Quem treina o treinador de futebol no Brasil? – Melhorando a tomada de decisão

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Salve, salve amantes do futebol! Na coluna anterior falamos sobre a importância do autoconhecimento na carreira de um treinador e sugerimos algumas práticas para o desenvolvimento de competências intrapessoais.

Nesta, falaremos sobre a relevância em preparar o treinador para tomar decisões e traremos algumas sugestões para que o mesmo seja mais assertivo ao fazê-las.

Quantas decisões o treinador toma por temporada? Decisões de curto prazo, mais frequentes e fundamentais como o processo treino-jogo: titulares, reservas e listas de jogos; o que treinar; como treinar; que feedbacks passar para atletas; contratações de atletas e comissão técnica; substituições nos jogos; estratégia de jogo e comunicação; como lidar com pais, agentes, torcida, imprensa, entre tantos outros. Decisões de longo prazo como: negociar salário e contratos; escolher clubes; definir se vai para outro clube ou não; se pede demissão ou não; escolher categoria; mudar de cidade com família ou sem; se trabalha com agentes ou não; que profissionais convidar para trabalhar junto, entre tantas outras também.

Mas afinal, quem treina o treinador para melhorar essas tomadas de decisões? Falamos muito sobre evoluir a tomada de decisão do atleta, e as decisões do treinador? Alguns prontamente dirão que é na vida, no dia-a-dia, que ele aprende na prática, mas será que não há maneiras de ajudar o treinador a aperfeiçoar esse processo? Será todos precisarão cometer os mesmos erros? Certamente, a prática gera experiência, no entanto, mas aprender a tomar melhores decisões não se resume a isso.

No processo de ensino-aprendizagem do treinador algumas ações podem ser realizadas para promover uma melhora nas escolhas pontuais, de curto, médio e de longo prazo que o treinador toma ao longo de sua carreira, tanto pelos próprios treinadores, como por instituições de ensino, clubes e federações, responsáveis pela formação continuada desses profissionais.

a) Criar fóruns de debates sobre erros e acertos de treinadores mais experientes;
b) Realizar pesquisas qualitativas sobre o mindset e o comportamento de treinadores em diferentes níveis;
c) Treinar o processo LICA (ler, interpretar, compreender e agir)
d) Desenvolver um plano de ação: i) identificar a decisão, ii) reunir informações, iii) identificar alternativas, iv) ponderar as evidências, v) escolher entre as alternativas, vi) tomar decisão, vii) rever decisão;
e) Inserir esse conteúdo em ementas de cursos de formação e desenvolvimento de treinadores;
f) Escrever livros sobre resoluções de problemas embasadas em tomadas de decisões de treinadores em diferentes contextos e diferentes complexidades;
g) Bate papos informais transparentes com os pares;
h) Refletir sobre erros e acertos das suas próprias tomadas de decisões;
i) Sistematizar aprendizagens de séries de treinadores e clubes esportivos disponíveis em serviços de streaming;
j) Processos reflexivos em mentorias.

Fez sentido? E você, como faz para melhorar sua tomada de decisão? Traga mais sugestões! Continuaremos na semana que vem com mais uma coluna sobre treinar o treinador. Grande abraço e até lá!

Treinador e instrutor da CBF academy. Mestre em Educação Física pela UFSC, com 3 pós graduações na área. Já atuou em categorias de base e profissional, no Brasil e Dinamarca. Possui as licenças C e B da CBF e é parceiro de conteúdo da Universidade do Futebol.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso