Kaizen e a aplicação do método de treino

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

As reflexões acerca da atualização da metodologia de treinamento em futebol estão cada vez mais constantes. Ainda que muitas vezes embrionárias, devido às limitações de entendimento dos mediadores das discussões nos ambientes em que elas estão surgindo, o fato é que pensar a prática está para além do ambiente acadêmico e de um pequeno grupo de profissionais que atuam fundamentados nas tendências da pedagogia do esporte. Está ficando cada vez mais comum na mídia a presença de discussões que envolvem, mesmo como pano de fundo, as questões metodológicas do processo de treinamento da modalidade.

Exemplos não faltam: seja com a participação de Bruno Pivetti, preparador físico do Audax-SP, no canal Band Sports; no questionamento recente feito por um jornalista sobre a realização de treinos táticos ao treinador Muricy Ramalho; ou então a participação de Eduardo Tega, diretor executivo da Universidade do Futebol, no programa “Segredos do Esporte” comandado por Paulo Calçade; dia após dia, aumenta-se o espaço na mídia para uma das questões essenciais do processo de mudança/adaptação do futebol brasileiro.
 


 

Como os gestores de campo são milhares espalhados por esse país e nem todos, por motivos diversos, têm acesso ao conhecimento científico, a mídia adquire um papel fundamental com a missão de informar (e instigar) os profissionais do futebol sobre o que é atual em relação às questões metodológicas do jogo (e do treino), além de quais trabalhos estão sendo aplicados sob esta nova perspectiva e que estão obtendo sucesso.

Sabemos que o “peso” da mídia é maior do que o dos pesquisadores do futebol. Tê-la como catalisadora pode aumentar o poder de convencimento sobre os desinformados, desinteressados ou alheios às modificações por medo, acomodação, crenças ou quaisquer outros motivos.

Ter a mídia afirmando que os treinamentos em “caixas de areia” estão ultrapassados é muito mais impactante que um artigo científico com acesso, de certa forma, restrito. Um canal televisivo conceituado divulgar que os treinamentos analíticos não favorecem o desenvolvimento da inteligência do jogo é muito mais “forte” que qualquer monografia sobre o assunto. Um comentarista esportivo comentar que uma boa parte dos treinadores brasileiros estão equivocados quanto aos seus métodos de treino, tem proporções infinitamente superiores se comparadas a uma aula de graduação em que um docente faça este mesmo comentário.

E em todo este processo, essencial para a ruptura de paradigma do grupo de profissionais supracitados, não pensem que as mudanças se darão repentinamente. É um processo que leva anos! Bem que poderia ser simples a transformação da atuação/intervenção profissional da fragmentada para a sistêmica, da reducionista para a complexa.

Poderia, mas não é.

Se você faz parte do grupo de profissionais desatualizados (pouco provável, pois dificilmente estaria acompanhando o site da Universidade do Futebol), não se desespere. Buscar o novo, o atual, num processo de aprendizagem que durem meses ou anos, será recompensador. Já se você está atualizado, mas conhece qualquer profissional que se encaixe num desses perfis (bem mais provável), mexa-se e aponte os caminhos (midiáticos e não somente acadêmicos) que podem gerar o despertar desse profissional.

Quem sabe um dia será possível conseguir uma significativa capacitação de todos os profissionais que atuam no futebol!

Se todos praticássemos o conceito japonês Kaizen, que significa mudança para melhor, seguramente as mudanças seriam rapidamente observadas, pois a melhoria contínua seria um hábito cotidiano.

E se equivoca quem pensa que o exercício de melhora contínua é prática corriqueira no grupo dos atualizados. Como bem publicou Bruno Pasquarelli, nosso país sofre uma crise acadêmica em relação ao futebol por formular incessantemente problemas/questões relativas ao mesmo paradigma. Pesquisamos, publicamos, gastamos o nosso precioso tempo para aquilo que já sabemos a resposta e, consequentemente, não saímos do lugar. Um absurdo e uma obviedade: não melhoramos!

Pergunto-me frequentemente nesses quase dez anos que estudo futebol (seis com maior aprofundamento) se estou atualizado. A julgar pelo número de dúvidas que tenho sobre o exercício da minha profissão, por vezes temo que a resposta seja não.

Não paro, pois olho pra trás e vejo que encontrei muitas respostas sobre as voltas ao redor do campo, os treinos sem adversários, as primeiras leituras inquietantes na universidade, as avaliações físicas, o treinamento integrado e sobre o treinamento sistêmico.

Não paro, pois sei que no futuro também olharei para trás e verei as respostas sobre as dúvidas que tenho no presente.

Agradeço à expressão Kaizen!
 

Para interagir com o autor: eduardo@universidadedofutebol.com.br

Leia mais:
Bruno Pivetti, preparador físico do Audax São Paulo e autor do livro “Periodização Tática: o futebol arte alicerçado em critérios”

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso