meios de comunicação a partir de um debate sobre punições, acusados, culpados, violência e assim por diante.

O caso, na realidade, está um pouco mais na origem, que é a cultura da violência do futebol sulamericano. Não que isso seja uma particularidade nossa – até porque assistimos em diversas partes do mundo casos similares, com alguma frequência, de grandes tumultos entre torcedores de diferentes agremiações.

Por aqui, permanece algo evidente pelo modelo arcaico de gestão, tanto dos ambientes onde são disputados os jogos, quando se cria um clima que permeia o limiar da guerra, quanto pela benevolência dos dirigentes com as torcidas organizadas, que só é quebrada quando ocorrem tragédias como esta de Oruro.

A grande diferença, talvez, seja o clima de guerra e violência que se instala a cada jogo. Isso é caracterizado pelo armamento pesado dos policiais até a estrutura dos estádios, onde muitos torcedores ficam quase que enjaulados em pequenos espaços.

Enfim, o relato não serve para justificar a atitude dos torcedores corintianos, tampouco isentá-los de culpa. Qualquer punição, se bem aplicada, servirá como medida educativa para que esta e outras torcidas se respeitem mais. E que as nossas organizações do futebol trabalhem, acima de tudo, medidas preventivas mais eficazes...

Para interagir com o autor: geraldo@universidadedofutebol.com.br

Tags: Violência , torcida , conmebol , gestão , administração , futebol sum-americano , corinthians , punição

UNIVERSIDADE NO FACEBOOK

©2013 Universidade do Futebol