Combinação dos métodos de treino: necessidade ou dificuldade para planejá-los? – parte I

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Caros leitores,

estamos em meio às festas de final de ano, porém, ainda assim, muitos dedicam algum tempo para a capacitação profissional. Neste concorrido mercado, qualquer aprendizagem que proporcione conhecimento geral ou específico da modalidade pode ser um diferencial tanto para criar treinos (e equipes) melhores que seus adversários, como para buscar vantagem competitiva, imprescindível, nas disputas por algumas vagas que surgem no início da temporada.

Desta forma, estudar, ler, pesquisar, praticar, discutir e refletir, devem ser ações constantes para conseguirmos a melhor atuação profissional possível.

Nesta tentativa, uma dúvida recorrente acomete inúmeros profissionais do futebol: qual(is) deve(m) ser o(s) método(s) utilizado(s) na preparação dos jogadores e equipe?

O método analítico divide o futebol em suas quatro vertentes e preconiza o treinamento de cada uma delas separadamente. Para melhorar a capacidade física, treinos físicos diversos são realizados. Desde os treinos ultrapassados, como treinamentos contínuos e intervalados aeróbios até aos mais atualizados, como os treinos de resistência de sprint e de potência. Já para a vertente técnica, a repetição dos gestos técnicos perfeitos é estimulada em treinos de finalização, cruzamentos, passes ou quaisquer outros fundamentos de acordo com o interesse da comissão técnica. Para o aprimoramento da parte tática do jogo, combinação de jogadas sem adversários são realizadas por repetidas vezes para que, no jogo, aconteçam conforme o que foi treinado.

Já no método integrado, existe a junção na mesma atividade de treino, de duas ou mais vertentes da modalidade com o objetivo de aperfeiçoá-las simultaneamente. Sendo assim, surgem os denominados treinos físico-técnicos, técnico-táticos, ou até, os físico-tático-técnicos. Como exemplo da primeira combinação, um circuito com bola em que após acelerações e coordenativos diversos o atleta realiza um gesto-técnico do jogo. Exemplificando um treino técnico-tático, o tradicional “futebol alemão” em que o treinador divide seu grupo em três equipes e enquanto uma equipe ataca o gol oficial, a outra deve passar o meio-campo com a bola dominada para garantir o direito de atacar (o gol oficial) e a última aguarda uma das definições anteriores para entrar no jogo.

Nestas atividades, os treinadores trabalham posse de bola, finalização, saída rápida, marcação, enfim, elementos técnico-táticos do futebol sem um controle mais aprofundado da carga de treino (que não é só física).

E na última combinação, encontram-se os jogos reduzidos. Muitas vezes conduzidos pelos preparadores físicos, surgiram para trabalhar a parte física em forma de jogo. A melhoria da parte física, então, é o grande objetivo da sessão que passa a ter a bola para ser mais motivador e próximo do jogo de futebol (com seus elementos técnico-táticos). Um quadrado em que dois jogadores disputam a posse de bola por cerca de três minutos contra outros dois jogadores, podendo utilizar os apoios que estão em cada um dos lados do quadrado, é um exemplo de um jogo reduzido para a melhoria da resistência anaeróbia.

O método sistêmico não separa a sessão de treino nas vertentes do jogo. Então, toda e qualquer atividade é sempre física-técnica-tática-emocional. Logo, toda atividade é jogo. Para exemplificar, um jogo em 2/3 do campo em que duas equipes com nove jogadores cada se enfrentam em dois tempos de vinte minutos com as seguintes regras: atrás do meio campo cada jogador só pode dar dois toques e fazer passes somente para frente; no campo de ataque, cinco passes equivalem a 1 ponto, sendo que até a zona de risco não pode devolver o passe para o jogador anterior que o executou, caso contrário, zera-se a contagem; gol equivale a 3 pontos; cinco passes mais o gol equivalem a 7 pontos; só valerão gols com a equipe toda posicionada no campo de ataque e com o goleiro fora da área.

Neste jogo, busca-se atender demandas físicas-técnicas-táticas-emocionais específicas, que resultem em comportamentos individuais e coletivos relativos a uma maior inteligência de jogo.

Como o método sistêmico é o mais específico, pois mantém o jogo como essência da sua aplicação, defende-se uma ampla utilização do mesmo ao longo de um microciclo de treinamento. É comum pela comissão técnica, na maioria das vezes, recorrerem a outros métodos não pela real necessidade, mas sim pela dificuldade em elaborar exercícios complexos que, como afirma Rodrigo Leitão, sejam físicos-técnicos-táticos-mentais durante todo o tempo, o tempo todo.

Uma vez que o objetivo do portal nunca será trazer verdades absolutas e para colocarmos em prática um dos parágrafos iniciais do texto, que defende os estudos, as leituras, as pesquisas e as discussões, a primeira parte da coluna será finalizada propondo um ambiente de discussão: aguardarei em meu e-mail informações de treinadores e assistentes sobre quais são os métodos que utilizam para elaborar suas programações semanais e os porquês de se fazer de tal forma.

A ideia é termos um espaço para troca de informações e construção de conhecimento.

Desejo a todos um ótimo final de ano, boas festas, muitas alegrias e, é claro, bons estudos.

Abraços e até 2013!
 

Para interagir com o autor: eduardo@universidadedofutebol.com.br

 

+ posts

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso