Universidade do Futebol

Colunas

09/05/2016

Quais são os vencedores dos Estaduais?

O Audax mostrou que é possível ter postura e gerar reações como orgulho e confiança sem precisar se curvar ao cenário

O último domingo (08) marcou o término da maior parte dos campeonatos estaduais de futebol do Brasil. Dada a bagunça do calendário do esporte nacional, contudo, nem sempre os grandes vencedores são os times que ergueram as taças – o que é, por si só, uma das grandes idiossincrasias do esporte nacional.

Questão de contexto, primeiramente: ser campeão é sempre relevante, mas ser campeão estadual em uma temporada cujo ápice está longe de ser a disputa regional nem sempre é a melhor escolha. Há casos de deslumbramento (como o Vasco de 2015, que venceu no Rio de Janeiro e depois foi rebaixado no Brasileiro) e vítimas do sucesso (como o Santos, dono da taça do Paulista em 2016, que teve três jogadores convocados para a disputa da Copa América com a seleção brasileira e terá de se virar sem Gabigol, Lucas Lima e Ricardo Oliveira em pelo menos nove rodadas do Nacional).

Em São Paulo, por exemplo, o Audax não foi campeão do Estadual, mas saiu vencedor em diversos aspectos: valorizou atletas que não tinham sequer garantia de emprego para o segundo semestre, inseriu o nome do técnico Fernando Diniz em outro patamar de mercado e ofereceu uma perspectiva diferente de jogo, por exemplo. Na decisão do Paulista, o time de Osasco teve 70% de posse de bola contra um Santos que se contentou com a espera por um contragolpe.

É inegável o quanto o Audax ganhou com a campanha no Paulista. Nesse contexto, o título seria apenas a coroação de uma valorização que já havia sido construída por um estilo e por escolhas técnicas/táticas/anímicas da equipe comandada por Fernando Diniz.

Todos os caminhos para a vitória são lícitos e defensáveis, mas o resultado do Campeonato Paulista suscita uma dúvida: se o futebol é feito para agradar torcedores/consumidores, o triunfo é o único caminho para isso? A jornada não faz parte desse entretenimento? O Audax mostrou que é possível ter postura e gerar reações como orgulho e confiança sem precisar se curvar ao cenário.

O Santos ratificou um domínio recente no Estado, manteve uma soberania digna de nota em seu estádio e ainda confirmou diversos pontos em sua essência: a valorização de jogadores egressos da base e a aposta nos contra-ataques, por exemplo (um terço dos gols alvinegros nasce em contragolpes).

No entanto, a consequência imediata desse sucesso será o esfacelamento do time no Campeonato Brasileiro. Gabigol, que também é nome provável nos Jogos Olímpicos, pode perder até 18 rodadas. Lucas Lima e Ricardo Oliveira, assediados por equipes do exterior, têm enorme chance de não voltar da Copa América.

O asterisco também acompanha a vitória do Vasco no Estadual do Rio de Janeiro. Escolado pelo que aconteceu no ano passado, o time de São Januário sabe que não pode se empolgar com o título. A taça vale muito, é claro, mas o importante agora é pensar na temporada como um todo (volta à elite do Campeonato Brasileiro e disputa da Copa do Brasil fazem parte desse todo).

Por tudo isso, é preciso considerar o tamanho da vitória do Botafogo, time que voltou recentemente à primeira divisão nacional. A diretoria apostou num orçamento modesto, lançou uma série de garotos e conseguiu provar no Estadual que o trabalho de Ricardo Gomes tem ao menos um norte bem definido. É preciso reforçar, claro, mas até isso fica mais fácil com um orçamento mais concentrado.

E times como Cruzeiro, Flamengo e Palmeiras, eliminados precocemente de seus torneios regionais? Todos têm como “vitória” do início de temporada o alerta precoce. É claro que não dá para comemorar o início de ano claudicante, mas novamente é uma questão de contexto: são equipes que tiveram tempo para repensar caminhos e escolhas antes do início do Campeonato Brasileiro.

Os Estaduais brasileiros são a pré-temporada mais longa do futebol mundial, e isso faz com que as principais equipes do país passeiem por diversos padrões de emoção durante o ano. Nem todas que tiveram bom início vão encerrar a temporada com um sorriso no rosto.

Uma coisa que esse formato de calendário iniciou, todavia, é que nem todo vencedor é o que levanta a taça no início do ano. Com tanto espaço e tanta margem para irregularidade, o futebol brasileiro ensina que toda cautela é pouco. Vencer sem depender de resultados muitas vezes é apenas questão de demonstrar convicção no tipo de futebol ou nas decisões tomadas. A distância entre campeão e vice muitas vezes é menor do que o pódio sugere.

Comentários

Deixe uma resposta