entrar  Esqueceu a senha?   ou 
Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso ao conteúdo
 
destaque
Geraldo Campestrini
Colunista

Bacharel em Ciência do Esporte pela Universidade Estadual de Londrina (2004); Especialista em Gestão e Marketing Esportivo pelo Instituto Catarinense de Pós-Graduação (2006); Mestre em Gestão do Desporto pela Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa de Lisboa-Portugal (2009); e Doutorando em Educação Física pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, com estudos voltados sobre o impacto econômico de equipes, arenas e eventos esportivos em suas regiões de abrangência (desde 2013).

Bolsista da "Havelange Scholarship" em 2008 - Bolsa de Estudos oferecida pela FIFA para pesquisas na área do futebol através do International Centre for Sports Studies (CIES). Realizou, naquela ocasião, estudo sobre a prática da Responsabilidade Social na formação de atletas para o futebol em clubes brasileiros, resultando na redação e coautoria da Carta Internacional de Responsabilidade Social na Formação de Atletas para o Futebol - CIRESPFUTE 2009.

Foi Supervisor das Categorias de Base no Joinville Esporte Clube nos anos de 2005 e 2006; técnico de futsal no Sporting Clube de Portugal (2007); Professor do Curso de Educação Física da UNIVILLE (Universidade da Região de Joinville) nas disciplinas de "Planejamento e Administração Esportiva", "Comunicação e Marketing Esportivo"; Sócio-fundador da Associação Brasileira de Gestão do Esporte (ABRAGESP); Consultor na Brunoro Sport and Business para projetos especiais ligados a clubes, entidades de administração, organismos públicos e empresas que investem em esporte.

É Sócio-Diretor da Inspire Sport Business e está cumprindo mandato de Presidente da Associação Brasileira de Gestão do Esporte (2013-2015).

Defensor de novas práticas visando a profissionalização da gestão do esporte em todas as suas vertentes.

Coluna
Lições do exterior - Parte 1
As equipes, ao entrarem em uma competição, precisam disputá-la com equipes de um mesmo nível técnico para que o produto possa ser atrativo
10/12/2014

Adicionar aos favoritos
Adicionar aos favoritos

Preparei três textos em sequência para debater e colocar alguns pontos de vista sobre o mercado esportivo dos EUA que podem ser úteis para o contexto do esporte no Brasil. São situações e constatações gerais e aplicáveis, que levam em conta tão somente processos que não demandam grandes investimentos ou a aplicação de tecnologias que não temos tanto acesso no país. São, a bem da verdade, um conjunto de propostas de pequenas mudanças de pensamento ou ajustes culturais para podermos ter uma indústria esportiva mais forte.

As ideias são provenientes de um curso promovido pela UNISUL (de Florianópolis), que trouxe para os EUA estudantes e profissionais para um ciclo de palestras e visitas a universidades e equipes de ligas profissionais, em um período de 15 dias (de 06 a 20-dez), a qual estou participando. Nestes primeiros dias tivemos duas palestras com o Professor Dr. Mauro Palmero, brasileiro radicado nos Estados Unidos, que recebeu o grupo no Campus da East Tennessee State University, em Johson City.

Além das excelentes visitas nas ótimas instalações esportivas da universidade, que disputa competições da NCAA, e do Bristol Speedway, pista de corrida que recebe provas da Nascar, tivemos debates e palestra sobre o modelo esportivo dos EUA, do sistema de esporte universitário e das ligas profissionais.

Desta última, além da apresentação sobre o funcionamento de alguns mecanismos de equilíbrio competitivo, da forma de comercialização de ingressos e dos direitos de transmissão de algumas ligas, que apresentam números robustos quando comparados a qualquer outro mercado, destaco uma frase dita algumas vezes pelo Prof. Palmero que talvez traduza muito bem a cultura destas competições: “A Liga é tão boa quanto o pior time dela”.

A simples frase resolve muitos dos problemas de tentativa de definição de porte e qualidade de muitas competições no Brasil. Quer isso dizer que o Campeonato Brasileiro da Série A de 2014 é tão bom quanto o “Criciúma EC”. O Campeonato Paulista do mesmo ano é tão bom quanto o “Paulista de Jundiaí”.

As equipes, ao entrarem em uma competição, precisam disputá-la com equipes de um mesmo nível técnico para que o produto possa ser atrativo. Este é um conceito sacramentado no ambiente de negócios do esporte. Se nem todas as equipes tem o mesmo nível técnico, existem duas alternativas plausíveis: (1) que se tente um equilíbrio competitivo através da distribuição mais equitativa de recursos (financeiros, técnicos, estruturais etc.); ou (2) que se retire as equipes que não tem a capacidade de competir com as maiores.

Quer isto dizer que, enquanto não trabalharmos para a qualificação de todas as equipes para que desenvolvam melhor seus negócios e o seu conteúdo esportivo, teremos não só um abismo enorme entre as equipes mais estruturadas ante as equipes de menor porte (que, é bom que se diga, existem em qualquer contexto do mundo), mas, principalmente, um produto geral de qualidade duvidável.

Eis uma barreira importante para o passo que queremos dar no esporte dito profissional no Brasil. Para falarmos mais claramente sobre negócios é preciso encontrar um equilíbrio com o viés esportivo. Esta é a grande chave para o nosso desenvolvimento...

(Continua...) 

Tags: gestão , administração , negócios , mls , futebol brasileiro , desenvolvimento cultural ,

UNIVERSIDADE NO FACEBOOK

©2013 Universidade do Futebol