Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

É um tanto quanto assustador acompanhar alguns fatos ligados aos clubes de futebol no país. Os mais recentes têm a ver com a forma de condução de inúmeros processos (ou falta deles) ligados ao Vasco da Gama.

E aqui não tem apenas a ver com o atual mandatário, que classicamente se apropria do clube. Tem também a ver, mas não é só, mesmo porque não são raros os casos em que ocorrem fatos similares em outros clubes.

O que fica evidenciado é a falta de trato e respeito com a marca do clube. Por isso, a palavra “apropriação” foi utilizada no parágrafo anterior. A lamentação está muito amparada pela perda de oportunidades e falta de aproveitamento do potencial de negócios que o futebol brasileiro possui e não realiza por força deste despreparo.

No nosso cenário, temos uma série de carros importados, de Ferraris a Lamborghinis, trafegando em estradas escuras, esburacadas e cheias de obstáculos pelo caminho. Nem o mais moderno radar de identificação de objetos é capaz de identificar a “surpresa” que vem pela frente. O pior de tudo é que, uma hora ou outra, um desses carros potentes chega antes dos outros. Todo amassado e com a cor desbotada. Mas chega.

Na analogia, obviamente, os carros são os clubes; a estrada é o campeonato e tudo o que o cerca (dos clubes rivais, que ao invés de se tratarem como parceiros, se encaram como inimigos mortais, a forma como é construído o debate em torno da competição enquanto produto de marketing e tantos outros pormenores); o radar talvez sejam os analistas, que de um jeito ou de outro tentam apontar os melhores caminhos para o futuro, apesar da insistência de os clubes em repetir insistentemente um modelo que se esgotou na década de 1990; o chegar na frente é que sempre pelo menos um dos clubes será o campeão (e outros 4-5 irão para a Copa Libertadores e, por conta disso, teoricamente, atingem seus objetivos, no caso do Campeonato Brasileiro), mesmo que para isso deixe um passivo e um enorme buraco de processos mal administrados que serão reclamados em questão de meses. O estrago, em muitas situações, é de difícil conserto.

Pelo caso citado no primeiro parágrafo é que é tão difícil falar em gestão do esporte no Brasil – afinal, estamos falando do atual Campeão Carioca, que acaba sendo o escudo e a justificativa para qualquer ação bem ou mal estruturada se sustentar no tempo dentro dos clubes. Está-se trabalhando com uma régua muito baixa e, portanto, o nível de aprendizado e de evolução do mercado é tão lento.

Enquanto não mudarmos a forma e o modelo de gestão dos clubes, a tendência é permanecermos discutindo as mesmas coisas ano após ano. Aliás, muitas das minhas colunas aqui na Universidade do Futebol dos últimos 5 anos poderiam ser simplesmente copiadas e coladas, uma vez que os problemas são quase sempre os mesmos neste ciclo temporal… 

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso