Universidade do Futebol

André Megale

04/09/2009

O necessário equilíbrio entre os clubes

Caros amigos da Universidade do Futebol,
 
Apesar de falarmos exaustivamente neste espaço que o futebol já deve ser considerado como um verdadeiro ramo de atividade econômica, sempre esclarecemos que a competição entre clubes na modalidade não pode ser comparada à competição existente entre empresas concorrentes em outros segmentos.
 
O futebol tem sua especificidade e isso deve ser sempre ressaltado por legisladores e também por pessoas ou organizações que dirimem litígios na área desportiva. As agremiações rivais dependem umas das outras. Quanto mais competitivos forem os jogos, maior será o potencial sucesso dos clubes conjuntamente considerados.
 
Tendo isso em vista, é preciso que as autoridades competentes (com o apoio de todos os clubes, especialmente os grandes) passem a adotar medidas que visem diminuir o gap existente entre os principais clubes, que são poucos, e os demais clubes pequenos que são, em última análise, aqueles que formam os nossos melhores jogadores.
 
Os primeiros têm grande responsabilidade no mercado do futebol, já que reúnem as maiores torcidas e viabilizam as grandes transferências internacionais. Mas os últimos também têm sua função de promover a competição interna e de descobrir e formar bons jogadores. Todos eles, assim, devem ter sua importância reconhecida e, principalmente, recompensada.
 
Nesse sentido, é preciso que mecanismos sejam criados para que haja algum equilíbrio, principalmente entre as receitas desses times dentro de uma mesma divisão. Com isso não queremos sugerir que haja uma distribuição equivalente entre todos os clubes. Mas, ao menos, que haja um mínimo de proteção e cuidado com clubes pequenos (principalmente com aqueles que fazem bem as suas lições de casa), propiciando uma distribuição de receitas que, proporcionalmente, seja mais justa.
 
Essa, aliás, é uma preocupação manifestada pela Fifa explicitamente há, pelo menos, um par de décadas. Uma série de medidas vem sendo adotadas, tais como a criação das indenizações por formação e o desenvolvimento do conceito de estabilidade contratual. Essas medidas acabam por proteger, em última análise, os clubes pequenos e formadores, que, por vezes, perdem seus jogadores antes do término de seus contratos por propostas financeiras irrecusáveis.
 
A decisão proferida pelo Dispute Resolution Chamber da Fifa, no recente caso envolvendo o clube inglês Chelsea, o clube francês Lens, e o atleta francês Gael Kakuta, vem ao encontro dessa tendência protecionista. Por suposta rescisão antecipada de contrato, sem justa causa, entre as duas partes francesas, levaram a uma série de punições tanto para o atleta quanto para o Chelsea. Dentre tais punições, a que chamou maior atenção foi a do Blues, que deverão ficar duas temporadas sem poder registrar novos jogadores nacionais ou internacionais (contra essa decisão, cabe ainda recurso ao CAS).
 
Esperamos, assim, que os grandes possam ver os pequenos como aliados dentro de uma disputa desportiva (dentro e fora de campo) sadia, o que trará um benefício coletivo a todos aqueles que atuam no meio do futebol.
 
Muito progresso já pode ser notado no comportamento de dirigentes de alguns clubes grandes. Porém, muito ainda temos que avançar para alcançarmos uma situação ideal.

Para interagir com o autor: megale@universidadedofutebol.com.br

Comentários

Deixe uma resposta