Quando o futebol deixa de ser interessante

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

A derrota da seleção brasileira por 7 a 1 para a Alemanha, em pleno Mineirão, nas semifinais da Copa do Mundo de 2014, virou um símbolo. Jogadores vivem má fase? Gol da Alemanha. Os campeonatos nacionais e regionais têm média baixa de ocupação nos estádios? Gol da Alemanha. Existe uma crise de interesse em torno da modalidade mais popular do país? Gol da Alemanha. Os principais clubes estão endividados e gastam dinheiro que não têm? Gol da Alemanha. Dirigentes se recusam a adotar práticas austeras de gestão, com controle e transparência? Gol da Alemanha. São muitos gols de um revés que ainda ressoa na memória e no cotidiano do futebol brasileiro. Entretanto, em poucos momentos a rede local balanço tanto quanto aconteceu nos últimos dias.

Um golpe duro foi o que aconteceu em São Paulo. A Federação Paulista de Futebol (FPF) decidiu flexibilizar o regulamento do Estadual e marcar três jogos de times grandes para a capital num mesmo fim de semana – um mecanismo contra isso havia sido criado por questão de segurança, a pedido da Polícia Militar (PM). Como a tarde de domingo (12) teve mais uma manifestação política na cidade, Santos e XV de Piracicaba se enfrentaram na Vila Belmiro, em Santos, às 16h (Corinthians x Ponte Preta e São Paulo x Red Bull aconteceram no sábado, e Palmeiras x Botafogo-SP foi às 11h). E a TV Globo, principal parceira de mídia do futebol brasileiro, preferiu transmitir um filme a exibir o duelo realizado no litoral.

Segundo medição do Ibope, o filme rendeu média de 7,5 pontos de audiência à Globo no horário em que Santos e XV de Piracicaba faziam uma das quartas de final do Campeonato Paulista. O Domingo Legal (SBT) marcou sete pontos, e Domingo Show (Record) obteve 6,2 – cada ponto corresponde a 67.112 domicílios sintonizados na Grande São Paulo.

O resultado de audiência é muito pior do que a média do futebol no horário. Por questões contratuais, a Globo só tinha direito a exibir uma partida das quartas de final. A emissora preferiu mostrar Corinthians x Ponte Preta, no sábado (11), e registrou 15,2 pontos no Ibope.

Em 2014, a Globo havia obtido 22 pontos com São Paulo x Penapolense, jogo que a emissora mostrou nas quartas de final do Campeonato Paulista. Um ano antes, Ponte Preta x Corinthians tinham rendido 18 pontos ao canal. E em 2013, também com Corinthians x Ponte Preta, o Ibope registrara 25 pontos.

Ainda que a mudança de dia seja um fator considerável – sobretudo porque o Caldeirão do Huck marcou apenas 10,7 pontos no sábado, pior audiência do ano – é inegável que o futebol tem perdido interesse. Também é inegável que a reação dos dirigentes a isso é praticamente nula, e que a reação da Globo a isso é aumentar ainda mais a exposição do Corinthians, time que tem maior torcida e (por consequência) melhores resultados no Estado.

As quartas de final do Campeonato Paulista são um guia completo da visão deturpada que algumas pessoas têm sobre o futebol brasileiro e do quanto isso afeta a gestão da modalidade. Regulamento bizarro (mas assinado por todos), regras ignoradas, criação de novos horários sem planejamento para isso, interesse da TV acima de qualquer pensamento coletivo para o campeonato.

Do jeito que foi posta, a sequência de acontecimentos em São Paulo cria um ciclo problemático. A Globo só mostra jogos do Corinthians, e isso afasta torcedores de outros clubes. Torcedores de outros clubes não têm como consumir informação em TV aberta, e apenas uma parcela busca outros caminhos. Com isso e sem uma ação complementar, perde-se um grupo com potencial para acompanhar a modalidade. Mais do que isso: perde-se uma oportunidade de atrair neófitos.

A consequência clara disso é que o grupo que se interessa pelo esporte, ainda que se renove, mantém enorme percentual de seus atributos. O consumidor da Globo seguirá sendo o corintiano das próximas gerações, mas os grupos futuros que seguem outros times já crescerão ignorando o canal. Isso vai fazer com que a emissora tenha um interesse cada vez maior nas partidas de uma mesma equipe, e aí está configurado o ciclo.

Para a Globo, os riscos desse ciclo estão diretamente relacionados ao desempenho dos times que a emissora mais mostra. Quando essas equipes vão mal e atraem menos olhares, a consequência é que o produto perca atratividade. Não é por acaso que executivos do canal já começaram a debater a viabilidade de ter tantas janelas para o futebol (a atração é cara, a operação é cara, e o resultado não é assim tão garantido).

Existem dois caminhos para evitar que esse ciclo se consolide: a promoção exaustiva de todos os eventos de um campeonato (o que não acontece) e uma discussão coletiva de mídia, que pense no bem comum e no fortalecimento de todas as equipes (o que não está nem perto de acontecer). Os clubes precisam entender o cenário em que estão postos.

O futebol tem perdido interesse, e um dos principais motivos para isso é a distribuição errônea dos produtos. E a responsabilidade, nesse caso, é toda dos clubes que não direcionam corretamente o processo.

Em vez disso, alguns clubes parecem preferir discussões inócuas. É o que aconteceu nos últimos dias com Eurico Miranda, presidente do Vasco, por exemplo. O mandatário da equipe carioca emitiu nota oficial irônica para questionar o Bom Senso FC, coletivo formado por atletas em 2013 para debater questões concernentes ao futuro da modalidade.

A nota de Eurico foi uma reação ao posicionamento do Bom Senso FC, que apoiou Flamengo e Fluminense em discussões com a Ferj (Federação Estadual do Rio de Janeiro). Botafogo e (principalmente) o Vasco são os principais partidários da entidade regional na atual cizânia.

Temor sobre o poder de Eurico fez com que jogadores do Vasco adotassem silêncio sobre o Bom Senso FC. Segundo reportagem do UOL Esporte, atletas simpatizantes do coletivo e das causas que ele defende têm mantido isso em sigilo por causa do posicionamento do presidente.

Eurico também discutiu publicamente com Fred, capitão do Fluminense, por causa de críticas à arbitragem do Estadual. O Rio de Janeiro tem um processo de debate que podia ser benéfico para o futebol local, mas que tem virado apenas mote para altercações.

A perda de interesse do futebol brasileiro também tem relação com isso. Enquanto não enxergarmos o quadro completo nas questões de relação com a mídia ou nas discussões sobre gestão, vamos seguir procurando desculpas. Para voltar à analogia com o campo e o 7 a 1, vamos seguir buscando “apagões”. 

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso