Universidade do Futebol

Colunas

13/10/2017

Confederação Brasileira de futebol de 7 dá o exemplo

A entidade contratou a empresa mineira SporTI, que criou uma plataforma que torna pública a condição de determinado atleta

As eliminatórias Sul-Americanas para a Copa da Rússia acabaram sendo decididas pelos tribunais desportivos, uma vez que a escalação irregular de um atleta pela Seleção Boliviana acresceu 3 pontos para o Peru e 2 para o Chile na tabela.

Isso se deu porque a Bolívia utilizou jogador de forma irregular em partida que venceu o Peru e em outra que empatou com o Chile.

Esses pontos fizeram toda a diferença, colocaram o Peru na repescagem e eliminaram o Chile. Não fosse a escalação irregular, a situação das equipes seria invertida.

No campeonato brasileiro de futebol, invariavelmente, alguma equipe escala atleta de forma irregular e perde pontos.

A Confederação Brasileira de Futebol de 7, por meio de seu Presidente José Luiz Zouain, resolveu acabar com este risco e, de quebra, tornar transparente e profissional a gestão de seus registros e competições.

Para tanto, a entidade contratou a empresa mineira SporTI que criou uma plataforma que além de tornar pública e clara a condição de jogo de cada atleta, elimina a utilização de papel, torna pública as súmulas das partidas, traz clareza às transferências, atualiza em tempo real as informações e estatísticas das competições, realiza o controle financeiro, dentre outras ferramentas.

Ao acessar o sítio da entidade (www.cbf7.com.br) é impossível não imaginar como seria legal seguir as competições de outras modalidades, especialmente o futebol, em uma plataforma tão interessante.

A sensação é de estar consultando um álbum de figurinhas vivo com fotos, estatísticas e informações dos atletas.

Há, ainda, um estimulante ranking de equipes que se altera a cada rodada.

O mais interessante é que todas essas vantagens não trazem qualquer custo para a CBF7, pois a plataforma é auto-sustentável.

Vale a pena navegar e conferir o site da CBF7 e que essa ideia viaje por outras Confederações e Federações e retire, de vez, as dúvidas quanto à escalação de atletas do nosso bom e velho futebol.

Comentários

Deixe uma resposta