Epistemologias nossas de cada dia I – o dom e o talento

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Epistemologia. O termo, que etimologicamente remete às junções do grego episteme (que significa algo próximo à conhecimento ou entendimento) e logia (sufixo associado ao saber e a ciência) não soa lá muito convidativa, dado o caráter científico – incutida em sua própria constituição – tido como denso, teórico demais para estar atrelado à práticas hipoteticamente objetivas como, por exemplo, o futebol. Perfumaria, dizem.

Mas necessária – e cheira bem.

No frigir dos ovos, a epistemologia é a ciência do conhecimento. Propõe entender como nós, mortais seres humanos, incorporamos saberes que nos parecem úteis para lidar com o cotidiano corriqueiro, o que inclui desde aqueles mobilizados para dar um laço no cadarço de um calçado até aos que se arriscam a tentar entender a teoria da relatividade. Fundamental para compreendermos, enquanto pedagogos e pedagogas, os distintos modos que fazem fulano ou ciclana aprenderem (ou não) algum conteúdo e como modulam suas crenças, concepções e valores sobre a vida vivida – e por tabela, o futebol.

Trata-se, no fim das contas, de ‘maneiras’ mais específicas de interpretarmos o mundo a partir, claro, das lentes que nos dispusemos a usar para enxerga-lo. Toda prática, afinal, detém alguma epistemologia. O ‘maneiras’, ali em cima, é mero eufemismo para caracterizar as grandes teorias que explicam essa apreensão do conhecimento – são três, mas fiquemos hoje como a mais antiga delas: o Inatismo.

Um sem número de epistemólogos e epistemológas planeta afora se debruçam a conceituar a teoria epistemológica inatista e os pressupostos histórico-filosóficos que as fundamentam. Há certo consenso entre todos e todas de que a palavra-chave do Inatismo poderia ser algo como determinado. Todo e qualquer conhecimento é estabelecido a priori, presente de origem divina, dado, dádiva, verdade absoluta, concebido à alma, enquanto lócus do intelecto, e manifestado exteriormente a partir dela. Conhecimento é sinônimo de dom e você que lute para descobrir o seu.

Quem não sonhou em ser um jogador ou uma jogadora de futebol? A pergunta, eternizada musicalmente por Samuel Rosa, é retórica, mas seu complemento pode, em algum momento da vida, flertar com o doloroso: ‘será que nasci para isso?’, como aparentemente aconteceu ao Prof. Alcides Scaglia. Como não concordar com Romário, o homem dos 1001 gols, que, na mesma frequência com que decidia jogos, não hesitava em se endeusar? Fora o escolhido por Ele para dar alegria ao povo pelo balançar das redes, portanto, não lhe coube mais nada na vida senão cumprir a ordem celestial.

Explicar a vida – que não é necessariamente vivida nesse caso – pela manifestação de dons e seu caráter determinista são ações típicas de quem veste a lente paradigmática analítica-sintética e tradicional. O dom, sob a perspectiva pré-moderna, dispõe de forte ligação com o sagrado. Não à toa, monarcas de origem ibérica (berço do sebastianismo) em séculos passados e autoridades da Igreja Católica, até hoje, sejam intitulados dessa forma. E que adquire, pelo pensamento moderno e positivista do Iluminismo, uma roupagem genética para justificar o talento nato.

O determinismo, então, materializa a busca pelo controle da alma, por meio de derivações pan-ópticas, para combater o imprevisível e o indesejável. Para tanto, não abdica da imposição de rótulos demonizantes, motriz de vários preconceitos arraigados pela sociedade ocidental, óbvio, reverberados no esporte: do futebol que não é esporte de mulher, o vôlei que não é modalidade de macho, o preto que não serve para catar no gol, nem para treinar, nem para nadar, porque ‘sempre’ foi assim, alguém quis, escreveu não sei onde. Que também é desmascarado nas fatídicas peneiras por um viés supostamente mais ‘dócil’, o da busca por talentos brutos pelo julgamento das capacidades esportivas através d’um simples olhar: a muito baixinha para jogar basquete, a alta o bastante para jogar vôlei, o da panturrilha grossa que não serve para o futebol, ao contrário daquele outro de canela fina.

Cruel, muito cruel – diria aquele narrador (para manter a tradição de referências noventistas por aqui).

Do ponto de vista pedagógico-esportivo, em qualquer contexto, o Inatismo tem consequências geralmente pouco sapientes na medida em que o(a) professor(a)/treinador(a) é o ser que detecta clinicamente quem é capaz ou não e que, no máximo, promove insights para o desabrochar dos dons. Não existem processos de ensino ou aprendizagem e as responsabilidades afetiva e formativa ficam, literalmente, ao deus dará.

O Inatismo, e sua orientação determinista, ignora por completo a Pedagogia, enquanto ciência da prática educativa e, a rigor, qualquer outro tipo de ciência. Segue impregnando a cultura esportiva no Brasil, dentre outros fatores, pela busca mística ao imponderável que rege algumas de nossas condutas – que atire a primeira pedra aquele ou aquela que nunca se utilizou de um ritual de superstição para torcer. Outro ponto passa sobre como pensam (ou não pensam) algumas lideranças políticas e esportivas por aqui. O anseio de que determinados valores e ideologias não podem ser, em hipótese alguma, questionados numa sociedade que vive de… questionamentos, são feitos pelo controle social e sua imposição de concepções, de forma até arbitrariamente autoritária, justificada por um teor inatista: eis o evocar do mito de que mitos existem.

Fosse um desses influenciadores digitais, desconfio que o Inatismo seria aquele sujeito endeusado por uns, tido como tóxico e passível de cancelamento por outros, mas que, movido pelo amor e/ou pelo ódio, teria, possivelmente, milhões de seguidores. Todos nós fomos e somos inatistas e essa afirmação não se dá apenas pela possível identificação ressoada em você que se identificou com algumas situações exemplificadas. A ciência, inclusive a voltada ao âmbito esportivo e, mais inclusive ainda, àquela ligada à subárea da Educação Física chamada Pedagogia da Esporte, tem trazido evidências claras do engajamento, digo, popularidade dessa epistemologia.

Ao Inatismo, por essas e algumas outras, não devemos conceder sua inquisição imediata – ou cairemos na armadilha da contradição – sem antes reconhecê-lo. Primeiro como decorrente de uma visão de mundo analítico-sintética, suprema e factível em determinado contexto histórico. Depois, como teoria que ainda detém enorme influência em nossas fundamentações, muito por oferecer explicações razoavelmente simples demais sobre os quês, comos e os porquês devemos aprender, crer e enxergar o universo que nos ronda, sem nos exigir algo a mais do que a resignação.

Amém.

+ posts

Luis Felipe Nogueira é cientista do esporte e e mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Membro do LEPE (Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte, da UNICAMP). possui experiência como analista de desempenho no futebol, e tem como objeto de estudo as epistemologias da prática pedagógica nos ambientes esportivos.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso