Colunas

09/08/2017

Montagem e desmontagem de grupos

“Acredito porque a crença tem biologia” (Vitor Frade, 2017)

Como treinadores criamos crenças pessoais e individuais que nos fazem ter maior ou menor sensibilidade na avaliação, análise, contratação, evolução, involução ou dispensa dos jogadores. É natural que essas crenças inibem ou estimulam emoções, sonhos e expectativas diariamente nos jogadores que convivemos onde passamos.

No futebol, há questões que são de praxe em todos os contextos, apesar de algumas diferenças processuais. Apesar de muitas coisas acontecerem pelos estímulos serem diferentes de uma realidade para a outra, numa ordem cronológica, desde a chegada do jogador ao clube, seus treinamentos, sua titularidade, seu crescimento formativo, seu entendimento da filosofia de jogo, sua subida para o profissional depois de anos na base, sua dispensa ou venda, nada acontece de muito diferente nesse ciclo natural visível para o jogador. Mas essa estrada para alguns tem muitos buracos e curvas traiçoeiras.

E, nisso tudo, o que não se pode negligenciar, é que apesar de alguns processos serem mais claros que outros no nível de conceituação macro, a individualidade de cada ser humano, de cada treinador, faz perceber de forma diferente o jogador e especialmente o futebol. Isso influencia positiva ou negativamente na montagem de um grupo, na continuidade de um jogador ou na dispensa. Logicamente, as convicções influenciam um panorama de escolhas por mais que algumas interferências possam acontecer.

Definir grupos, montar grupos e dispensar jogadores não é uma tarefa tão fácil como parece. Muitos erros acontecem. A natureza complexa do jogador e do jogo faz isso calhar sem aviso prévio. Por mais que as preferências declaradas pelos perfis de jogadores evidenciem a ordem e a interação pretendida pelos treinadores, o dia a dia dos comportamentos, atitudes, resultados, conquistas e a qualidade evolutiva influenciam na efetividade das escolhas; pois o jogo é um jogo de escolhas e de verdades individuais nos bastidores que também posteriormente serão vistas dando certo ou não no grande jogo. E cada montagem de grupo carrega essas verdades individuais.

Bielsa, com suas crenças, idealista, na sua roda de imprensa no Lille da França, por meio de sua sagacidade filosófica, entrou nesse tema de forma brilhante:

Expressar respeito ao jogador é dizer-lhe claramente se tem possibilidades reais de ser útil dentro de um projeto. Eu nunca faço avaliações do nível dos jogadores. Quando elejo e tomo decisões, as decisões tomo em função se um jogador vai poder ser útil para o desenvolvimento de minhas ideias, as ideias que quero transmitir a equipe. Para um jogador parece ser incomodo inicialmente não ser/fazer parte da equipe, mas é muito pior incluí-lo no grupo sabendo que não vai ter oportunidades. Eu observei toda temporada passada e elegi os jogadores que me pareceram harmonizar com o que eu vou propor, com o desenvolvimento do que eu vou propor. Mas de nenhuma maneira eu me expresso sobre o valor do jogador que não considero. Muito menos quando os jogadores têm uma história no passado pelo clube tão importante. Temos a obrigação, temos que decidir, de eleger. Eleger significa descartar e incorporar.  Descartar um jogador ou não considerar um jogador não é uma expressão sobre seu valor, senão a necessidade que alguém imagina para sua equipe. E, manter um futebolista se alguém não o considera necessário, é muito sofrido para todos. Isso é uma explicação sincera e que tem lógica. Isso não quer dizer que eu tenha elegido bem. Eu quando elejo sei que corro muito risco de acertar e de me equivocar. Não pensem que todas minhas decisões são certas. O que sei é que faço todos os esforços que estão ao meu alcance para tratar de não equivocar-me. Mas sempre tenho dúvida se a decisão foi acertada ou não.” 

Bielsa dignificada a nossa profissão.

Abraços a todos e até a próxima quarta!

Comentários

  1. Sidney Jairo Zabeu disse:

    Algumas vezes nos deparamos com jogadores, sejam eles da base e/ou profissional, que apresentem qualidades técnicas que contribuirão para o crescimento coletivo da equipe. Entretanto a conduta comportamental, ou seja a sua forma de conviver diariamente, nos treinamentos e de se portar com seus colegas de equipe, comissão técnica e demais funcionários do clube causa certo incômodo para o treinador e sua equipe, mas futebolisticamente, dentro das partidas ele faz diferença. Razão pela qual faz-se necessário contar com uma equipe multi e inter disciplinar no sentido de auxiliar o técnico e , principalmente, ao próprio jogador para que ambos não cometam o erro de “passarem do ponto” e tomarem decisões precipitadas e precipitadamente virem a penalizar o clube e, também, interromper a sua carreira. Pois, não é fácil lidar todos os dias com conflitos pessoais, pressões profissionais em um trabalho coletivo esportivo. Conhecimento científico na área humana, na psicologia desportiva é uma grande “arma” para os gestores desportivos, seja para os dirigentes do clube que estão diretamente ligados ao esquema organizacional do departamento de futebol do clube, mas principalmente para o treinador e seus auxiliares, na perspectiva de saber administrar esses percalços comportamentais do jogador/atleta, evitando assim uma tomada de decisão equivocada e/ou precipitada. Certamente, jogadores da base, todavia, estão no processo de formação desportiva.
    Pois, não é possível dissociar o ser humano do jogador/atleta e compreender que a relação homem-meio pode ser pensada como parte de uma dinâmica sociocultural ou como uma relação consubstanciada no determinismo.
    Segundo Cliford Geertz, antropólogo americano, fundador da antropologia simbólica centrada na pesquisa sobre as diferentes maneiras que os indivíduos entendem o local o local em que vivem, assim como as ações dos demais membros de sua sociedade estabelecendo significados para suas ações, partilhando uma forma de linguagem própria. Finalizando, é de suma importância ter conhecimento da história de vida e local de convívio desses jogadores no momento que identifiquem e surjam potenciais problemas de convívio sociodesportivo.

    … O que sei é que faço todos os esforços que estão ao meu alcance para tratar de não equivocar-me. Mas sempre tenho dúvida se a decisão foi acertada ou não.” palavras do treinador Bielsa.

    Segundo Marcel Mauss, existem alguns conceitos que devem ser considerados determinantes nas análises humanísticas e que estão diretamente ligadas o “fato social total” que engloba os aspectos fisiológicos, psicológicos e sociológicos, os quais não podem ser explicados por um único ponto de vista. Entender o homem como um ser cultural.

    Cordialmente,

    Sidney Jairo Zabeu

Deixe uma resposta

Sobre a Universidade do Futebol

A Universidade do Futebol é uma instituição criada em 2003 que estuda, pesquisa, produz, divulga e propõe mudanças nas diferentes áreas e setores relacionados ao universo do futebol, enquanto atividade econômica e importante manifestação de nosso patrimônio cultural, nas dimensões socioeducativas e no alto rendimento, e que conquistou o reconhecimento e credibilidade da comunidade do futebol.

Posts Recentes

Cursos em Destaque

© 2016 Universidade do Futebol. Todos os direitos reservados.