Djalma Santos 8.0… Nós jogamos com ele!

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Há algumas semanas, fomos agraciados com uma série de reportagens alusivas aos 80 anos de Djalma Santos…
 
Para os mais moços que não o viram jogar, talvez o episódio tenha passado despercebido, mas tanto para aqueles que tiveram essa felicidade, como para os outros atentos à história do futebol brasileiro, o fato foi daqueles de brindar a vida!… Afinal, não é todo o dia em que temos notícia de um octogenário jogando sua peladinha todo domingo, seguido de um bom papo – às vezes regado a uma cervejinha, por que não? – com os amigos… E mais ainda quando se trata de alguém que aprendeu com a vida o que é de fato vivê-la…
 
Vejam o que disse ele em certo momento: "Não se para de jogar bola porque se é velho, mas sim nos tornamos velhos porque paramos de jogar bola"!
 
E pensar que ainda tem em nossa meio quem se reporte à saúde enfocando-a exclusivamente em sua dimensão bio-fisiológica!
 
Bem… Mas todo esse preâmbulo foi escrito para que pudesse dizer que tive o privilégio de jogar com Djalma Santos!
 
Pois é… Estávamos no ano de 1976 em São Luis do Maranhão… Nós – um grupo de professores de Educação Física repleto de utopias – e ele, então contratado como técnico do Sampaio Corrêa Futebol Clube, um dos grandes do futebol maranhense, ao lado do Moto clube e do MAC (Maranhão Atlético Clube).
 
Boa parte de nosso grupo trabalhava vinculado ao Departamento de Esporte do governo daquele Estado, basicamente envolvido com os afazeres de duas modalidades esportivas, o handebol e o voleibol.
 
O contrato de trabalho era de 40 horas… Não deu outra: montamos um time de futebol e demos a ele o nome de… Handvô-40, homenagem ao handebol, ao voleibol e às 40 horas de trabalho – qualquer semelhança com outra expressão…
 
Pois foi nesse time que Djalma Santos foi convidado a jogar e… Jogou! Se nossas conversas o assustavam às vezes (chegamos perto de comprar uma ilha, embalados pelas idéias de A.S. Neill, fundador da escola de Summerhill), a de participar do time foi recebida com o mesmo sorriso que ele estampa hoje em seu rosto…
 
Duvidam? Pois aí vai a prova! O primeiro da fila é o diretor – presidente do CEV, Centro Esportivo Virtual… O último, este ponta-esquerda que vos escreve! No meio dela, Djalma Santos, junto com Viché, Sidney (ambos professores da UFMA) Gil, "Zé Pipa", Marcão – o "véio" – e outros cuja lembrança surge enevoada em minha cabeça…
 
Não sei dizer se Djalma Santos tem recordação desses tempos… Penso que sim, pois foram dias que não se repetem todos os dias…

, Universidade do Futebol

*Publicada originalmente no dia 26 de março de 2009

Leia mais:
Portuguesa: o maior amor do mundo da minha aldeia
José Carlos Asbeg, diretor de "1958: o ano em que o mundo descobriu o Brasil"
O dia em que a Academia foi a seleção
Futebol, superstição e religiosidade

+ posts

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso