A injusta demissão de Domenec no Flamengo

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Que a fase do Flamengo não é das melhores está a vista de todos. Os números e o próprio desempenho escancaram isso – números, aqui, me refiro especificamente aos defensivos, em uma análise simples e quantitativa dos gols tomados e ao desempenho falo de uma análise mais qualitativa, envolvendo toda a complexidade do jogo, nos aspectos técnicos, táticos, físicos e emocionais.

É extremamente injusto e contraproducente comparar o Flamengo de Domenec Torrent com o de Jorge Jesus. Eu poderia fazer um texto enorme discorrendo sobre as diferenças de modelo de jogo, princípios e subprincípios ofensivos, defensivos e de transições, mas isso não é o que mais explica o atual momento do clube.

Domenec Torrent em ação pelo Flamengo. Crédito: Redes sociais do treinador/Divulgação

Na nossa cultura individualista de analisar o jogo o mais fácil é apontar que bastava Domenec dar sequência ao trabalho de Jesus que os resultados e performance seriam os mesmos. Porém se no futebol “antigo” isso até poderia funcionar já que diante de inúmeros talentos o bom técnico era aquele que menos atrapalhava, nos dias de hoje essa análise se torna rasa demais. O coletivo se sobressai mais do que nunca. E se estamos discutindo algo tão imprevisível, aleatório, complexo e humano como é o jogo de futebol, nunca podemos apontar um único problema e muito menos uma única solução.

Em um ano tão atípico, com o calendário cruelmente apertado e com casos de Covid explodindo em todos os elencos, a análise tem que ter um viés de complexidade ainda mais aguçado.Que tal se ao invés de falarmos sobre o Jogo de Posição não falássemos sobre relacionamento interpessoal entre Domenec e os jogadores? Ou então se no lugar de só constatarmos a defesa mais exposta não questionassemos se a fome e o espírito do grupo estão sendo tão estimulados como Jorge Jesus fazia? Ou até ampliarmos o debate para a liderança e a comunicação do ex-técnico flamenguista, se ela não gerava um impacto tão positivo como era com o treinador português? 

Que fique claro: sou um apaixonado por tática. Leio, estudo, vou atrás de tudo o que envolve essa vertente do jogo. Mas quanto mais estudo tática mais vejo que só ela não responde a todos os problemas.

*As opiniões dos nossos autores parceiros não refletem, necessariamente, a visão da Universidade do Futebol

Marcel Capretz é jornalista com experiência em grandes emissoras de rádio e TV. Busca entender e explicar o jogo através do conhecimento.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
victor
victor
21 dias atrás

Parabéns pela pauta, mas num artigo de opinião eu espero algo completo, que traga diferentes perspectivas e aponte situações q te levaram a esses questionamentos. Enfim, uma reflexão mais profunda. Entenda como uma crítica construtiva.

RAPHAEL ALVES DA SILVA
RAPHAEL ALVES DA SILVA
18 dias atrás

O titulo do artigo nao condiz com o texto. Diz que Dome foi demitido injustamente mas nas duas perguntas que foi feita a resposta teria que vir do técnico e ela nao teve efeito, ele nao foi competente para treinar o time e melhorar aquilo que era quase perfeito.

Mais conteúdo valioso