Pedagogia e futebol: é preciso sentir para fazer sentido

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

‘Quem sabe só de futebol, ainda não sabe de futebol’ – Manuel Sergio

A vida, esse emaranhado de incertezas, possui duas certezas: a primeira é a morte física e a segunda, enquanto a primeira não vem, é a interdisciplinaridade.

O futebol, então, enquanto uma das representações de vida, é interdisciplinar. Podemos – devemos – debater sua condução, as condições com que são exploradas e o quanto, de fato, o discurso é levado a cabo, mas, assumindo o risco da afirmação generalizadora, suponho que mesmo aqueles ou aquelas que gostem de incutir rótulos aos profissionais esportivos – fulano é ‘ultrapassado’, ciclano é ‘retrógrado’ – terão certa dificuldade em escutar deles uma ode declarada ao obscurantismo.

Primeiro porque, no futebol, a interdisciplinaridade está posta. Demos, porém, um passo atrás: negar a fisiologia, a biomecânica, a nutrição, a psicologia, a análise de desempenho, bem como a influência de disciplinas outras no ensino, treinamento, vivência e aprendizagem do esporte-bretão parece um erro, um abraço fraterno ao insucesso profissional. É bem possível que soe óbvio, mesmo para os e as que projetam o mundo de forma cartesiana, difícil negar a importância das partes – até porque, para esses e essas, dá soma delas é que se constitui o todo.

A nem tão simples ‘mudança de chave’ – eufemismo para rompimento de paradigma – de um olhar para as relações mais linear e técnico, para outro, não-linear e complexo, pode contribuir à percepção de que diferentes áreas do conhecimento e disciplinas, como as citadas no parágrafo acima, por exemplo, interagem entre si e não é de hoje. Eis, aí, a interdisciplinaridade, importantíssima para entendermos as nuances das (infinitas) transformações das relações humanas, do próprio jogo e estruturarmos o passo adiante rumo à transdisciplinaridade, a que estudiosos como o Prof. João Paulo Medina tem se referido há um tempo – conversa que esmiuçaremos em próximas oportunidades. 

Segundo porque, mesmo em tempos de tosca resistência anti-iluminista, assumir-se como profissional esportivo de excelência carregado de tradicionalismos por aqui (sem levar em consideração a cultura sebastianista do torcedor ou torcedora passional, de culto cego ao futebol-raiz) sobretudo no pós-sete a um, já não pega tão bem assim – ao menos no discurso, não bastasse a contradição. O futebol mudou porque o mundo também mudou, e se modifica a todo momento. Quem não busca adaptação às dinâmicas emergentes corre grande risco de sucumbir profissionalmente, mesmo que não admita outros tipos de transformações sociais. Permitam-me o trocadilho: é o fenômeno do conservador ou conservadora nos costumes e liberal no futebol – pretendemos explorar bastante essas e outras contradições por aqui.

Ainda que tenha sublinhado a psicologia algumas linhas acima, a resistência às ciências humanas, para que seja concebida sob a interdisciplinaridade, perdura no futebol e, porque não dizer, na Educação Física, tida como prática demais para ser influenciada por teorias tidas como rebuscadas demais. As vivências do chão de quadra e à beira do campo compensariam as densas perfumarias filosóficas, afinal. Mostra de que os caminhos para o corte epistemológico, falado há décadas pelo Prof. Manuel Sérgio, que trata da transposição do futebol como atividade física para atividade humana, não está tão pavimentado assim.

E para melhor entendimento de uma atividade humana, dá-lhe ciências humanas, certo? Mas para que essa relação faça sentido é preciso oferecer, ora bolas, sentido. E é aí, que peço para que a Pedagogia tire o colete, faça rapidinho o aquecimento para entrar e mudar o jogo. Qualquer jogo. Não falo só do rachão no ambiente escolar ou o bobinho nas escolinhas especializadas, mas nos contextos competitivos e de altíssimo rendimento. Onde há gente, existe pedagogia.

Partimos, assim, do pressuposto de que a Pedagogia é uma ciência educativa, que se reflete por método(s) e didática(s) para que, a partir de uma ou várias intencionalidades, as pessoas sejam tocadas e pensem, sintam e ajam melhor. E, aplicada ao futebol, também joguem, treinem melhor e, não menos importante, aproximem formas de pensar o mundo e o jogo distintas. A pluralidade de ideias toleráveis é o que dá tempero às relações humanas, afinal.

Quando evocamos o filósofo Edgar Morin para falar da noção de complexidade, as obras do psicólogo Urie Brofenbrenner que aludem à teoria ecológica ou as do físico Thomas Kuhn, que aborda a filosofia da ciência e o paradigma científico emergente, a Pedagogia é imprescindível para que essas brilhantes ideias tenham significado à realidade do profissional do futebol, esteja ele ou ela na Série A do Brasileirão ou no projeto voluntário do bairro periférico. É preciso, evidentemente, empenho e disposição para o novo e o novo nem sempre é cômodo – e nem deveria ser – bem como empatia e compromisso com o real e o social da parte de quem administra o ambiente formativo sem fazer do processo educativo algo superficial ou encastelado demais.

Por esse entendimento, nos parece importante inferir a Pedagogia, sob a égide da cada vez mais relevante subárea da Pedagogia do Esporte, como indispensável ao futebol. Vou além: a Pedagogia é, senão, a própria interdisciplinaridade, na medida em que se compromete com o diálogo entre dissemelhantes, mobiliza saberes de diversas fontes, admite sincretismos e minimiza dualismos entre a teoria e a prática, o ‘boleiro’ e o acadêmico, o reativo e o propositivo, a competição e a participação, a técnica e a tática, sem desconsiderar suas especificidades.

Seria, da parte deste que vos escreve neste espaço pela primeira vez, presunçoso demais dizer que as ciências humanas (com a Pedagogia inclusa) por si só, dá sentido à vida – e ao futebol – mas que ajuda a cada um de nós encontrar o seu, isso ajuda. Agora são três certezas, desconfio

Luis Felipe Nogueira é cientista do esporte e e mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Membro do LEPE (Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte, da UNICAMP). possui experiência como analista de desempenho no futebol, e tem como objeto de estudo as epistemologias da prática pedagógica nos ambientes esportivos.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso