Universidade do Futebol

Colunas

11/02/2020

Princípios de governança para a credibilidade

Em que sentido a aplicação de políticas de governança colaboram com a credibilidade de uma organização esportiva

Foi finalmente lançado em português do Brasil o livro “Cartão Vermelho”, de Kim Basinger, sobre o escândalo de corrupção na entidade máxima do futebol mundial, a FIFA. A operação do FBI (Escritório Federal de Investigação, sigla para Federal Bureau of Investigation) em hotel suíço, que levou à prisão vários conhecidos dirigentes completará 5 anos no próximo mês de maio.

Desde então percebe-se um movimento tímido, mas cada vez mais comum, em relação aos cuidados com princípios de governança nas entidades de prática (clubes) e de administração do esporte (federações e confederações). Apesar de serem pessoas de direito privado, trabalham com manifestações de interesse público. Afinal, o futebol é um fato social total, a modalidade representa diversos setores da sociedade. Através dos seus clubes e seleções nacionais as pessoas se identificam. Promove-se o sentido de unidade e pertencimento, estabelecem-se ritos e tradições, além de atributos intangíveis, fundamentais para o ser humano.

Foto: Reprodução/Divulgação

 

Desta maneira as pessoas cobram pelo bom tratamento, gestão e condução deste “bem público”. Querem títulos, é verdade, mas ao mesmo tempo não gostam que grupos de interesse façam dele um trampolim para a projeção pessoal, enriquecimento ilícito ou manutenção do status quo (tráfico de influência). 

Princípios de governança sugerem, em resumo, que os interesses coletivos e os da organização esportiva sejam colocados em primeiro e único lugar, em detrimento dos individuais ou dos pequenos grupos, com base em um planejamento estratégico e de acordo com a sua origem, quando estabelecidas a missão, a visão e os seus valores.

Com tudo isso, a aplicação de políticas de governança com o tempo contribuem para a transparência e capacidade de comunicação da organização esportiva, melhora o relacionamento com as partes interessadas (torcedores, investidores, comunidade) e colabora para a imagem institucional. A longo prazo essas ações serão fundamentais para a sua sustentabilidade e existência em um ambiente cada vez mais competitivo e com consumidores cada vez mais exigentes, que não querem ver as suas contribuições financeiras mensais sustentarem  estes determinados grupos de interesse. 

Em tempo: a coluna recomenda a leitura deste livro, mais o “O Delator”, de Átila Abreu.

——-

Em tempo, mais uma citação que se relaciona com o tema da coluna:

Sempre leio primeiro a página de esportes, que registra os triunfos das pessoas. A primeira página não me diz nada além dos fracassos do homem”.
Earl Warren, político e ex-chefe da Justiça dos Estados Unidos

 

Comentários

  1. Rafael Maydana disse:

    Ou seja a promoção vinda somente do bem próprio e não ao seu ser maior o clube.
    Isso nos mostra cada vez mais a ignorância ela ganância em somente somente seu bem do que a instituição.

  2. msbjj2019 disse:

    Infelizmente no meio de muitos profissionais sérios existem aqueles que querem manchar o futebol.

Deixe uma resposta