Náo pense em crise, trabalhe

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Na década de 80, uma dessas frases anônimas que se tornam sábios ditos populares era uma que dizia: “Não pense em crise, trabalhe”. Não sei por que motivo, desde moleque tinha um adesivo com essa frase colado no parapeito da janela do quarto.
 
Na época da escola, crise mesmo era ver o time perder, ser gozado pelos colegas no dia seguinte, ter de agüentar a pilhagem dos amigos por torcer para a equipe perdedora. Mas mesmo assim a gente trabalhava, se esforçava, esperava o dia em que a sorte viraria a nosso favor.
 
Até hoje, nos momentos de dificuldade, lembro-me do adesivo no antigo quarto. Ele serve de motivação e até mesmo fonte de inspiração para trabalhar mais e mais para reverter situações de crise. Agora, já estou pensando em recriar tal adesivo e vender em grande escala para os clubes de futebol de nosso país.
 
Cada vez mais vemos que dirigentes, treinadores e jogadores se preocupam muito mais com a crise e, em vez de trabalharem, discutem e fomentam o problema, fazendo com que não se consiga sair dele de maneira alguma.
 
Palmeiras, Fluminense e Corinthians foram três clubes que se cansaram de fazer isso no Brasileirão. Com elencos bons, o trio sucumbiu por problemas internos, que foram se agravando e colocando o time na berlinda durante toda a competição. No Palmeiras, o problema foi o técnico. No Flu, a disparidade de tratamento dos jogadores contratados da Unimed daqueles revelados em Xerém. No Corinthians, a crise sempre foi o relacionamento da diretoria do clube com os gestores da MSI. E, na reta decisiva do campeonato, só o Corinthians deixou de pensar tanto na crise de sua tumultuada relação com a “parceira” MSI para trabalhar.
 
Na parte de cima da tabela, porém, o lema é totalmente diferente. Será que existe crise para São Paulo, Inter, Grêmio, Santos, Vasco e Paraná? Durante todo o campeonato esses times se mantiveram num grau de excelência em performance e, conseqüentemente, resultados.
 
Há três rodadas, o líder São Paulo, cada vez mais próximo do título, bobeou num facílimo jogo em casa e perdeu para a ameaçadíssima Ponte Preta, vendo diminuir sua vantagem para o Inter. Em vez de pensar em crise, o time resolveu trabalhar. Agora, está a uma vitória de seu quarto título nacional.

Para interagir com o autor: erich@universidadedofutebol.com.br

+ posts

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso