Categorias
Sem categoria

Uma visão tática da Copa São Paulo de Futebol Júnior 2012

Todo início de ano temos a tradicional Copa São Paulo de Futebol Júnior. Em tal competição podemos observar equipes de todos os cantos do país se enfrentando em busca do título e, mais do que isso, em busca da visibilidade nacional que o torneio proporciona.

Para obter essa tão sonhada visibilidade é preciso mostrar algo diferente e que chame a atenção dos holofotes.

Como acompanhei muitos jogos com o olhar voltado para as “questões táticas”, tentei identificar algo diferente em relação aos comportamentos táticos e aos modelos de jogo apresentados pelas equipes.

Confesso que em diversas equipes não observei nada de novo. As mesmas apresentaram modelos baseados em poucas referências e sem muita elaboração nos diferentes momentos do jogo; contudo, observei exceções que tinham modelos bem elaborados com conceitos sólidos.

Vi que o esquema tático predominante é o 1-4-4-2 com dois volantes e dois meias, que muitas vezes foi alterado para um esquema com três volantes quando se estava ganhando ou para três meias quando se estava perdendo. Pude observar inúmeros outros esquemas que variaram do 1-2-4-4, caso extremo onde a equipe precisava fazer o gol, ao 1-6-4-0, onde a equipe precisava segurar o jogo.

O esquema tático foi uma referência que as equipe modificaram bastante em função do resultado. O mesmo era confundido muitas vezes com o modelo de jogo em si.

Em relação à ocupação do espaço para além do esquema tático, vi que muitas equipes se posicionam em função do adversário, tanto no momento ofensivo como no defensivo. Quando isso acontecia por parte das duas equipes na partida, o jogo ficava “amarrado” e o que se via eram várias disputas de 1×1 no campo todo.

Outras equipes por sua vez ocupavam o espaço de forma mais zonal e chamavam a atenção de alguns desavisados que gritavam da arquibancada: “tá sozinho, pega”, dentre outras coisas.

A amplitude foi pouco observada – as equipes ocupavam mal o espaço do lado oposto ao da bola, e assim o jogo ficava muito “condensado” nas regiões próximas à bola.

A compactação na maior parte das equipes era bem feita defensivamente, mas ofensivamente era ruim.

As transições geralmente eram lentas, principalmente as defensivas. Equipes que se destacaram pela velocidade e pela regra de ação circunstancial adequada nesse momento do jogo conseguiram bons resultados.

Os balanços defensivos e ofensivos não fugiram do tradicional, em que no defensivo cada um marcava um adversário e um jogador ficava na sobra. No ataque ficavam os dois atacantes, geralmente um aberto e outro centralizado.

A marcação foi em sua maioria individual por setor, com equipes marcando por zona, e outras individual aos pares.

Nas bolas paradas foi o ponto no qual observei as maiores variações. Movimentações distintas, marcações distintas e muitos gols nesse tipo de jogada.

Vi equipes jogando no chutão, outras com um bom jogo de progressão apoiada, outras com jogo de manutenção.

Algumas equipes pressionavam a bola o tempo todo, umas bem estruturadas, outras não, em que os jogadores “corriam” à toa e ficavam bravos com seus companheiros.

Muitos modelos distintos e algumas evoluções vistas com bons olhos.

Que venham as próximas competições e que os destaques continuem aparecendo para além das questões individuais.

Até a próxima!

Para interagir com o colunista: bruno@universidadedofutebol.com.br