Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
A definição cada vez mais próxima do Campeonato Brasileiro pode representar um divisor de águas para o jornalismo esportivo no país. Mais do que desejo de um sonhador, a arrancada decisiva e definitiva do São Paulo, a persistência do Grêmio, a inconstância do Cruzeiro, a empolgação do Flamengo e o desalinho do Palmeiras mostram para o jornalista que o futebol hoje é algo muito diferente daquilo que ele acreditava há questão de cinco anos.

Quando a imprensa bradava a “europeização” do principal campeonato do país, o fazia em busca de alguma coisa que não entendia direito o que era. Calendário racional, mais dinheiro, estádios mais bonitos, platéias lotadas, craques em campo… No fundo, no fundo, a idéia era de que, ao ter um campeonato em pontos corridos, sem fórmulas malucas e com continuidade, teríamos um futebol brasileiro endinheirado e emocionante.

Agora, na sexta edição do Brasileirão por pontos corridos, corremos o grande risco de ter tido três deles com o mesmo campeão, algo inédito na história do país que se gaba ser o “do futebol”. E, numa típica mania brasileira, iremos perguntar em dezembro: “A culpa é de quem?”.

Por que temos sempre de tentar achar um “culpado” para quando acontece algo que não prevíamos ou, então, que não queríamos que acontecesse? E por que o Brasileirão por pontos corridos não é tão legal quanto parecia ser?

Pode ser porque continuamos a exportar nosso pé-de-obra, porque não melhoramos as condições em nossos estádios, ou então porque insistimos em tratar o torcedor como gado, e não como o mais precioso dos consumidores (é bem da verdade que muitos clubes já “descobriram” que a fórmula mágica é essa, e não a maneira como se disputa a competição).

Mas a verdade é que a aparente falta de “diversidade” que o Brasileirão por pontos corridos promove nada mais é do que a essência de sua fórmula. O mais preparado vence, não fica a mercê da oscilação nervosa de uma final, de um mata-mata.

Pergunte a quem joga qual modelo é melhor. A incerteza de uma decisão ou a constância dos pontos corridos? Ou, ainda, pergunte a quem gerencia um clube. É melhor não saber até quando o time tem de atuar ou é preferível saber todas as datas em que a equipe entrará em campo com mais de um ano de antecedência?

Os pontos corridos mudaram o conceito de muita gente no futebol. Falta a imprensa deixar de ter a mente tão tacanha, igual àquela que fez os pontos corridos serem obrigação para a CBF. O fato é que se aproxima uma mudança de conceito na cabeça da imprensa brasileira. E ela, necessariamente, passa pela arrancada são-paulina. Coroando um trabalho de continuidade, de manutenção de fórmulas que deram certo, de reposição de peças que não funcionam, de manutenção daquelas que fazem a engrenagem andar.

É hora de a imprensa olhar um pouco além do mero resultado. Não buscar o culpado, mas o motivo. Só assim as coisas evoluirão.

Para interagir com o autor: erich@universidadedofutebol.com.br

+ posts

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso