Universidade do Futebol

Geraldo Campestrini

18/01/2012

Novamente a especialidade

Novamente o tema em voga está respaldado pela Copa São Paulo de Futebol Junior. E desta feita guarda relação com a especialidade e o conhecimento de causa a respeito do processo de formação de atletas e os resultados esportivos precoces.

O fato: um grande clube do futebol brasileiro foi eliminado precocemente da “Copinha” e seu presidente veio a público afirmar que “alguém pagará por isso”.

Lembro de ter feito uma pesquisa científica neste clube no passado e de ter conversado informalmente com algumas pessoas, estudiosas estas da gestão e das necessidades que um atleta possui para crescer e se desenvolver, por etapas, ao longo da sua formação.

Os mesmos explicaram que não gostavam de participar de torneios de curta duração ao longo de determinadas etapas de formação dos atletas, pois, entendiam eles, que a elevada intensidade proporcionada por estas competições poderia prejudicar o desenvolvimento físico e muscular dos adolescentes.

Neste sentido, os torneios eram escolhidos por questões mercadológicas, e eram muito bem avaliados e selecionados antes de efetivamente decidir-se por sua participação ou não.

Assim, naturalmente, a Copa São Paulo se enquadrava no calendário pela visibilidade proporcionada pela mesma, mas não era o divisor de águas para decidir quem seria ou não atleta profissional.

Em suma, o que se quer dizer é que, em um trabalho consistente e coerente de formação de jogadores para o futebol nem sempre o título é sinônimo de revelação de bons atletas. Tal premissa já foi analisada em muitas ocasiões aqui mesmo no site Universidade do Futebol, por especialistas no assunto.

Desta maneira, é novamente incompreensível a intromissão de dirigentes amadores, sem conhecimento de causa, a tumultuar um ambiente de um clube revelador de grandes talentos.

A insistência em atravessar um campo em que não possui competência acaba se tornando um vício e pode atrapalhar anos de organização e sistematização de processos, construídos com muito estudo a partir de ciclos de aprendizagem.

Enquanto nossos dirigentes permanecerem com o pensamento teimoso de se intrometer em todos os departamentos, mesmo sem reunir saberes sobre os mesmos, os clubes administrados por eles devem simplesmente parar no tempo… ou galgar caminhos nas profundezas pelo alfabeto nas Séries B… C… D…

Para interagir com o autor: geraldo@universidadedofutebol.com.br
 

Comentários

Deixe uma resposta