É possível uma poética do tempo-espaço no futebol?

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Vocês sabem que um dos motivos por que o jogo de futebol é apaixonante está precisamente na sua pluralidade. O jogo de futebol não é uno – é múltiplo, são vários. Se vocês preferirem uma linguagem mais científica (que não deixa de ser poética), podemos emprestar as palavras do professor Jorge Olímpio Bento, para quem o desporto, onde o futebol está incluído, tem um caráter polimórfico e polissêmico, ou seja: assume formas e sentidos muito diversos, que portanto talvez dependam de outras variáveis que não apenas a objetividade.

Vejam o caso do tempo e do espaço, por exemplo. Uma das coisas que nos afligem quando pensamos o tempo e o espaço no jogo de futebol é que eles residem numa certa dimensão de abstração: embora a gente saiba mais ou menos do que se trata, nós não sabemos ao certo como dizê-lo. Na impossibilidade de defini-los, vamos fazendo deles mais palpáveis. Por exemplo, ainda que digamos que pequenas mutilações que fazemos do jogo de futebol acontecem por razões puramente didáticas (algo como mutilações do bem), elas continuam sendo feitas, e não deixam de ter uma expressão importante exatamente na separação entre tempo e espaço. Quando escrevo tempo-espaço no título deste texto, escrevo não apenas porque é bonito, mas porque talvez seja uma das formas de pensá-los a partir de uma poética, não apenas de uma metódica. Estão, ao mesmo tempo, juntos e separados por um hífen – de um modo que seja possível pensá-los em conjunto, um pensamento meio que siamês, sem desconsiderar as particularidades de cada um.

Este me parece um ponto precisamente importante porque a poética de qualquer coisa – e do tempo-espaço no futebol não seria diferente – reside precisamente na ambiguidade. O que é uma metáfora ou uma hipérbole, na própria linguagem, se não um alargamento do tempo e do espaço que moram no pé da letra? Nós vivemos um momento, que não é específico do futebol mas se reflete na gente, em que confiamos cegamente nos supostos avanços do que chamamos de ciência, ou do que chamamos de tecnologia (acho que as duas palavras, via de regra, são mal aplicada), mas acho que é menos uma expressão de confiança do que da fé, é quase que uma religião, são novos ídolos, de uma forma que não apenas não somos capazes de exercer continuamente a própria falseabilidade característica da ciência – ou seja, a capacidade de refutação consistente de uma teoria, para prová-la cientifica – como também, e especialmente, estamos perdendo de vista tudo aquilo que não se considera como ciência. No caso do tempo-espaço, temos diversas mensuráveis de controle do espaço percorrido, das intensidades a partir das quais o espaço é percorrido, do estresse fisiológico causado por um certo espaço percorrido em uma certa intensidade, temos milhões de mensuráveis objetivas – mas isso não significa que elas possam dar conta de todo o nosso pensamento e de toda a nossa prática. A objetividade almeja um certo grau de universalidade, mas a subjetividade, a quem se atribui um caráter menor, perigoso, impreciso e subversivo, é capaz de explorar um outro caminho, que faz da nossa experiência única, irrepetível – e é a partir da exploração mais poética da subjetividade que podemos, a meu ver, não apenas dar à ciência parte do que lhe falta, como dar à universalidade os graus de pluralidade, de que falávamos no começo do texto. A poética do tempo-espaço não deixa de ser uma busca pela particularidade, pela originalidade, não apenas pela cópia.

Reparem, por exemplo, que o tempo-espaço no jogo de futebol está fatalmente vinculado à noção de tática. A noção de tática, por sua vez, está vinculada à uma contribuição científica muito importante: ocupação e/ou gestão individual, grupal e coletiva dos espaços de jogo. Mas aqui, me permitam fazer dois deslocamentos. O primeiro é mais óbvio: se acabamos de argumentar em favor do tempo-espaço, então a tática seria não apenas uma ocupação/gestão do espaço, mas uma ocupação/gestão do tempo-espaço. Depois, acho particularmente interessante o peso da palavra gestão: a gestão do tempo-espaço presume uma certa administração do tempo-espaço, uma certa manipulação, a partir de uma postura eventualmente planejada, deliberada, calculada e controlada – de um modo que o tempo-espaço do jogo de futebol seria dependente dass habilidades de quem o controla, seja o jogador que joga ou – especialmente hoje em dia – os treinadores e treinadoras que treinam, uma vez que estamos cada vez mais crentes, embora não se assuma isso explicitamente, de que o jogo de futebol existe para atender às nossas vontades, aos nossos saberes e, especialmente, às nossas ideias. Não me parece uma visão de todo acurada. Sobre isso, aliás, publiquei um longo texto na última semana.

Uma poética do tempo-espaço no jogo de futebol é possível, a meu ver, se estivermos dispostos a relativizar nossas capacidades de controle. Ou, se vocês preferirem, se entendermos que o tempo-espaço de jogo não está abaixo, mas acima das nossas vontades. Um dos motivos está no caráter autotélico do jogo, no fato de que o jogo, inclusive como elemento que antecede a cultura, é um fim nele mesmo. O que podemos fazer, de fato, são apostas: apostas em projetos de jogo mais curtos ou mais longos, em projetos de jogo mais posicionais ou mais móveis, em projetos de jogo mais ativos ou mais passivos (inclusive no sentido clássico de passividade – aquele que se deixa levar pelas paixões), de um modo que talvez uma poética do tempo-espaço de jogo seja menos uma gestão e mais uma relação com o tempo-espaço: não depende apenas das deliberações ativas de um ou mais sujeitos, mas depende da qualidade individual/grupal/coletiva das relações que fazemos com o tempo-espaço, reconhecendo que eles não se apresentam como serviçais das nossas vontades, mas se apresentam como querem se apresentar, de acordo com a imprevisibilidade do conflito de forças presente no jogo – de um modo que nos desafia, continuamente, a oferecer respostas mais refinadas ao jogo, de um ponto de vista que não é apenas tático, nem técnico, nem físico, nem mental – mas humano, na sua inteireza.

Por isso, gostaria de insistir na ideia da ambiguidade, de que falávamos acima. Temos uma noção bem clara de que mais tempo-espaço para a tomada de decisão são variáveis positivas. Mas vejam bem, sabendo que o tempo-espaço são finitos (pelas próprias demarcações espaciais e cronológicas do jogo), portanto não é que precisemos sempre de mais tempo-espaço, precisamos nos relacionar com o tempo-espaço disponível de um ponto de vista contextual. Se atraio um adversário com uma condução para propositalmente fixá-lo no meu setor e libertar um espaço às suas costas, estou ao mesmo tempo diminuindo e aumentando o tempo-espaço: diminuo para mim, enquanto portador da bola, mas aumento para um potencial homem livre, ou mesmo para um terceiro homem. Entendem o que quero dizer? Não é que precisemos sempre de mais tempo-espaço, é que à busca por mais tempo-espaço se sucedem buscas por menos tempo-espaço, porque a relação com o tempo-espaço de jogo não é apenas uniforme, linear e objetiva, mas ambígua, incerta, contraditória, particular, singular e sim, é subjetiva. O que um Neymar é capaz de fazer, como fez ontem contra o Bayern de Munique, é um tipo de propriedade que só ele tem, de um modo que qualquer modelo de jogo, por mais cientificamente planejado que seja, não pode desconsiderar que o tempo-espaço de um Neymar é outro, é múltiplo, enxerga o que muitos dos outros não veem e, por isso, subverte a própria relação com o jogo. Não por acaso, uma poética do tempo-espaço também é uma subversão, uma certa violência (simbólica), uma relação atípica, mas incomum, única, particular, irrepetível, capaz fazer do tempo-espaço, no singular, tempos-espaços, no plural. E aqui abrimos um outro mundo. 

Sobre o qual conversamos em breve.

+ posts

Hudson Martins é Graduado em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Juiz de Fora. além de Graduado em Ciências do Esporte e Mestre em Educação Física pela Unicamp. Atualmente, treinador pela Elleven Futebol Studio, em Campinas.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso