Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Líder da temporada 2013/2014 do Campeonato Espanhol, o Barcelona jogou fora de casa contra o Rayo Vallecano no último sábado e venceu por 4 a 0. O resultado positivo, porém, não impediu um revés da equipe catalã, que teve menos posse de bola do que o rival.

O Barcelona ficou com a bola em 49% do jogo de sábado. O Rayo Vallecano, 51%. O time catalão não tinha menos posse do que um rival em partidas oficiais desde 7 de maio de 2008, quando foi goleado pelo Real Madrid por 4 a 1.

Nesse ínterim, o Barcelona disputou 316 jogos e conquistou 16 títulos. Foram 228 triunfos (72,2%), 58 empates (18,4%) e 30 reveses (9,4%) em que os catalães dominaram mais a bola do que qualquer adversário.

O saldo de gols do período também é impressionante: o Barcelona marcou 822 vezes no período em que foi soberano na posse de bola. Nesses mesmos 316 jogos, o time foi vazado apenas 262 vezes.

Na pré-temporada que antecedeu as disputas de 2013/2014, o Barcelona já havia tido menos posse de bola do que o Bayern de Munique, time comandado por Pep Guardiola, técnico dos catalães no auge desse período vencedor. No entanto, isso foi registrado em uma partida amistosa.

Contra o Rayo Vallecano, não havia a ressalva de se tratar de um amistoso. Tampouco o alento de ser uma equipe extremamente poderosa e comandada pelo treinador que resgatou o estilo holandês-catalão de o Barcelona jogar.

Guardiola ficou no Barcelona entre 2008 e 2012. Ele foi substituído por Tito Vilanova, que era auxiliar e comandou a equipe catalã até este ano.

Quando um problema de saúde impediu Vilanova de seguir no Barcelona, o time não repetiu a iniciativa de buscar em seu quadro de funcionários um profissional. Em vez disso, contratou o argentino Gerardo “Tata” Martino, ex-Newell’s Old Boys.

Foi o Barcelona de Tata Martino o responsável pela queda da longeva soberania da equipe na posse de bola. Em pouco tempo, o argentino mudou de forma contundente a postura dos catalães. O toque de bola insistente e o jogo horizontal ganharam companhia de lançamentos e objetividade na definição dos lances.

“A posse da bola é sempre importante para o Barcelona, assim como era para o Newell’s Old Boys. Quando uma equipe atinge a excelência no futebol, é natural que as pessoas falem sempre sobre o estilo que assegurou isso”, ponderou Martino em entrevista coletiva após o jogo de sábado.

Depois do triunfo por 4 a 0 sobre o Ajax na primeira rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões da Uefa, o uso das bolas longas já havia chamado atenção. Na época, Martino disse que estava tentando apenas “adicionar algumas coisas ao repertório do Barcelona”.

O jogo mais incisivo pode ser benéfico para o Barcelona. Se o time catalão seguir pressionando a saída de bola de seus rivais e associar a retomada da posse a uma definição rápida, terá mais espaços do que encontrava na versão “mais paciente”.

A lógica é clara: o Barcelona pré-Martino era eficiente, mas levava mais tempo para definir os lances. Com isso, tinha de encontrar espaços em defesas mais bem postadas.

A marcação pressão e o contragolpe são eficientes porque proporcionam superioridade numérica em ações ofensivas. A velocidade de transição e definição é determinante para estipular o tamanho dessa soberania.

Na teoria, portanto, o Barcelona está adicionando elementos positivos ao jeito de a equipe jogar. Com a adição de bolas longas e uma transição mais rápida, Martino cria um time que pode ser mais seguro e letal.

Contudo, o risco que o Barcelona de Martino corre é contrariar o que se transformou em essência da equipe. Os catalães podem ser igualmente eficientes e igualmente vencedores, mas não seguirão sendo especiais se abdicarem do que os tornou únicos.

Guardiola não inventou um jogo de o Barcelona jogar, mas reuniu uma série de características que geraram orgulho na torcida catalã em times anteriores. Mais do que vencer, o grupo que ele moldou traduzia o que a torcida esperava ver em campo.

A pergunta, portanto, é o que motiva de verdade o torcedor no esporte profissional. O adepto quer vencer a qualquer custo ou quer ver no campo de jogo, independentemente da modalidade, atletas que representem o que ele pensa sobre o esporte?

Pense em quantas vezes você viu, em diferentes modalidades, atletas serem aplaudidos porque fizeram, a despeito do resultado, o que o público queria ver. Pense em quantos derrotados conseguiram simpatia, respeito e até um carinho da torcida.

O objetivo explícito do esporte é vencer, mas o esporte não seria o que é se não tivesse metas tácitas. É uma atividade em que valem inspiração, sonho e representatividade. O Barcelona dos últimos cinco anos mostrou isso. Martino pode até criar uma equipe mais eficiente, mas o início dele contradiz a essência do clube.

Até o momento, o discurso de ampliar o repertório tem sido eficiente. Se o Barcelona mantiver a rotina de vitórias, Martino ganhará argumentos muito contundentes.

Em algum momento, porém, técnico e diretoria precisarão questionar o que desejam fazer no futebol. O campo fala, e os recados do Barcelona de Tata Martino até aqui não são nada animadores.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso