Categorias
Colunas

Vitor Pereira e essa desafiadora sequência no Corinthians

Crédito imagem: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

O sucesso e o fracasso tanto no futebol como na vida são previsíveis e podem ser potencializados. Há algumas atitudes que trazem a vitória para mais perto. E há outras que aumentam a probabilidade de um revés. É fato que não controlamos o resultado final. Porém o que entregamos para o mundo e como reagimos aos acontecimentos está inteiramente sob nossa responsabilidade. E dentro dessa perspectiva o Corinthians não poderia mesmo ser campeão paulista. Ter três técnicos (um interino e dois efetivos) em quatorze jogos não tem como dar certo…

Não quero ficar aqui remoendo a saída de Sylvinho. Por mais que não passe pela minha cabeça a manutenção de um treinador de um ano para o outro e após toda uma pré-temporada demiti-lo com apenas três jogos, (uma vitória, um empate e uma derrota), o foco agora deve ser a sequência do bom Vitor Pereira. Contudo, por melhor que seja o técnico português, o elenco corintiano tem graves problemas de formação. As contratações feitas desde o meio do ano passado podem ser vistas mais como oportunidades de mercado e lembranças afetivas do que por performance e efetividade. As posições de primeiro volante e centroavante, por exemplo, carecem de jogadores que estejam no pico da carreira – isso varia a partir de 24 e 26 anos até 28 e 30. 

Que fique bem claro: não sou contra a contratação de jogadores experientes. Mas é nítido que o elenco corintiano tem muitos jogadores que já estão no declínio não só físico, mas também técnico, tático e emocional. E isso é determinante para o modelo de jogo adotado!

Vitor Pereira é inteligente e experiente o suficiente para adaptar suas ideias às características dos jogadores a disposição. Entretanto a diferença entre o que o português prefere e o que esse elenco corintiano pode oferecer é enorme! Como propor uma marcação em linha alta se os homens de frente não conseguem ser intensos os noventa minutos? Como furar marcações fechadas se os jogadores não conseguem romper linhas e atacar espaço com agressividade? E até para não ficar preso só na questão da idade, como buscar uma construção desde lá de trás se o goleiro Cássio nunca foi estimulado a sair jogando com os pés? Isso sem falar do desgaste insano do nosso calendário com jogo atrás de jogo, viagens e mudanças climáticas de Fortaleza a Caxias do Sul pelo Brasileirão, passando pela Bolívia a Argentina com a Libertadores…

Sei que não há fórmula pronta para vencer no futebol e reconheço o enorme talento que alguns jogadores do elenco corintiano tem. Mas o desafio de Vitor Pereira é imenso! Potencializar o que esse time tem de melhor e minimizar as fraquezas não será um trabalho dos mais fáceis…

Categorias
Colunas

Os dilemas de Vitor Pereira no Corinthians

Crédito imagem: Divulgação/Timão Web

Estou muito curioso para acompanhar a evolução do trabalho do português Vitor Pereira à frente do Corinthians. O desafio de todo treinador quando chega em um novo clube é diminuir a distância e ser assertivo entre o que “quer fazer” e o que “dá pra fazer”. É claro que o técnico estrangeiro tem um empoderamento maior no ambiente. Digamos que inovar é um pouco mais fácil  para um profissional que vem de fora do que para um “doméstico”. Porém em alguma intensidade a ruptura com Vitor Pereira irá acontecer, já que o que ele pensa de futebol está muito distante do que vem sendo feito, salvo alguns curtos períodos, há mais de uma década no Corinthians.

A equipe de Parque São Jorge foi vitoriosa com Tite, Mano Menezes e Fábio Carille tendo uma ideia macro muito semelhante. Claro que algumas particularidades eram específicas de cada time, já que jogadores diferentes geram conexões também diferentes. Mas podíamos identificar padrões muito claros que permaneciam ao longo dos anos. Por exemplo, o bloco defensivo variando do médio para o baixo, a linha defensiva sempre com quatro jogadores tanto para defender como para atacar numa construção bem sustentada. Para atacar, e na própria transição ofensiva, a ideia prioritária era o passe vertical, tentando chegar ao gol adversário com poucos toques. Na transição defensiva, uma busca imediata pela recuperação da posse, porém após alguns segundos já uma recomposição da organização defensiva. 

Agora, Vitor Pereira demonstra gostar de outros mecanismos, como a saída de bola com três e não quatro jogadores, o goleiro participando da construção e jogando adiantado para fazer coberturas, já que o bloco de marcação também fica adiantado. Para atacar, jogadores bem abertos dando amplitude, buscando sempre triângulos, mesmo que isso gere passes para o lado e para trás várias vezes. E para executar essas ideias o grande dilema será a escolha dos jogadores. Cássio será esse goleiro que joga com os pés e fica adiantado fazendo coberturas? Gil terá velocidade para acompanhar os atacantes adversários quando vier uma bola longa? Fagner conseguirá jogar por dentro tendo outro jogador aberto pela direita?

É esse tipo de questionamento que será respondido com a sequência de jogos… entretanto a questão central para Vitor será ter o máximo de eficácia com o mínimo de atrito entre o que ele quer fazer e o que de fato dará para fazer.