Entendendo o perfil de trabalho no futebol

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Crédito imagem – Ricardo Duarte/SC Internacional

A graça da vida é a diferença entre as pessoas. O que seria de nós se todos fossemos iguais?! 

E o ambiente é quem tem a maior participação na moldagem do nosso caráter. Estímulos, contextos e exemplos próximos são os que mais influenciam nossa personalidade. Mas, claro, há uma carga genética que também tem alí o seu papel. Entretanto nunca vou para o lado do inatismo – “isso nasceu comigo e nada pode mudar”. Negativo.

Trazendo para o futebol o chavão mais próximo seria: “tenho o dom de jogar. Para que então treinar?!”. Não, mil vezes não!!!

Trazendo a discussão para a classe de treinadores é muito interessante observar a diferença de perfis. Por mais que todos estejam inseridos na mesma (dura!) realidade do mercado, cada um reage de uma maneira. E fora esse aspecto emocional, temos as ideias: todos estão passando pelos mesmos cursos da CBF, com acesso aos mesmos conteúdos. Porém cada um vai interpretar de uma forma e levar a cabo, nos treinos e campos de jogo, de uma maneira singular, baseado nas experiências prévias, forças de caráter e etc e etc…

Por tudo isso, toda e qualquer análise sobre determinado profissional deve ser criteriosa. Digo por parte de imprensa e torcida, mas fundamentalmente por quem tem a “caneta” nas mãos. Dirigentes devem ter muito conhecimento e sensibilidade para entender determinada estratégia para um jogo, qual o modelo, quais as metodologias de treinos, quais os pilares humanos do trabalho e várias outras coisas que são simples se olhadas de maneira pontual, mas que combinadas formam uma complexa e sistêmica rede, que não pode ser avaliada de forma rasa e passional.

Ainda estamos engatinhando nesse aspecto no Brasil. Se contrata um treinador por uma “embalagem”, por um “rótulo”, mas sem a real noção dos meandros do trabalho, e sem saber ao certo o que ele tem como filosofia. E para demitir o processo é o mesmo, porém com os traumas inevitáveis que todo desligamento carrega. Estudo e conhecimento são as chaves para bem avaliar. A parte da paixão deixamos para o torcedor!

+ posts

Jornalista, apresentador e reportér de radio e televisão. Egresso de cursos da Universidade do Futebol, Marcel reflete sobre o jogo a partir da perspectiva do pensamento sistêmico.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso