Vou falar de arbitragem. Mas só hoje…

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Crédito imagem: Washington Alves/Cruzeiro

Evito falar de arbitragem. Em minhas tribunas, prefiro campo e bola. É isso que decide campeonatos. Os árbitros podem até interferir em um jogo ou outro – normal, porque são seres humanos e estão passíveis de equívocos. Porém no médio prazo, em um torneio, principalmente de pontos corridos, ganha sempre quem mereceu. Quem foi melhor.

Ao passo que me incomoda técnicos e dirigentes que culpam quem apita por tudo de ruim que lhes acontece, não gosto de usar este nobre espaço para falar disso. Só abro esta exceção por conta dos últimos acontecimentos. Não posso me calar ao ver quem comanda (!) trocar pessoas, mas manter esse modelo amador falido e a falta de união dos clubes diante de tudo isso.

Como pode o árbitro não ser profissional?! Em uma indústria que movimenta milhões, até bilhões de reais, quem apita é amador. Não é possível mesmo pagar um salário mensal e oferecer toda a preparação necessária para quem vai definir a justiça no placar?! E me refiro aqui aos árbitros de campo e também a quem opera o VAR. Por melhor que seja a tecnologia ela ainda é manuseada por seres humanos. 

Quando não está apitando, esse indivíduo não tinha que estar em um outro emprego, que ele é obrigado a ter para poder entrar no quadro de árbitros. Ele deveria estar fazendo a preparação física específica para os movimentos necessários no campo de jogo, tendo uma preparação psicológica voltada para a pressão que é encontrada dentro das quatro linhas, assistindo aulas, reforços e palestras sobre recomendações e interpretações das regras, enfim, se o jogador atua no domingo e faz toda a preparação nos dias seguintes, porque o árbitro tem que ser amador e realizar outra atividade laboral?!

E chego aqui em outro ponto crucial que faz com que tudo isso vá se perpetuando por décadas a fio: a falta de união dos clubes. O individualismo e o egoísmo que vemos são absurdos! Se há um erro contra mim, grito, esperneio e faço uma pressão. Se sou “favorecido” me calo cinicamente. Não há a menor intenção de discutir o todo, o sistema. E sim pressionar para a próxima partida…

Não sei a quem interessa uma arbitragem não profissional…aos clubes é que não… mas eles estão muito ocupados, fazendo força nos bastidores tentando evitar, por exemplo, que um árbitro que seja de um estado que tenha algum clube brigando pelo mesmo objetivo, não apite seus jogos… triste futebol brasileiro…

+ posts

Jornalista, apresentador e reportér de radio e televisão. Egresso de cursos da Universidade do Futebol, Marcel reflete sobre o jogo a partir da perspectiva do pensamento sistêmico.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso