O futebol é o esporte mais praticado do mundo

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O futebol é o jogo mais praticado do mundo, uma paixão inconfundível e irremediável, que transcende nossa razão e nos deixa como crianças atrás de uma bola, no entanto, existe um “grande vilão” a ser combatido que vem crescendo também com essa prática.

A especialização precoce pode ser um grande adversário na formação do jovem atleta se não for bem conduzido, pois a criança precisa (e deve) brincar, se divertir e principalmente, ser criança.

Como encontrar o equilíbrio para que a prática do jogo não se torne em trabalho?

Como não tirar a alegria e o prazer do jogar?

São perguntas como essas que precisamos nos fazer constantemente, pois, se em algum momento perdemos essa rotina, de nos questionar sempre a respeito disso, podermos nos afastar do real sentido do jogo, da prática e do esporte.

Ouvir e ler o grande mestre João Batista Freire é sem dúvida, enriquecedor e desafiante em cada palavra, ponto e vírgula. Nessa frase ele deixa claro na sua visão que o jogo e a ludicidade são as mesmas coisas.

“O futebol é um jogo. Não é por outro motivo que dizemos “jogar futebol”. Como todo jogo, ele guarda elementos de risco, imprevisibilidade, complexidade. O jogo é sempre uma simulação. Simulação do quê? Simulação de aspectos de nossas vidas. Porém, o jogo não tem elementos de ludicidade; ele é a ludicidade. Jogo e lúdico querem dizer a mesma coisa.” João Batista Freire

Jogo e lúdico sendo as mesmas coisas, certamente eles não  combinam em nada com algumas regras que vem sendo impostas na formação de atletas. Será que já ouviram algumas dessas frases?

  • Não brinque ai;
  • Futebol é coisa séria;
  • Para de rir;
  • Faça isso e não faça aquilo.

“Futebol não é um esporte, é um jogo. E todo mundo que joga um jogo começou a fazê-lo criança por diversão. E devemos alimentar a criança que temos dentro. Não devemos perder de vista o jogo e que a criança interior do jogador esteja disfrutando.” Maurizio Sarri

No final de tudo, perceberemos que a criança nunca irá crescer, mesmo jogando final de Libertadores ou de Champions League, ela continuará sendo a criança sonhadora  que corre atrás de uma bola.

Pensem Nisso!

Júlio Neres
+ posts

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso