Clube-empresa solução para o futebol do interior

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Terminar o mês ou o ano “no azul” dentro da indústria do futebol é desafio cada vez mais difícil. Mesmo aqueles clubes e federações com recursos disponíveis, em função dos desafios e imprevisibilidade do mercado, obedecem cada vez mais critérios a fim de que estas organizações não fujam da estratégia e do planejamento de toda uma temporada. Equipes com numerosa base de torcedores são capazes de se planejar financeiramente de maneira mais confortável do que a grande maioria dos clubes brasileiros. Afinal, nos tempos de hoje torcedor é consumidor e, assim, fonte de receitas.
Mas esta não é a realidade. Nem todas as instituições do futebol brasileiro possuem tantos torcedores e potencializam este poder de consumo. Para seguirem existindo ficam refém de “aventureiros” no futebol e, em muitos casos, mecenas que não os conduzem com boas práticas de gestão e levam o clube para um caminho insustentável. Como resultado, muitos deles deixam de existir, simplesmente.
A indústria do futebol caracteriza-se também pela baixa regulamentação. Não há controle financeiro, punição para quem não cumpre normativas ou a existência de um teto salarial para que os gastos sejam moderados. Estes são apenas alguns fatores que tornam este mercado bastante instável.
A regulamentação das atividades de um clube-empresa é capaz de dar uma alternativa ao futebol de clubes do Brasil a fim de levantar recursos e potencializar receitas. Para existir e seguir, a empresa precisa ser lucrativa e terá que obedecer uma série de regulamentações externas e internas se quiser operar no mercado. Uma delas, por exemplo, é o próprio limite salarial. A coluna não diz que ele tem que ser baixo, mas por exemplo aumentar conforme melhorar o desempenho do clube.
O futebol de clubes do interior do Brasil, repleto de história mas também de exemplos de má gestão, e em meio à crescente capitalização do esporte e às mudanças do mercado pode receber um fôlego ao atrair investidores, que levarão em consideração as instalações, a localização o palmarés e interferência nula de conselheiros ou torcedores no cotidiano da instituição. Ao mesmo tempo, algumas cidades e regiões também poderão captar investimentos de grupos interessados a começar um novo clube, desde o que conhecemos como sendo o “zero”.

O então Clube Atlético Bragantino fez a “Final Caipira” do Paulistão de 1990 contra o Novorizontino. (Foto: Divulgação/Reprodução)

 
Com tudo isso, a regulamentação do mercado, a regularização do clube-empresa é sem dúvida uma sobrevida para o futebol de clubes do interior do Brasil e a sua sustentabilidade dependerá das boas práticas de gestão.

——-

Em tempo mais uma citação que se relaciona com o tema da coluna:

“Qualquer um pode saber. Mas nem todos podem entender”.
Albert Einstein

 

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Darjan wesley de franca oliveira
Darjan wesley de franca oliveira
8 meses atrás

Que chegue uma boa proposta ao XV de Jau não é Prof.?

Mais conteúdo valioso