Neymar no banco dos réus

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O fundo do poço da Seleção Brasileira de futebol masculino parece não ter fim. Após o trágico 7 a 1 para a Alemanha na Copa, a equipe perdeu por 3 a 0 para a Holanda na mesma competição e, agora, sofreu uma derrota apática para a Colômbia na Copa América que obriga o Brasil a obter resultado contra a Venezuela para passar à próxima fase.

Para piorar, muitos temem a Venezuela, antigo saco de pancadas, eis que a Seleção Brasileira não poderá contar com sua estrela maior, o atacante Neymar.

Aliás, o jogador poderá não disputar a Copa América este ano, caso a Seleção não avence na competição, já que além dos dois cartões amarelos, o atleta recebeu o cartão vermelho e está de fora das duas próximas partidas, nos termos do artigo 29.3 do regulamento disciplinar da competição.

A referida norma estabelece que, havendo conduta antidesportiva grave punida com cartão vermelho, a penalidade dos dois amarelos será mantida e as penalidades acumuladas.

O nervosismo e o destempero aparentes de Neymar na partida contra a Colômbia podem estar ligados a outra questão jurídica: a denúncia recebida pela Justiça espanhola o acusando de fraude e corrupção em sua transferência para o Barcelona.

Na demanda são reús, ainda, Neymar Santos (pai do atleta), Josep Maria Bartomeu (atual presidente do Barcelona e vice-presidente na época da transação), Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro (presidente do Santos na época) e Odílio Rodrigues (vice- presidente do Santos na época da transação) .

Trata-se de uma ação bastante séria e que pode culminar com pena de detenção de 3 a 7 anos o que, de certo, deve estar interferindo no emocional de Neymar.

O promotor espanhol, responsável pelo caso, em seu pedido inicial descreveu a estrutura de contratos utilizados para, supostamente, contratar Neymar por um custo inferior ao real. O Juiz, por sua vez, entendeu haver indícios de autoria e materialidade (existência) de crime de fraude e corrupção.

Importante destacar que ainda não há condenação e que todos os envolvidos terão a oportunidade ampla de defesa, inclusive, de ouvir testemunhas.

De toda sorte, é de se observar até que ponto o atleta está preparado psicologicamente para responder ao processo sem interferir em sua eficiência nas quatro linhas.

Neymar não é a única grande estrela do Barcelona a se sentar no banco dos réus. Tramita perante a Justiça Espanhola ação em que Messi e seu pai respondem por sonegação fiscal perante a Justiça espanhola, eis que teriam omitido valores recebidos por direitos de imagem nas declarações de imposto de renda de 2007, 2008 e 2009.

O profissionalismo do futebol exige que os grandes astros sejam bem assessorados também fora de campo a fim de que questões externas interfiram em seu desempenho. Enquanto isso, a Seleção Brasileira deve se curar da “neymardependência”. 

+ posts

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso