Universidade do Futebol

Eduardo Fantato

27/12/2011

O futebol pode aprender com as inovações olímpicas

Olá, amigos!

Nesta última coluna do ano, aproveito para fechar mais um ciclo com algumas considerações do que virá pela frente.

É um ano de Olimpíadas, e em termos tecnológicos sempre surgem novas perspectivas para a preparação, análise, espetáculo e consumo esportivo.

Sempre digo que o futebol deve observar muito os demais esportes, para tirar lições sobre o uso da tecnologia para seu próprio desenvolvimento.

Quem trabalha no meio consegue ver mudanças em se comparando com três ou quatro anos atrás. O avanço é até significativo se considerarmos o ponto de partida baixo. Porém quando comparamos com outros esportes, a diferença se torna esmagadora, sobretudo no aspecto voltado ao desempenho do atleta.

Mas aí temos uma boa noção do porquê. Não basta olharmos as demais modalidades e copiar alguns elementos voltados a questões das capacidades físicas. Estas são facilmente incorporadas, porém tanto neste caso, como em outros, é imprescindível considerarmos a especificidade de cada esporte.

E no futebol é algo relativamente novo em se comparando a outras modalidades. Hoje, com os avanços dos estudos sobre o modelo de jogo no futebol, já é possível pensar em tecnologias que auxiliem neste processo de identificação e mensuração.

E é isso que precisamos entender no processo todo: os recursos não vão simplesmente mapear o futebol, e é necessário que os estudiosos definam e caracterizem a modalidade, os fatores preponderantes de sucesso, para enfim poderem intervir e desenvolver ferramentas que auxiliem no processo de treino, de planejamento, de gestão técnica e de desempenho na modalidade.

Assim, quando me refiro a observar e aprender com os outros esportes, é justamente em relação à questão de vanguarda que alguns deles têm em relação ao futebol. Mas jamais podemos fazer uma simples transferência de tecnologia: é necessário adequá-la e, para isso, necessitamos de estudos e bons profissionais que realmente aprofundem os fatores determinantes do jogo e consigam transferir isso para que a tecnologia possa ser benéfica e, sobretudo, eficiente.

Que neste ano olímpico possamos aprender e extrair informações valiosas com as novidades que surgirão.

Para todos os amigos que nos acompanharam ao longo do ano, desejo-lhes um grande 2012, repleto de sucesso, paz e sobretudo felicidade.

Para interagir com o autor: fantato@universidadedofutebol.com.br

Comentários

Deixe uma resposta