Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Sempre que nos aproximamos de uma Copa do Mundo aparece nos meios de comunicação o assunto sobre se os jogadores devem ou não ter relacionamentos sexuais no período de preparação e, principalmente, durante o período desta curta, árdua e consagradora competição.

 

Apesar da comemoração, há cerca de um mês, dos 150 anos do nascimento de Sigmund Freud, o médico que introduziu a questão do sexo como assunto científico, parece que ainda vivemos na mais plena ignorância quando o relacionamos com o desempenho esportivo.

 

Conheço clubes no Brasil que chegam ao exagero de concentrar seus jogadores durante dois dias antes de cada jogo para evitar, entre outras razões, que eles tenham contato com o sexo feminino.

 

Numa Copa do Mundo há comissões técnicas e dirigentes que, implicitamente, gostariam que seus atletas permanecessem na mais total abstinência durante toda a competição.

 

Levando-se em conta que um futebolista profissional não é apenas um feixe de músculos, mas como todos nós um ser essencialmente humano, precisaríamos entendê-lo dentro de toda a sua complexidade e não apenas através de poucos parâmetros fisiológicos ou biológicos, de validade muito relativa.

 

Por mais que Freud possa ser questionado neste século 21 por vários de seus conceitos psicanalíticos, não se pode negar o papel de muitas de suas idéias quando o tema é sexo. Uma delas é sobre a importância de nossas tendências sexuais na regulação de nossos processos psíquicos inconscientes.

 

Concordando ainda com o psicanalista austríaco, quando pondera que esses nossos processos psíquicos inconscientes são muito mais relevantes em nossas atitudes e comportamentos do que tudo aquilo que fazemos conscientemente, não é difícil concluir que precisaríamos entender melhor tudo isso, antes de proibirmos ou consentirmos que os atletas mantenham atividades sexuais durante determinados períodos.

 

Sexo, futebol, arte, religião e tantas outras manifestações humanas têm intimas relações entre si, mas que infelizmente ainda escapam daquelas ciências que conseguem entrar nos campos de treinamento, concentrações e estádios.

 

Quem sabe nas próximas Copas tenhamos respostas mais seguras sobre este polêmico e instigante assunto.

Para interagir com o autor: medina@universidadedofutebol.com.br

+ posts

Fundador da Universidade do Futebol

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso