Lições e alertas do skate olímpico

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

A disputa do skate nos jogos olímpicos chamou atenção do público pela pouca idade de muitos dos atletas. Entre eles, o destaque foi Rayssa Leal, brasileira medalhista de prata que cativou o mundo com seu carisma, sorriso e leveza. Aos 13 anos e 204 dias completados ela se tornou uma das medalhistas olímpicas mais jovens de todos os jogos e também uma das grandes histórias da atual edição.

Rayssa é conhecida como a fadinha do skate, por ter viralizado nas redes ao aparecer com sete anos em um vídeo fantasiada de fada acertando manobras e desde então foi crescendo no esporte até alcançar a conquista na última semana. A alegria que esbanjou ao longo da competição foi um forte sinal de como a experiência dos jogos para ela, e aparentemente, para a maioria dos seus colegas, foi divertida e positiva. Entretanto a “invasão de menores” que o skate proporcionou pode ter algumas consequências negativas no longo prazo que merecem ser discutidas.

O resultado de Rayssa e de tantos e tantas jovens atletas pode se explicar muito menos pela pouca idade do que pelo estágio de desenvolvimento da modalidade, ainda estreante no programa olímpico e pelas próprias características do esporte, que não exige tanto das aptidões físicas, a potência, velocidade e força, demandando mais da habilidade dos competidores. Entretanto, a mensagem que pode ficar para o público é a de que quanto antes começarem os treinamentos, melhores os resultados esportivos. É aí que mora o perigo.

Isso não é verdade nem para o desempenho nos esportes e muito menos para a vida desses jovens.

O treinamento especializado, quando acontece antes do momento adequado, é classificado por pesquisadores como especialização precoce, e é altamente prejudicial para o desenvolvimento das crianças, inclusive em relação ao desempenho esportivo. De modo geral, a especialização precoce acontece quando o esporte passa a ser uma obrigação para a criança, os resultados viram a prioridade e existe uma sobrecarga física e mental sobre ela.

Nessas situações a prática esportiva pode ser entendida como um trabalho. As consequência desse tipo de relação com o esporte observadas com maior frequência são a extenuação mental e o abandono da prática, ou seja, muitos talentos acabam sendo desperdiçados. Para o desenvolvimento dessas crianças outros prejuízos podem ser listados, como o distanciamento escolar, por exemplo.

Isso quer dizer que crianças não podem praticar esportes? Absolutamente não, podem e devem!

Quando observamos a relação dos e das skatistas nesses jogos olímpicos com o esporte, o que se pôde perceber é que muitos deles pareciam estar aproveitando o momento, se divertindo, inclusive com a performance dos rivais – que são mais colegas do que rivais! Ou seja, o grande ponto não é quando começar um esporte, mas sim como. Se a prática é prazerosa, sem obrigações, ela é benéfica para o desenvolvimento e potencializa o talento, como Rayssa demonstrou tão bem. Crianças devem brincar, não trabalhar.

O limite de idade

Para diminuir a precocidade dos seus participantes nos jogos olímpicos, a Federação Internacional de Ginástica (FIG) estipulou o limite para 15 anos e em 1997, subiu a idade para 16 anos. Temos aqui a ponderação de que a medida cerceia, de certa maneira, o direito de atletas talentosos a colocar suas habilidades à prova quando estiverem à altura da competição. Por outro lado, a medida ajuda a prevenir a especialização precoce e seus impactos negativos na vida dos jovens atletas. Quanto mais cedo for permitido que crianças disputem competições adultas e alcancem resultados excepcionais, mais cedo adultos irão buscar extrair o máximo delas, o que costuma ser trágico para seu desenvolvimento. Sob a ótica da garantia dos direitos das crianças, o limite mínimo de idade nas competições adultas acaba sendo, em geral, positiva.

E aqui, vale lembrar que estamos nos pautando pela priorização dos direitos das crianças. Se pensarmos exclusivamente no resultado de uma competição, talvez especializar possa até fazer sentido em alguns momentos… É possível ganhar de diversas formas, mas muitas vezes, algumas simplesmente não valem a pena.

Que Rayssa, e que todas e todos que venham depois dela continuem por aí voando, felizes. Vencedores ou não.

Colaborou com o desenvolvimento dessa coluna Marcelo Massa, doutor em Iniciação esportiva, Treinamento a longo prazo e Talento esportivo pela Universidade de São Paulo – USP.

+ posts

Jornalista mestre em Ciências em Motricidade especializado nos direitos das crianças e adolescentes no futebol e idealizador do site industriadebase.com. Analista de conteúdos institucionais na Universidade do Futebol.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso