Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Crédito imagem: Divulgação/Atlético MG

‘Mais difícil do que chegar ao topo é se manter nele’. Você já deve ter ouvido essa frase, que ao mesmo tempo que está batida se mostra extremamente verdadeira e contemporânea no futebol. 

A mobilização de um grupo de jogadores, de um staff técnico e até da parte diretiva de um clube é algo muito subliminar e que demanda inúmeros fatores para acontecer. Depois de um sucesso, então, se torna ainda mais refinado e de difícil obtenção. É da natureza humana entrar na zona de conforto depois de uma meta conquistada. A mesma meta, sendo no caso do futebol um mesmo campeonato, vencê-lo novamente, por exemplo, pode não motivar a todos. 

A maioria dos jogadores aqui no Brasil não aceitam as mesmas cobranças depois de um título. Os dirigentes acreditam que fazendo a mesma coisa que funcionou irão continuar sendo vencedores. Os próprios técnicos, em muitos casos, apostam no mesmo modelo e nas mesmas estratégias. E fazendo o que sempre foi feito não só é garantia de estagnação como o fracasso se torna uma natural consequência. Se você não está evoluindo, você está piorando!

Por isso defendo no Brasil a troca constante de uma parte do grupo de jogadores a cada temporada. Tanto após derrotas como após vitórias. Nossa cultura não permite ciclos muito longos. A simples troca de ambiente traz ao próprio jogador uma motivação diferente. São poucos aqueles que sustentam uma visão a médio prazo de refinamento do processo para continuar no topo. 

Repare que nos três clubes grandes da cidade de São Paulo em seus mais recentes ciclos vitoriosos isso aconteceu de maneira até natural. O São Paulo campeão mundial em 2005 era diferente do que concluiu o tricampeonato nacional em 2008. O Corinthians campeão brasileiro de 2017 passou por mudanças com relação ao time que conquistou o Mundial de 2012. O próprio Palmeiras atual foi se alterando paulatinamente desde o início dessas conquistas todas em 2015. A cultura vencedora por trás das vitórias é o que sustenta todo o processo. Por isso se faz necessária essa troca constante de personagens. Apego ao passado afasta, ao invés de aproximar, a conquista de novos troféus. 

+ posts

Jornalista, apresentador e reportér de radio e televisão. Egresso de cursos da Universidade do Futebol, Marcel reflete sobre o jogo a partir da perspectiva do pensamento sistêmico.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso