Tantas demissões de técnicos matam o futebol brasileiro

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Crédito imagem: Gustavo Oliveira/athletico.com.br

Neste momento em que você lê esse texto o número de técnicos demitidos no futebol brasileiro será maior do que quando eu escrevi essas linhas. Certeza! Por isso não vou quantificar as demissões. São muitas! Desproporcionais! E isso me incomoda muito…

Sou um ferrenho crítico da qualidade do jogo que se pratica no Brasil. Tenho convicção de que poderíamos apresentar um produto melhor. E a questão não é dinheiro, já que sei que vão dizer que os melhores jogadores estão na Europa e por isso lá o jogo é melhor… o Villarreal fatura menos e mesmo assim eliminou o Bayern de Munique da Champions…

Mas a falta de tempo de trabalho dos técnicos, sim, impacta diretamente no que se vê em campo. Como elaborar ideias e implementar conceitos com uma média de três meses de um profissional à frente do processo? E depois vem outro técnico mudando tudo e depois de três meses chega outro e assim vai… o treinador aqui no Brasil não trabalha. Ele sobrevive. A cada rodada ou comemora a chance de trabalhar até o próximo jogo ou se aproxima da demissão. Sem muita avaliação. O futebol é muito dinâmico, dizem os dirigentes…

Não alimento a utopia de que todo clube deve ter em seu escopo um modelo de jogo estabelecido, com padrões de comportamento definidos com base na história, nas conquistas marcantes e no contexto geral e só a partir disso buscar um treinador que se encaixe e entregue tudo o que seja condizente com essa filosofia. Sei que aqui no Brasil o que se quer é a vitória a qualquer custo, não importando como. Mas até para ganhar desse jeitão aleatório tem que ter coerência. Precisa de tempo. Tem que respeitar e entender o processo. Há de se ter convicção mesmo nas derrotas e entender que elas fazem parte do amadurecimento.

É muito fácil demitir o treinador. Aparentemente se estanca o problema e a torcida vê que os dirigentes estão “tomando providências”. Porém no médio prazo já estamos colhendo os frutos disso…equipes sem padrão, jogando da forma mais simples possível, com medo da derrota… a conta chega. A bola pune!

+ posts

Jornalista, apresentador e reportér de radio e televisão. Egresso de cursos da Universidade do Futebol, Marcel reflete sobre o jogo a partir da perspectiva do pensamento sistêmico.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso