Universidade do Futebol

Colunas

22/12/2017

Entre o Direito e os cartolas

A “pirâmide do futebol”

Essa semana nós vamos conversar um pouco sobre essa história de cartola. Não aquele que rola durante o campeonato na internet, mas aquele que a gente fica sabendo por aí nas notícias e no dia a dia do esporte. Vamos conversar sobre as Federações: o que elas fazem, como se encaixam na estrutura do nosso futebol, e como podem afetar os nossos clubes.

Convido você para mais uma semana dessa conversa sobre o que a gente acha entre o direito e o esporte. Bora?

Bom, vamos começar falando sobre o que essas entidades “enigmáticas” fazem. As Federações mandam no esporte e no futebol. Até aí tranquilo, acho que a gente esperava que fosse assim mesmo. Afinal, a FIFA, a CBF, e a FPF são Federações e mandam no futebol global, brasileiro e paulista respectivamente – aliás, como os próprios nomes dizem: Fédération International de Football Association, Confederação Brasileira de Futebol e Federação Paulista de Futebol.

Aqui a palavra chave é “pirâmide”. Mas acho que um dos jeitos mais fáceis para se entender esse sistema é o seguinte: imagine agora que você tem uns 10 anos de idade e mora com seus pais e um irmão mais velho. Você é o mais novo da casa, e é quem tem que seguir mais regras. Seu irmão mais velho consegue te convencer a fazer uma coisa ou outra, mas também tem que seguir a regra dos seus pais. Já seus pais meio que tem a mesma autoridade, só que na prática a gente sabe que ouve mais um do que o outro, né?

Então, funciona dessa mesma maneira a pirâmide do futebol mundial. Você, clube, faz o seu jogo e tem que seguir os regulamentos da Federação da qual você é filiado. Essa Federação estadual vai conseguir fazer algumas regras específicas para você, mas ela também tem que seguir as regras de ao menos duas outras Federações: uma nacional e outra mundial. Essas duas têm seus próprios regulamentos e influenciam o seu dia a dia. Só que, na prática, você tem muito mais contato com a Federação Nacional do que com aquela em nível global.

É dessa maneira que um clube, como o XV de Piracicaba, segue a FPF. Como um irmão mais velho, essa Federação consegue influenciar um pouco o seu dia a dia – mas também tem que seguir as regras da CBF e da FIFA. A CBF tem muito mais contato com o clube, e consegue ter uma influência direta no que ele faz. Só que a própria CBF convive com a FIFA que também regulamenta o que você pode ou não fazer, já que as duas dividem essa autoridade sobre o clube.

E até aí, sem problemas. As Federações mandam no dia a dia do futebol e dos clubes porque o “sistema” funciona assim. Agora, como que é a estrutura do nosso futebol brasileiro? – e essa foto aí embaixo faz parte da coluna, não se assuste!

Imagem1

No topo, você tem só uma Federação em nível global – no caso do futebol é a FIFA. Só cabe uma dessas no sistema, senão é que nem comer muito óleo e fritura (dizem não faz bem para a saúde). Logo abaixo, o futebol tem seis Federações Regionais em nível global (no nosso caso é a CONMEBOL). Tem um pouquinho mais já que precisa uma sustância para construir esse sistema, assim como as proteínas e o leite. Logo depois vem as Federações Nacionais, como a CBF no Brasil. Existe uma por país, e elas regulam o futebol no seu quadrado. Logo em seguida estão as Federações Locais que colocam a energia na base da pirâmide. Aqui no Brasil temos uma por Estado, por exemplo. Já os clubes são como água, sem eles não existe futebol e praticamente quanto mais o sistema tiver é melhor.

E isso afeta o seu clube de várias maneiras, desde a contratação de atletas até o calendário do ano do seu clube.

Nessa “pirâmide alimentar” do futebol você vai achar um monte de regras, regulamentos e “modelos” que são conectados pelos Estatutos das Federações Locais, Nacionais, Regional e global – além daquele do seu time.

E tudo isso o seu clube tem que saber de cor e usar no dia a dia. Um modelo adotado pelos Cartolas lá em Zurique na Suíça onde é a sede da FIFA vai ser repassado aos que estão em Luque no Paraguai na sede da CONMEBOL. A Confederação Sul Americana de Futebol vai passar essa regra para a Confederação Brasileira de Futebol. A CBF que regulamentou esse assunto vai avisar a Federação Local – como a FPF. Essa Federação vai cobrar o seu clube para que adote isso “para ontem”. Um exemplo ajuda?

Ano que vem é ano de Copa do Mundo FIFA. A FIFA decide o calendário e passa para a CONMEBOL. A CONMEBOL adota esse calendário e fala para a CBF adequar os dias de jogos de seus campeonatos para não ter jogo da série A do brasileiro na época da Copa. A CBF avisa a FPF que vai adiantar os jogos do Brasileirão para não ter problema de calendário ano que vem. E a FPF conta para o XV de Piracicaba que o campeonato Paulista de 2018 vai começar algumas semanas antes. É assim que o Cartola do seu clube segue o que foi decidido lá pelo topo da pirâmide.

Agora que a gente tem a hierarquia do futebol, o próximo passo é juntar um pouco de tudo que a gente viu nessas últimas quatro semanas em um tema só: licenciamento de clubes!

Um ótimo final de semana a todos, e vejo vocês na última coluna do ano!

Comentários

Deixe uma resposta