Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
São sempre preferíveis as posturas cercadas de esperança que nos empurram à luta e nos fazem enfrentar os desafios do que as reclamações e lamentos que muitas vezes nos bloqueiam as ações.
 
Mas as recentes denúncias, reveladas por parte da imprensa brasileira, sobre os sucessivos estouros no orçamento das construções e reformas de obras para os Jogos Pan-Americanos de 2007 que serão realizados no Rio de Janeiro, nos dão claras demonstrações do quanto ainda falta ao Brasil para ser considerado um país que valoriza a seriedade e a ética.
 
Às vezes nos iludimos ao achar que nosso modelo de democracia caminha aceleradamente no sentido de garantir desenvolvimento sustentado para todas as camadas da população e capacidade operacional que beneficie a todos os brasileiros.
 
Acompanhando estes lamentáveis fatos sobre a organização do Pan-2007, é de se questionar se conseguiremos, em 2014, organizar com decência uma Copa do Mundo em nosso país.
 
A constatação de que o esporte de forma geral e o futebol particularmente são instituições ainda dominadas por forças conservadoras, antidemocráticas e de pouco apreço aos valores éticos e morais, só pode nos causar preocupação.
 
Quando será que os setores mais progressistas, democráticos e éticos da sociedade brasileira conseguirão se impor à frente de nossas instituições?
 
Quando finalmente seremos capazes de organizar eventos esportivos ou futebolísticos que não coloquem em dúvida nossa competência e, sobretudo, nossa credibilidade?

Para interagir com o autor: medina@universidadedofutebol.com.br

+ posts

Fundador da Universidade do Futebol

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso