Sobre a cultura da competitividade nos ambientes de treino

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Crédito imagem – Rodrigo Coca/Agência Corinthians

Não há muitas dúvidas de que o processo de treino tem (e precisa ter) relações diretas com o jogo formal de futebol. É bem verdade que ainda não está claro que essas relações, ainda que diretas, ocorrem em diversos graus: por exemplo, para dois microciclos idênticos, inclusive dentro de uma mesma metodologia, os resultados podem ser completamente diferentes. Dentre outros motivos, isso acontece pela subjetividade do humano – cuja significância é inquestionável -, pelo caráter sistêmico do jogo de futebol – a partir do qual não cabem simples relações de causa/consequência – mas especialmente pelo ambiente no qual se desenvolve o processo de treino: em ambientes saudáveis, e digo isso de um ponto de vista humano, não raro o treino tende a ser melhor do que em ambientes doentios, nos quais a qualidade das relações não se sustenta.

Dentre as características que fazem dessas relações mais leves ou tensas, me permitam tratar de uma delas, em particular: a competitividade. Não sei vocês, mas a experiência tem me mostrado que a criação de determinados hábitos individuais e coletivos será tanto melhor quanto mais alto for o nível de competitividade de um dado processo de treino – especialmente durante a fase de especialização esportiva (entre cerca de 15 a 20 anos). Isso significa, inclusive, que pode haver uma relação hierárquica entre as duas coisas: de nada adianta sabermos dos mais elaborados conteúdos de jogo se, antes disso, não soubermos criar ambientes nos quais apareçam repetidamente os conteúdos macro e micro que nos interessam, mas também ambientes que sejam tão ou até mais competitivos do que a própria competição que se sucede no jogo (lembrando, evidentemente, do treino como jogo e do jogo como treino).

***

Bom, para cultivar ambientes competitivos de um ponto de vista do treino, acho importante citarmos o lugar da pedagogia. O cultivo de ambientes competitivos pode perfeitamente ser incidental, mas caso deseje ser intencional, precisa caminhar junto da didática e do método. Isso não significa que a criação de ambientes competitivos aconteça a partir da decoração pura e simples de determinadas metodologias de treinamento, como um ator decora um texto, ou pela mera reprodução de determinadas estratégias didáticas, mas sim que o nível de competitividade do processo de treino depende da aplicação particular e subjetiva dessas duas variáveis pedagógicas na constante relação com o ambiente. O método, como nos revela a origem da palavra (do grego méthodos), é o caminho, o percurso a partir do qual um certo objeto é e será tratado ao longo do tempo. A didática, como escreve a respeitabilíssima Selma Pimenta neste artigo, tem como objeto a prática social do ensinar – o que vai absolutamente ao encontro das exigências do futebol, notadamente pela profunda complexidade do ato de ensinar, que está para muito além de qualquer tipo de mecanicismo.

Portanto, reparem que a criação de um ambiente competitivo não está unicamente sob o domínio da incerteza – embora esteja claramente permeada por ela, como ocorre em todos os sistemas complexos. Uma rápida lembrança da obra do professor Alcides Scaglia e veremos que há pelo menos dois objetivos que o pedagogo (leia-se, o treinador) deve perseguir: o surgimento de um ambiente de jogo e de um ambiente de aprendizagem – este artigo trata bem de ambos. Mas também considerem a importância disso que chamamos de estado de jogo – onde me parece estar, de alguma forma, a gênese pedagógica de um estado competitivo. Sobre isso, vale uma citação do próprio Alcides (no livro O jogo dentro de fora da escola, de 2005), sobre a diferença do jogador que alcança o estado de jogo, enquanto liberação da potência humana:

“(…) Ou seja, aquele que jogando não cumpre apenas um papel formal do jogo como atividade (ataque e defesa), mas realiza uma experiência de estado de jogo – jogar plenamente, engendrando formas particulares de interação entre o organismo e o ambiente, em uma dimensão de tempo histórico, evidenciando um caráter paradoxal de entrega e inutilidade aparente.”

Portanto, aqui traçamos uma linha importante do ponto de vista metodológico: há sim uma relação importante entre o cultivo de estímulos competitivos com a metodologia de treinamento adotada. O treino que parte especialmente da técnica como fundamento pode perfeitamente criar situações de competitividade, mas talvez não consiga fazê-lo com a mesma largura e profundidade do que as metodologias nascidas e criadas no jogo – dentre outros motivos, pela natureza complexa do ato de jogar. 

***

De um ponto de vista mais micro, uma estratégia que tenho adotado há algum tempo na Elleven Academy – e sei que é do agrado de outros colegas – é o que o colega Eduardo Barros apresentou, em coluna nessa mesma UdoF, como Planilha de Aproveitamento. Basicamente, trata-se do seguinte: cada um dos jogos realizados ao longo da semana de treino vale um determinado número de pontos. Esses pontos podem variar de acordo com a importância do jogo dentro do microciclo, tanto de um ponto de vista fisiológico quanto de um ponto de vista tático-técnico. Os pontos vão se somando, de um modo que geram uma espécie de classificação – sempre tornada pública para os atletas. Com isso, é possível observar padrões de rendimento tanto de um ponto de vista semanal ou mensal, mas também o aproveitamento dos atletas ao longo de vários meses, o que passa a ter maior valor estatístico. No meu caso, ainda proponho que a equipe que somar mais pontos naquela sessão de treino vai direto para o descanso, enquanto que a equipe derrotada (ou as equipes, no caso de três ou mais times) ainda cumpre mais uma tarefa física previamente estipulada.  

Por um lado, de fato a adoção de um controle pedagógico do aproveitamento dos atletas em cada jogo aumenta substancialmente a intensidade do treino. Me arrisco a dizer que um estudo com dois grupos diferentes, um deles sob intervenção dessa estratégia e outro não, provavelmente traria indicadores fisiológicos favoráveis ao primeiro. Mas além de um ponto de vista fisiológico, minha sensação é que a profundidade do estado de jogo decorrente dessa estratégia pedagógica é um grande facilitador na implementação de comportamentos de jogo. Por exemplo, se percebo uma certa morosidade na mudança de atitude em transição defensiva, a adoção de jogos que estimulem a mudança de comportamentos em transição, nesse tipo de ambiente, me parece mais profunda do que a mesmíssima intencionalidade num ambiente distinto. Também noto um envolvimento muito maior dos garotos, especialmente dos que estão descansando num determinado momento (num jogo conceitual qualquer, com número reduzido de atletas), o que permite outra capacidade importante, que é a do jogador externo ao jogo manter-se envolvido ainda que não como jogador – avaliando o que se passa no jogo, especialmente de um ponto de vista tático, podendo depois relatar a mim e à comissão o que viu. 

Como uma ressalva, observo o seguinte: embora a adoção desse tipo de estratégia possa de fato aumentar substancialmente o nível de competitividade de um determinado grupo, especialmente naqueles onde parece haver um certo grau de conformismo e relaxamento, é importante cuidar do ambiente para que a competitividade não se transforme em agressividade crônica. Embora me pareça muito importante, de um ponto de vista humano, que o treino seja um espaço de liberação de tensões emocionais, é importante cuidar da linha tênue que separa uma coisa da outra, pois quanto maior o nível de agressividade, menor me parece a capacidade de absorção daqueles conteúdos de jogo de que falávamos. Dai que seja preciso encontrar um estado ótimo de competitividade – o que não acontece por fórmulas objetivamente inventadas, mas sim pela sensibilidade pedagógica do treinador ou treinadora.

Seguimos em breve.

+ posts

Hudson Martins é Graduado em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Juiz de Fora. além de Graduado em Ciências do Esporte e Mestre em Educação Física pela Unicamp. Atualmente, treinador pela Elleven Futebol Studio, em Campinas.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso