Universidade do Futebol

Colunas

06/07/2018

Entre o Brasil e a Bola Fora

O MERCADO DE TRANSFERÊNCIA DE ATLETAS PROFISSIONAIS DE FUTEBOL

Bem-vindos ao nosso mês de julho aqui no “Entre o Direito e o Esporte”! Nesse mês nós vamos conversar sobre aquele assunto da pelada de final de semana. Nesse mês nós vamos dar uma olhada naquela parte do ano que faz a gente ficar de olho o tempo todo nos sites do futebol brasileiro. Nesse mês a gente vai ver mais sobre…

Divulgação: Instagram oficial da Copa do Mundo FIFA de 2018 na Rússia

 

É, não… não vamos falar mais sobre a Copa do Mundo! Sei que isso ainda está rolando pela televisão por aí, só que agora vamos focar no que já começou a milhão e, assim que virar o dia 15 de julho, vai ser o dia a dia de toda seção de esporte do jornal na banca mais próxima – ou na internet! Vamos falar sobre o mercado de transferências dos atletas profissionais de futebol.

E, para deixar tudo mais organizado, já deixo aqui o que vamos ver juntos nessas próximas semanas: na sexta-feira 13 vamos conversar sobre o “início” de uma transferência (tipo o que vem antes, o ovo ou a galinha?); já na semana do dia 20 de julho vamos dar uma olhada no “intermédio”, ou seja, o que acontece depois do acordo (só lembra disso: TMS); e fechamos o mês com um “novo começo” (ou quando o atleta é liberado para jogar pelo seu time).

Bora lá?

Dia de semana, você no trabalho. Você no trabalho tem que escolher um novo “campeão” para “mudar os rumos” da sua empresa. Você na sua empresa cuida do tal dos recursos humanos. Vem pessoa que você procura: currículo incrível, líder nata, e com um histórico impecável. Quais são seus próximos passos? Isso mesmo! Saber se ela trabalha em algum outro lugar, saber como vai ser para ela sair desse outro lugar, e saber como você vai convencer ela a sair desse outro lugar.

Essa época do ano é a mesma coisa para quem trabalha com futebol – ainda mais com a pausa para a Copa do Mundo FIFA®. É quando o cara responsável pelo seu time busca os caras para mudar a cara do campeonato. E para fazer isso vai se fazer três perguntas quando achar qualquer jogador profissional: 1.) Ele tem contrato?; 2.) Se tem, qual proposta eu faço para o clube dele?; 3.) Se o clube aceitar, qual a proposta que eu faço para ele?

É bem isso que vamos ver nessa próxima semana aqui no “Entre o Direito e o Esporte”. O início dessa negociação entre um clube e um atleta que muitas vezes envolve ainda: outro clube, ao menos um intermediário e um advogado (geralmente “alguns”), uma associação de futebol (local, nacional…), e até “alguém com dinheiro sobrando”.

Imagina agora que deu tudo certo. Você conseguiu contratar aquela pessoa para a sua empresa. E aí, o que passa pela sua cabeça antes de comemorar? Aham! Fechou o acordo, quando pode começar? E tem alguma burocracia dentro e fora da sua empresa para que tudo aconteça de um jeito redondo?

Pois é! É a mesma coisa no seu clube, sabia? O cara do seu time tem que fechar o acordo (e acredite, isso dá um trabalho do cão – transformar a realidade em um contrato nem sempre é simples), fechar a transferência (que pode acontecer em qualquer momento, embora tenha a tal “janela”), e fechar toda a burocracia envolvendo esse acordo e a transferência (de novo, só lembra de TMS, tá?).

Esse é o tema do dia 20 de julho aqui na nossa coluna. Ou seja, todo esse “intermédio” que acontece entre a proposta oficial e o registro do jogador pelo seu time! E, te garanto, tem muita coisa aí que pode levar do “tenho certeza que rola” a um “ups…”.

Passando por todo esse caminho cheio de pedras, você se prepara para abrir a champanhe. Hoje sim, hoje sim, hoje não… calma! Antes desse “novo começo” da sua empresa, ainda tem que fazer o registro daquela pessoa na sua empresa. Esse registro pode levar a alguns desafios (ai meu deus se a pessoa for “de fora”). E esse registro tem umas burocracias interessantes e necessárias.

No nosso futebol é assim também! O cara do seu time ainda tem que registrar o atleta na Federação que o seu clube faz parte. Esse registro leva a alguns desafios (até, por exemplo, o visto de trabalho de atleta estrangeiro e o limite de “não brasileiros” atuando pelo seu time em campo ao mesmo tempo). Esse registro tem uma burocracia “quase única” que é o tal do BID (ou Boletim Informativo Diário) da Confederação Brasileira de Futebol.

Aí é o nosso fechamento do mês de julho, quando vamos dar uma olhada em todo o caminho entre o “fim” e o “novo começo” que é quando qualquer jogador pode estrear por um novo time – nesse caso, o seu.

Como a gente sabe, tudo que fica entre o seu clube e o atleta e entre o seu clube e o intermediário aparece no dia a dia do nosso futebol. E nesse caminho que a gente acha o que aparece “entre o Brasil e a bola fora”. Em outras palavras, o também direito desportivo dá as caras quando o seu clube quer trazer alguém ou quando o seu ídolo quer “novos ares”. O mercado de transferência do futebol profissional é mais um tema que fica “Entre o Direito e o Esporte”.

Espero que estejam aproveitando a Copa do Mundo FIFA®de 2018 na Rússia, e convido vocês a continuar no “Entre o Direito e o Esporte” para começar devagarinho a falar do nosso “pós Copa” aqui comigo! É isso por hoje, e nos vemos na próxima sexta-feira para dar uma olhada nesse “início”. Feito? Deixo meu convite para falarem comigo por aqui, pelo meu LinkedIn ou pelo meu Twitter. Até a sexta-feira 13!

Comentários

Deixe uma resposta